Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Pesquisa realizada na Universidade da Califórnia desenvolveu uma usina de biodigestão capaz de transformar lixo orgânico em biogás com maior eficiência

Uma importante pesquisa do Departamento de Engenharia Biológica e Agrícola da Universidade da Califórnia, na cidade de Davis (EUA), tenta resolver dois dos maiores problemas atuais de uma vez: combater excesso de lixo e gerar energia limpa.

A pesquisadora Ruihong Zhang e seu grupo coordenam um estudo que visa usar bactérias para transformar o lixo orgânico (principalmente as sobras de alimentos) em energia. Pesquisando o tema há quase 20 anos, sua missão é transformar o máximo possível de lixo orgânico em energia renovável.

A partir da pesquisa de Zhang, a universidade inaugurou em abril desse ano uma usina de biodigestão de lixo que ganhou o nome de Digestor Anaeróbico de Energia Renovável da UC Davis – ou simplesmente Read (na sigla em inglês), com um custo total de US$ 8,5 milhões.

Conheça mais sobre o processo de biodigestão clicando aqui.

A usina foi instalada no antigo depósito de lixo da universidade e usa uma tecnologia desenvolvida por Zhang e licenciada pela UC Davis para a CleanWorld, empresa formada por ex-alunos de Zhang. Em seu sistema, um processo de fermentação é realizado – nele, as bactérias devoram o lixo e produzem metano e gás carbônico, ou seja, biogás. Esse sistema é realizado em grandes tanques de oxigênio e utiliza o lixo orgânico produzido no campus. O projeto tem capacidade de converter 50 toneladas de lixo em 12 mil quilowatts-hora por dia, livrando a universidade de 20 mil toneladas de lixo por ano.

Com maior eficiência se comparada aos modelos tradicionais, a tecnologia criada por Zhang, denominada High Solids Anaerobic Digestion (HSAD) é capaz de usar uma grande variedade de dejetos orgânicos e tem uma taxa de digestão rápida, além de elevada produção de energia.

“Também destrói patógenos presentes no lixo, resultando na produção de biofertilizantes”, disse a pesquisadora, que dirige o Centro de Pesquisa em Biogás na UC Davis.

Como a usina está instalada em um antigo depósito de lixo, é possível utilizar o biogás produzido naturalmente do próprio lixão, capacitando a geração de 5,6 milhões de quilowatts-hora de energia. Além disso, a usina reduz em cerca de 13,5 mil toneladas por ano a emissão de gases causadores do efeito estufa que seriam gerados pela utilização de outras fontes de energia. Com isso, a UC Davis ganha créditos de carbono.

A usina também tem a capacidade de gerar cerca de 15 milhões de litros por ano de fertilizantes, o suficiente para suprir uma demanda de 600 mil metros quadrados de área cultivada. “É preciso destacar que o sistema de biodigestão não é importante apenas por produzir energia ou fertilizantes, mas também por trazer uma utilização para o lixo que produzimos. Trata-se de uma tecnologia que permite que sejamos mais sustentáveis, tanto econômica como ambientalmente”, disse Zhang, que foi uma das palestrantes da FAPESP Week California, realizada em novembro de 2014.

Fonte: FAPESP Week California

Veja também
Nova tecnologia de geração de energia por meio de correntes marítimas está em teste no Canadá
Centro de tratamento de água recicla esgoto e urina em água potável
Empresa desenvolve membrana que trata água residual e produz energia renovável
Biogás: potencial de geração de energia ainda não é explorado
Empresa coloca vaso sanitário em moto para disseminar uso de biogás