Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Povoada há cerca de seis mil anos, floresta amazônica preservou vestígios dos povos antigos em Rondônia. Produção do SescTV acompanhou o trabalho de pesquisadores da USP e nativos no local

Por Tabita Said em Jornal da USP — Disponível no Canal Cultural do Sesc na internet e na TV, a série Amazônia, Arqueologia da Floresta mostra um território vivo e repleto de artefatos arqueológicos que ajudam a compreender a longa ocupação humana na Amazônia. Os vídeos exploram a relação de transformação do local a partir da vivência e sobrevivência dos indígenas Tupari no sítio arqueológico Monte Castelo, em Rondônia.

A série documental produzida pelo SescTV acompanhou os trabalhos de escavação de um grupo de pesquisadores da USP e de diferentes universidades do Brasil e do exterior, em parceria com os moradores da aldeia Palhau, da etnia Tupari. Os arqueólogos encontraram indícios de como viviam os povos da Amazônia há 6 mil anos. A hipótese do grupo é de que a Amazônia não é uma floresta natural, mas um patrimônio biocultural criado pela intervenção indígena na paisagem.

Entre camadas de sambaquis, foram descobertos restos de fauna, sementes de plantas, cerâmicas e ossos humanos preservados. O trabalho de escavação e o registro em vídeo foram conduzidos pelo arqueólogo e professor do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, Eduardo Góes Neves.

“A arqueologia conta histórias que foram apagadas”, afirma Neves no vídeo de estreia da série. Conhecido como arqueólogo da Amazônia, o pesquisador integra o Laboratório de Arqueologia dos Trópicos do MAE e coordena o Projeto Amazônia Central, onde vários sítios grandes foram escavados pela primeira vez. Ao Jornal da USP, Góes Neves conta que o sítio é ocupado pelo menos desde os últimos 6 mil anos “e tem um longo registro da presença indígena na região”.

Além dos episódios que compõem a série, o arqueólogo revela que há mais imagens filmadas em outras partes de Rondônia envolvendo pesquisas de paleobotânica em fósseis da região. “A captação de imagens continua e nós teremos mais episódios, mais para a frente”, diz.

A série Amazônia, Arqueologia da Floresta acompanha as pesquisas realizadas no sítio arqueológico Monte Castelo, em Rondônia. Conduzida pelo arqueólogo Eduardo Góes Neves, a série mostra que a presença humana ajudou a moldar a floresta e que, ao contrário do que até então se imaginava, a Amazônia sempre foi ocupada e transformada pelos povos que a habitam.

Confira o teaser da série clicando no player.

Com quatro episódios, a série mostra que a presença humana ajudou a moldar a floresta e apresenta sinais de que a Amazônia sempre foi ocupada e transformada pelos povos que a habitam. A direção é da documentarista Tatiana Toffoli.

Entre as universidades presentes na escavação estão a USP, Universidade Federal de Rondônia, Universidade Federal do Oeste do Pará e professores do Reino Unido e da Alemanha.

Confira a seguir o primeiro episódio completo, cedido pelo SescTV, e o teaser de cada episódio seguinte. A série completa pode ser vista pelo canal do Sesc TV disponível em operadoras de TV por assinatura ou pela internet, diretamente neste link.

Este texto foi originalmente publicado por Jornal da USP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original. Este artigo não representa necessariamente a opinião do Portal eCycle.