Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Há a possibilidade de animais serem extintos em até 30 anos

Quando falamos de animais ameaçados pelo aquecimento global, o primeiro que vem à nossa cabeça é o urso polar. Mas a ameaça também ronda animais muito mais próximos.

Uma pesquisa feita na Universidade Federal de Goiás (UFG), liderada por Rafael Loyola, mostrou que 12% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica podem ser extintas em 30 anos (como a perereca de vidro, na imagem acima) e muitas outras espécies terão de migrar para outros ambientes, pois os locais onde elas estão instaladas, que têm o clima adequado à sua sobrevivência, irão sumir. Espécies mais rústicas vão sobreviver melhor, como a rã-touro, que na verdade não é nativa, foi introduzida no Brasil para fins comerciais. Isso desfavorece as nossas espécies e reforça uma variedade genética que já é antiga e invasora.

Em outra pesquisa, feita na Universidade Federal do Paraná (UFPR), a equipe de Thais Costa explica que anfíbios são animais ectotérmicos, ou seja, a temperatura de seus corpos depende da temperatura do ambiente para a manutenção de um bom metabolismo. Por isso, as mudanças climáticas podem fazer com que eles sofram muitos danos: fiquem mais suscetíveis a doenças; tenham alterações no tempo de metamorfose; sofram mudanças no comportamento (como no canto de acasalamento e na frequência de alimentação); entre outros.

O Aquário de Vancouver, no Canadá, já publicou imagens que ilustram o enorme desequilíbrio ambiental que seria causado com a extinção dos anfíbios: montagens que ficaram bastante famosas, com a frase: “Se os sapos forem extintos, você vai perceber” (em tradução livre).

De volta ao estudo de Loyola, as espécies que estão ameaçadas têm uma característica em comum que chama muita atenção: modos de reprodução muito específicos para determinados ambientes. Ou seja, qualquer alteração em seu habitat já torna tudo mais complicado. Assim, a solução seria aumentar as áreas protegidas na Mata Atlântica.

O problema é que há dois novos Códigos Florestais em votação, e ambos pretendem diminuir e muito as áreas protegidas: o Projeto de Lei n°1876/99, proposto por Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Paulo Piau (PMDB-MG) e outros (veja aqui quem já votou contra e a favor do PL 1876/99, para que ele passasse para a próxima etapa de votação); e o Projeto de Lei n° 5367/09 (seguindo o link, no fim do texto você pode baixar o projeto na íntegra em documento de Word), proposto por Valdir Colatto (PMDB-SC) , Zonta (PP-SC) , Abelardo Lupion (DEM-PR) e outros.

Veja também:
O planeta à beira de um colapso
Em pouco mais de um mês, metade da neve do Hemisfério Norte se derrete
Aquecimento global pode diminuir tamanho de peixes nas próximas décadas
Documentário mostra efeito das mudanças climáticas sobre geleiras do Ártico
Poluição luminosa afeta ciclos naturais dos animais, dizem pesquisadores
ONG lança campanha de famosos contra o código florestal