Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Cientistas testam o uso de microrrobôs no transporte de medicamentos quimioterápicos a células cancerígenas

Uma nova pesquisa publicada no jornal ACS Nano criou possibilidades para o avanço do combate ao câncer. Microrrobôs em formato de animais — peixes, caranguejos e borboletas — foram feitos para transportar medicamentos quimioterápicos  até locais específicos do corpo humano. 

O objetivo da quimioterapia é acabar com as células cancerígenas, mas, nesse processo, ela acaba afetando também as células sadias. Os microrrobôs seriam a solução para esse problema, diminuindo os efeitos colaterais do procedimento. 

Como foram criados? 

Os robôs são feitos de hidrogel e impressos em uma tecnologia 4D — objetos 3D que mudam de forma em resposta a certos estímulos. Nesse caso específico, o estímulo é uma mudança no pH de células cancerígenas. A mudança de forma varia com o modelo — peixes abrem as bocas e os caranguejos abrem as pinças.

Depois de impressos, os robôs são mergulhados em uma solução de nanopartículas de óxido de ferro que os tornam magnéticos. 

Como funcionam?

A invenção foi testada em vasos sanguíneos artificiais, onde os “animais” carregam os medicamentos da quimioterapia e são encaminhados até locais específicos de células cancerígenas dentro de uma placa de Petri. Então, os pesquisadores abaixam o nível do pH dessas células, tornando-as ácidas, o que faz com que os robôs mudem de forma e soltem as drogas, consequentemente matando as células mais próximas de si. 

Os microrrobôs ainda estão na fase de teste, e para funcionarem em seres humanos precisam receber aprimoramentos. Entre eles, é necessária a diminuição de tamanho — embora “micro”, ainda não conseguem viajar em vasos sanguíneos reais. Também é necessária a criação de um meio para que as invenções possam ser vistas e rastreadas de dentro do corpo.