Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

insulina é um hormônio produzido no pâncreas, uma glândula localizada atrás do estômago. Na verdade, o pâncreas produz dois tipos de insulina: basal – secreção contínua, para manter o mínimo constante no dia a dia – e bolus – quando o pâncreas libera grandes quantidades de uma vez, após cada alimentação, impedido que o açúcar dos alimentos se acumule no sangue.

Este hormônio permite que seu corpo use glicose para obter energia. A glicose é um tipo de açúcar encontrado em muitos carboidratos. Após uma refeição ou lanche, o trato digestivo quebra os carboidratos e os transforma em glicose.

A glicose é então absorvida pela corrente sanguínea através do revestimento interno do intestino delgado. Uma vez que a glicose está na corrente sanguínea, a insulina faz com que as células de todo o corpo absorvam o açúcar e o usem para obter energia.

Este hormônio também ajuda a equilibrar os níveis de glicose no sangue. Quando há muita glicose em sua corrente sanguínea, ela sinaliza a seu corpo para armazenar o excesso em seu fígado. A glicose armazenada não é liberada até que seus níveis de glicose no sangue diminuam, como entre as refeições ou quando seu corpo está estressado ou precisa de um impulso extra de energia.

Relação com o diabetes

diabetes ocorre quando seu corpo não usa insulina de maneira adequada ou não produz o hormônio o suficiente. Existem dois tipos principais de diabetes: tipo 1 e tipo 2.

O diabetes tipo 1 é um tipo de doença autoimune, ou seja, que faz com que o corpo ataque a si mesmo. Se você tem diabetes tipo 1, seu corpo não consegue produzir insulina. Isso ocorre porque o sistema imunológico destruiu todas as células produtoras do hormônio do pâncreas. Esta doença é mais comumente diagnosticada em jovens, embora possa se desenvolver na idade adulta.

No diabetes tipo 2, seu corpo se tornou resistente aos efeitos da insulina. Isso significa que seu corpo precisa de mais desse hormônio para obter os mesmos efeitos. Portanto, seu corpo produz insulina em excesso para manter os níveis de glicose no sangue normais.

No entanto, após muitos anos de superprodução, as células produtoras de insulina do pâncreas se queimam. O diabetes tipo 2 afeta pessoas de qualquer idade, mas geralmente se desenvolve mais tarde na vida.

Tratamento para diabetes

As injeções podem ajudar a tratar os dois tipos de diabetes. Elas atuam como um substituto ou suplemento para a insulina do seu corpo. Pessoas com diabetes tipo 1 não podem produzir insulina, então devem injetar o hormônio para controlar seus níveis de glicose no sangue.

Muitas pessoas com diabetes tipo 2 podem controlar seus níveis de glicose no sangue com mudanças no estilo de vida e medicação oral. No entanto, se esses tratamentos não ajudarem a controlar os níveis de glicose, as pessoas com a doença também podem precisar de insulina para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue.

Administração e dosagem

A insulina deve ser injetada no sangue com uma seringa, caneta ou bomba específica para isso. O tipo de injeção será baseado em suas preferências pessoais, necessidades de saúde e orientação médica.

O uso varia de pessoa para pessoa de acordo com os níveis de glicose no sangue e objetivos de controle do diabetes. O profissional da saúde poderá instruir o paciente a respeito de como administrar a insulina 60 minutos antes de uma refeição ou imediatamente antes de comer. A quantidade necessária depende de fatores como alimentação, nível de atividade física e gravidade do diabetes.

Reações à insulina

A hipoglicemia, ou níveis de glicose no sangue muito baixos, às vezes pode ocorrer quando você toma insulina. Esse fenômeno é chamado de reação à insulina. Se você se exercita muito ou não come o suficiente, seu nível de glicose pode cair muito e desencadear uma reação. Os sintomas incluem:

  • Cansaço
  • Incapacidade de falar
  • Sudorese intensa
  • Confusão
  • Perda de consciência
  • Espasmos musculares
  • Pele pálida

Tratamento

Para interromper os efeitos de uma reação, carregue pelo menos 15 gramas de um carboidrato de ação rápida com você o tempo todo, como:

  • 1/2 xícara de refrigerante não diet
  • 1/2 xícara de suco de fruta
  • 5 balas
  • 2 colheres de sopa de passas

Resistência e sensibilidade

A resistência e a sensibilidade à insulina são duas faces da mesma moeda. Se você tem resistência, você tem baixa sensibilidade à insulina. Por outro lado, se você é sensível à insulina, você tem baixa resistência.

Embora a resistência à insulina seja prejudicial à saúde, a sensibilidade é benéfica. A resistência à insulina ocorre quando as células param de responder ao hormônio insulina. Isso causa níveis mais altos de insulina e de açúcar no sangue, podendo levar ao diabetes tipo 2.

O que causa resistência à insulina?

Acredita-se que um seja o aumento dos níveis de gordura no sangue. Numerosos estudos mostram que grandes quantidades de ácidos graxos livres no sangue fazem com que as células parem de responder adequadamente à insulina.

A principal causa do aumento dos ácidos graxos livres é a ingestão excessiva de calorias e de gordura corporal. Na verdade, comer demais, ganhar peso e obesidade estão fortemente associados à resistência à insulina.

A gordura visceral, a perigosa gordura da barriga que se acumula ao redor dos órgãos, pode liberar muitos ácidos graxos livres no sangue, bem como hormônios inflamatórios que aumentam a resistência ao hormônio.

Embora essa condição seja mais comum entre aqueles com excesso de peso, pessoas com peso baixo ou normal também são suscetíveis.

Outras causas potenciais incluem:

A resistência à insulina está ligada à síndrome metabólica e diabetes tipo 2, que estão entre os maiores problemas de saúde do mundo. Pessoas com resistência à insulina ou síndrome metabólica têm um risco até 93% maior de doenças cardíacas.

Muitas outras doenças, incluindo doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), síndrome do ovário policístico (SOP), doença de Alzheimer e câncer, também estão ligadas à resistência ao hormônio.

Maneiras de reduzir a resistência à insulina

Muitas vezes você pode reverter completamente essa condição mudando seu estilo de vida das seguintes maneiras:

  • Praticar exercício: A atividade física pode ser a maneira mais fácil de melhorar a sensibilidade à insulina. Seus efeitos são quase imediatos, de acordo com estudos.
  • Perder gordura da barriga: É a chave para direcionar a gordura que se acumula em torno de seus principais órgãos por meio de exercícios e outros métodos, como dieta balanceada.
  • Parar de fumar: Fumar tabaco pode causar resistência ao hormônio, portanto, parar de fumar deve ajudar.
  • Reduzir a ingestão de açúcar: Tente reduzir a ingestão de açúcares adicionados, especialmente de bebidas adoçadas com açúcar.
  • Comer bem: Siga uma dieta baseada principalmente em alimentos inteiros não processados. Inclua nozes e peixes gordurosos.
  • Apostar em ácidos gordurosos de omega-3: Essas gorduras podem reduzir a resistência à insulina, bem como diminuir os triglicerídeos no sangue.
  • Investir em suplementos: A berberina pode aumentar a sensibilidade à insulina e reduzir o açúcar no sangue. Suplementos de magnésio também podem ser úteis.
  • Dormir bem: Algumas evidências sugerem que sono insatisfatório causa resistência à insulina, portanto, melhorar a qualidade do sono deve ajudar.
  • Reduzir o estresse: Tente controlar seus níveis de estresse se você ficar sobrecarregado facilmente. A meditação pode ser particularmente útil.
  • Doar sangue: Níveis elevados de ferro no sangue estão relacionados à resistência à insulina. Para homens e mulheres na pós-menopausa, doar sangue pode melhorar a sensibilidade à insulina.
  • Praticar jejum intermitente. Seguir esse padrão alimentar pode melhorar a sensibilidade à insulina.
  • Seguir uma dieta com baixo teor de carboidratos: Notavelmente, as dietas com baixo teor de carboidratos podem combater a síndrome metabólica e o diabetes tipo 2.