Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

O arquipélago de Fernando de Noronha é um patrimônio natural da humanidade, porém a região conta com problemas ambientais e sociais

Fernando de Noronha é um conjunto de vinte e uma ilhas, localizado em Pernambuco, no Brasil. A região conta com uma vasta biodiversidade e a presença de espécies endêmicas, como a tartaruga-verde. O turismo é bastante presente no local, porém existem algumas restrições para a realização de atividades nas ilhas. Além disso, existem alguns problemas socioambientais, como ruídos provocados pelos barcos turísticos e a inflação da região.

Fernando de Noronha é um arquipélago formado por vinte e uma ilhas, com 3.500 habitantes. Ele está localizado em Pernambuco, na região Nordeste brasileira, a 345 km da costa, e tem 26 km2 de extensão. A flora de Fernando de Noronha é considerada um patrimônio natural da humanidade, devido a sua biodiversidade e beleza natural.

A sua maior ilha leva o nome do arquipélago, Fernando de Noronha, e é a única com a presença de moradores e permissão livre para visitas. As demais ilhas requerem uma licença de autorização do Ibama, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais.  

Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha

O arquipélago é instituído como Parque Nacional Marinho (Parnamar), a partir do Decreto 96.693/88. O Parnamar é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral. De acordo com o Sistema de Unidades de Conservação:

O objetivo básico das Unidades de Proteção Integral é preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais, com exceção dos casos previstos nesta Lei”.

Além do Parnamar, Fernando de Noronha é protegido por uma Área de Proteção Ambiental (APA), instituída em 1986 pelo Decreto 92.755/86. O objetivo da APA é a proteção e conservação ambiental em conjunto com o turismo e a ocupação humana. Ela é uma Unidade de Conservação de Uso Sustentável que, de acordo com o SNUC, consiste em:

exploração do ambiente de maneira a garantir a perenidade dos recursos ambientais renováveis e dos processos ecológicos, mantendo a biodiversidade e os demais atributos ecológicos, de forma socialmente justa e economicamente viável”.

Portanto, a região tem restrições de uso e regras para acessar o local. Por isso, a visita é permitida para a realização de pesquisas, atividades educativas e de turismo ecológico.

Fauna, flora e topografia

O Arquipélago de Fernando de Noronha apresenta montanhas submarinas, com uma profundidade de quatro mil metros. Seu clima é tropical, com temperatura média de 25ºC. Ele é formado por vulcões, e sua topografia é composta por planícies e planaltos. 

Os vulcões presentes nas ilhas não estão mais em atividade, e foram desgastados pelas ondas ao longo do tempo. As planícies estão presentes predominantemente na costa. Enquanto o planalto é formado pelo conjunto de montanhas, as quais são separadas por vales. 

O bioma predominante é a Mata Atlântica, mas também tem a presença de mangue branco na região. Fernando de Noronha conta com a presença de algumas espécies endêmicas (exclusivas do bioma ou região). 

Entre as espécies encontradas estão duas de répteis e outras duas de aves. O arquipélago conta com a maior biodiversidade de aves migratórias do Brasil em ilhas oceânicas. 

Vida marinha

O ambiente marinho conta com uma diversidade de 230 espécies mapeadas. Entre as espécies existentes, destaca-se a presença de duas espécies de tartarugas marinhas em risco de extinção: a tartaruga-verde e a aruanã. 

Além disso, a região abriga 169 espécies de peixes, sendo dez espécies endêmicas. Também são encontradas espécies de golfinhos, tubarões, corais, moluscos, algas e esponjas marinhas e arraias. 

Apesar da vasta biodiversidade, algumas espécies animais invasoras prejudicam o equilíbrio ecossistêmico do local. Alguns exemplos são o roedor mocó, o lagarto teiú e o sapo-boi. Essas espécies competem com a fauna nativa, provocando danos à biodiversidade.

Turismo e questões socioambientais

O arquipélago é aberto à visitação das 08h00 às 18h00. As atividades que podem ser realizadas são trilhas no meio na natureza, passeios marítimos, mergulho e esnórquel. Além disso, a região conta com praias e mirantes que também podem ser aproveitados.

Fernando de Noronha recebe um número de visitantes que varia de 50 mil a 60 mil pessoas por ano. Para contribuir com a manutenção e preservação da área, os visitantes do local devem pagar uma Taxa de Preservação Ambiental. 

Outra medida adotada para evitar os impactos provocados pelo turismo foi a instituição da Portaria 025/95. Ela determinou a entrada de 420 pessoas por dia como limite máximo de entrada. Com o passar dos anos, a permissão passou a ser de 450 pessoas.

Impactos do turismo

O turismo é uma ferramenta para o desenvolvimento da região e geração de renda e emprego para a população local. Entretanto, mesmo com medidas de redução de danos, ele provoca alguns impactos socioambientais para a região. 

Primeiramente, Fernando de Noronha conta com o excesso de 2 mil pessoas, sendo turistas ou população flutuante (que retorna periodicamente). O que sobrecarrega o ecossistema e a população. A presença do turismo na região pode contribuir para a segregação social, uma vez que a condição econômica dos turistas e dos moradores é geralmente diferente.

Outros efeitos disso são o aumento de preço dos produtos e do uso de recursos naturais,a alteração no modo de vida da população local, seus costumes e sua identidade. De acordo com um estudo, o turismo pode promover o uso de drogas e aumento de estresse na população local. A ilha principal também sofre com o excesso populacional de moradores. 

Isso resulta em alterações nos ecossistemas, afetando principalmente as espécies endêmicas, que são mais vulneráveis às mudanças de caráter ambiental. Espécies endêmicas têm uma limitação geográfica, pois existem apenas em determinada região. Assim, se o ambiente em que elas vivem é modificado, elas são afetadas e o risco de extinção é maior.

Além disso, em geral, essas espécies apresentam um número populacional menor, o que também prejudica a capacidade de resistir a danos ambientais. Ademais, essas alterações promovem o déficit de água potável e a geração de lixo.

Em relação ao ecossistema, o turismo pode representar uma ameaça para a preservação da biodiversidade. Os golfinhos rotadores, uma das espécies-bandeira (espécie que representa uma causa ambiental) de Fernando de Noronha, são prejudicados com o barulho dos motores de barcos. Esses barcos são os meios de transporte para os passeios aquáticos, portanto quanto maior a quantidade de turistas, maior a presença de barcos.

Projeto Tamar

Para minimizar os impactos do turismo e contribuir na preservação das espécies endêmicas de tartarugas, Fernando de Noronha conta com o apoio do Projeto Tamar. Esse projeto é destinado a conservação das tartarugas no arquipélago. 

Além disso, desenvolve atividades de ecoturismo no Centro de Visitantes da Fundação Projeto Tamar de Fernando de Noronha, possibilitando visitas dos turistas. O horário de funcionamento do local é das 10h às 20h, todos os dias, e o ingresso para a visita é gratuito. Confira o vídeo sobre o projeto:

Praias mais famosas

Baía do Sancho

Baía do Sancho. Imagem editada e redimensionada de Alta fonte em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 4.0

A praia Baía do Sancho é formada por basanito, uma rocha de origem vulcânica, assim como na ilha Fernando de Noronha. De acordo com um estudo, a geologia do solo indica que nessa ilha ocorreram os estágios finais do vulcanismo da região. Essa estrutura rochosa se encontra a 50 m de profundidade da superfície, e tem uma coloração cinza.

Em 2012 e 2013, a praia foi eleita a melhor praia do país, por conta da sua beleza natural. Ela é uma das mais visitadas de Fernando de Noronha, com águas transparentes e de coloração turquesa. 

A Baía do Sancho tem um conjunto de trilhas na natureza, que representam uma área de 2.926 m. Ela conta com uma trilha suspensa que garante acessibilidade a todas as pessoas. 

Além disso, a trilha é feita a partir de materiais reciclados. As demais instalações da praia levam em conta tecnologias que minimizem os danos ambientais. Outras práticas sustentáveis adotadas pela praia são o tratamento de efluentes, captação da água da chuva e reaproveitamento da água. 

Praia da Conceição

Praia da Conceição. Imagem editada e redimensionada de Bjørn Christian Tørrissen em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 3.0

A Praia da Conceição, ou de Italcable, é de fácil acesso. Em épocas de marés altas, ela é bastante utilizada para a prática do surfe. Já na maré baixa, ela se encontra com grandes extensões de areia.

Baía do Sueste

A Baía do Sueste conta com a presença de um recife de corais protegido e característico da região, que pode ser visitado a partir do mergulho com guias. Ela é a mais protegida de Fernando de Noronha, contendo o único mangue presente no arquipélago, que é fechado à visitação. 

A área da Baía do Sueste é dividida em três partes, destinando cada uma delas para uma finalidade. Uma delas é destinada à prática de mergulho, já a outra é para o banho dos turistas. Enquanto isso, a terceira parte é destinada apenas para pesquisas e seu acesso é restrito.

Conheça a Baía do Sueste no vídeo:

Praia do Cachorro

Em 2015, a Praia do Cachorro foi considerada imprópria para o banho e foi interditada. Esse ocorrido foi consequência de um transbordamento do Córrego Titino, devido à presença de chuvas fortes. Dessa forma, o córrego utilizado como esgoto da região contaminou a área da praia. Entretanto, após alguns meses, uma vistoria foi feita e considerou a área segura para uso. 

A praia conta com uma água cristalina de coloração turquesa, e rochas basálticas. Ela apresenta o Buraco do Galego (uma piscina em pedras), as muralhas do Parque de Sant’Ana e uma bica de água doce.

Vila dos Remédios

Praia do Porto de Santo Antônio
Praia do Porto de Santo Antônio. Imagem editada e redimensionada de Adelano Lázaro, em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 4.0

A Vila dos Remédios é um centro comercial localizado na Praia do Cachorro. Ela apresenta a igreja Nossa Senhora dos Remédios e feirinhas artesanais.

Praia do Porto de Santo Antônio 

Praia do Porto de Santo Antônio. Imagem editada e redimensionada de Adelano Lázaro, em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 4.0

O Porto de Santo Antônio é um local turístico de Fernando de Noronha. Ele é utilizado para o transporte de cargas e passageiros, sendo importante tanto para o turismo quanto para a economia e desenvolvimento da região.

Praia da Cacimba do Padre  

Morro Dois Irmãos. Imagem editada e redimensionada de Ricardo Polisel Alves, em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY 2.0

A Praia da Cacimba do Padre é uma das maiores do arquipélago. Nela está presente o Morro Dois Irmãos, principal ponto turístico do local.

Praia do Leão

Praia do Leão. Imagem editada e redimensionada de Danilo de Castro em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 3.0

A Praia do Leão é uma das praias mais isoladas do arquipélago. Ela é o principal local de desova da tartaruga-verde, além de contar com a presença de recifes. Os recifes apresentam corais, esponjas, algas foraminíferos e rochas, e não é permitida a caminhada por cima desse ecossistema.

Além disso, é considerada a 3ª praia mais bonita do Brasil. Ela apresenta areias brancas, piscinas de pedras e resquícios da construção do Forte do Bom Jesus do Leão.