Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Você sabia que a criptomoeda, como o bitcoin, também tem impacto ambiental? Entenda

Imagem de Pierre Borthiry em Unsplash

Criptomoeda é uma moeda digital, como o bitcoin, que pode ser usada como forma de pagamento para adquirir bens e serviços, mas que utiliza um livro-razão on-line com criptografia forte para proteger as transações efetuadas no ambiente digital.

Muitas empresas emitem suas próprias moedas, geralmente chamadas de tokens, que podem ser negociadas especificamente pelo bem ou serviço que a empresa fornece. Em uma analogia, você pode pensar nas criptomoedas como se fossem fichas de fliperama ou de cassino. Para acessar o produto ou serviço, você precisaria trocar a moeda real pela criptomoeda.

As criptomoedas funcionam usando uma tecnologia chamada blockchain. Blockchain é uma tecnologia descentralizada espalhada por muitos computadores que gerencia e registra transações. Parte do apelo dessa tecnologia é sua segurança.

Quantas criptomoedas existem? Quanto elas valem?

Mais de 6.700 criptomoedas diferentes são negociadas publicamente, de acordo com CoinMarketCap.com, um site de pesquisa de mercado. E as criptomoedas continuam a proliferar, levantando dinheiro por meio das Ofertas Iniciais de Moedas – do inglês Initial Coin Offering, ou ICOs.

O valor total de todas as criptomoedas em 13 de abril de 2021 era de mais de 2 trilhões de dólares, de acordo com a CoinMarketCap, e o valor total de todos os bitcoins, a moeda digital mais popular, era de cerca de 1,2 trilhão de dólares.

Qual a razão da popularidade das criptomoedas?

As criptomoedas atraem seus apoiadores por uma série de razões. Em primeiro lugar, seus apoiadores veem as criptomoedas como a moeda do futuro, e, por isso, correm para comprá-las antes que se tornem mais valiosas.

Um fator de atratividade da criptomoeda é que ela impede os bancos centrais de administrar a oferta de moeda, uma vez que com o tempo esses bancos tendem a reduzir o valor do dinheiro por meio da inflação.

A tecnologia por trás das criptomoedas, o blockchain, também é um ponto positivo, porque é um sistema descentralizado de processamento e registro e pode ser mais seguro do que os sistemas de pagamento tradicionais.

Por fim, especuladores também se sentem particularmente atraídos pela criptomoedas, porque seu valor está constantemente subindo. Na verdade, eles não têm interesse na aceitação em longo prazo das criptomoedas como forma de movimentar dinheiro, uma vez que sua popularização automaticamente reduziria seu valor no mercado de investimentos.

Controvérsias envolvidas

Assim como as moedas reais, as criptomoedas não geram fluxo de caixa; portanto, para você lucrar com investimentos em criptomoedas, alguém precisa pagar mais pela moeda do que você. Na teoria do investimento, esse fenômeno é chamado de “o maior tolo”.

Para aqueles que veem as criptomoedas como o bitcoin como a moeda do futuro, deve-se observar que uma moeda precisa de estabilidade para que os comerciantes e consumidores possam determinar o que é um preço justo para as mercadorias.

Bitcoin e outras criptomoedas não foram nada estáveis ​​durante grande parte de sua história. Por exemplo, em dezembro de 2017, o bitcoin era negociado a cerca de 20 mil dólares; somente um ano depois, seu valor caiu para cerca de 3.200 dólares. Em dezembro de 2020, a moeda estava sendo negociada em níveis recordes novamente.

Essa volatilidade de preços cria um enigma. Se os bitcoins podem valer muito mais no futuro, é menos provável que as pessoas os gastem e circulem hoje, o que os torna menos viáveis ​​como moeda. Por que gastar um bitcoin quando ele pode valer três vezes o valor no ano que vem?

É por isso que muitos consultores e especialistas encaram a criptomoeda como mera especulação e desaconselham investimentos em moedas digitais.

Impactos ambientais da criptomoeda

Por incrível que pareça, as moedas digitais também causam danos ao planeta. Os bitcoins, por exemplo, são produzidos a partir de um processo chamado de “mineração”. Para gerar novas unidades da moeda, computadores trabalham 24 horas por dia resolvendo problemas matemáticos, que vão se tornando mais complexos com o passar do tempo. A tática foi criada para regular a quantidade de moedas disponíveis no mercado.

Entretanto, para fazer a mineração são necessárias máquinas superpotentes, com hardwares de alto desempenho que consomem muita energia. Assim, conforme cresce a procura pela moeda digital, aumenta também o número de pessoas interessadas em colocar seus computadores para trabalhar na mineração.

Como destacou o meteorologista e especialista em mudanças climáticas Eric Holthaus, as transações financeiras digitais vêm com um custo para o mundo real, uma vez que a demanda por energia para a mineração de bitcoins tende a um crescimento exponencial.

Atualmente, cada transação feita com bitcoins demanda a mesma quantidade de energia suficiente para alimentar 9 casas nos EUA por um dia inteiro. O poder computacional da rede envolvida com os bitcoins já é 100 mil vezes maior que os 500 computadores mais rápidos do mundo juntos.

A previsão é de que, se continuar nesse ritmo, a demanda energética para manter o sistema bitcoin poderá ultrapassar a quantidade disponível rapidamente, exigindo a criação de novos geradores elétricos. Por isso, a expansão do bitcoin vai contra todos os esforços que têm sido feitos para usar energias limpas, diminuir as emissões de CO2 e conter o as mudanças climáticas.

O Acordo de Criptografia sobre o Clima

Anunciado em abril de 2021, o “Acordo de Criptografia sobre o Clima” é uma tentativa de reduzir o legado de poluição climática das criptomoedas. Embora seja uma boa iniciativa, a tarefa é complexa, considerando a enorme quantidade de energia que as criptomoedas mais populares, como o bitcoin e ethereum, consomem.

O acordo é liderado pelo setor privadoe delineia alguns objetivos preliminares, como fazer a transição de todas as cadeias de bloqueio para energia renovável até 2030 ou antes. Além disso, ele define uma meta para que a indústria de criptografia alcance o nível de emissão zero até 2040, o que envolveria reduzir a poluição e recorrer a estratégias que poderiam ser capazes de sugar as emissões históricas de dióxido de carbono da indústria para fora da atmosfera.

Por último, ele também prevê o desenvolvimento de um padrão de contabilidade de código aberto que pode ser usado para medir consistentemente as emissões geradas pela indústria de criptografia.

Se alcançados, esses objetivos resolveriam um problema muito real. O bitcoin sozinho tem aproximadamente a mesma pegada de carbono anualmente que Hong Kong, enquanto as emissões anuais de carbono do ethereum rivalizam com as da Lituânia.

Sua poluição climática está crescendo, mesmo com pesquisas de cientistas alertando que as emissões globais precisam ser cortadas quase pela metade nesta década para evitar os piores efeitos da mudança climática.


Fontes: The Verge, Finance Digest, The Conversation, Nerd Wallet


Veja também: