França vai banir venda de carros movidos a gasolina e diesel até 2040

eCycle

Anúncio visa cumprimento de metas de redução de emissões

Carro elétrico na França
"Paris, France" por Mic está licenciado sob CC BY 2.0

A França vai banir as vendas de veículos movidos a gasolina e diesel até 2040, como parte de um plano ambicioso para atingir seus objetivos no Acordo de Paris, anunciou o governo do presidente Emmanuel Macron.

O anúncio ocorreu um dia depois de a fabricante de automóveis Volvo ter dito que só produziria veículos totalmente elétricos ou híbridos a partir de 2019 - uma decisão saudada como o início do fim do domínio do motor de combustão interna no transporte motorizado depois de mais de um século de vida "sossegada".

Nicolas Hulot, o ministro do meio ambiente do país, disse: "Estamos anunciando o fim da venda de carros a gasolina e diesel até 2040". Hulot acrescentou que o movimento foi uma "verdadeira revolução".

Questão de saúde pública

Ele disse que seria um objetivo "difícil" para os fabricantes de automóveis, mas que a indústria da França estava bem equipada e preparada para fazer as mudanças necessárias. "Nossos fabricantes de [carro] têm idéias suficientes na gaveta para nutrir e promover essa promessa... Que também é um problema de saúde pública."

Hulot insistiu que a decisão era uma questão de política de saúde pública e "uma maneira de lutar contra a poluição do ar". 

Pascal Canfin, chefe da WWF França e ex-político verde que atuou no governo de François Hollande, disse que a nova plataforma política para combater as mudanças climáticas foi mais além das administrações anteriores na França. "Ele coloca a França entre os líderes da ação climática no mundo", disse à rádio France Inter.

Outros países

A Noruega, que tem a maior densidade de carros elétricos no mundo, estabeleceu o objetivo de apenas permitir vendas de carros híbridos 100% elétricos ou plug-in até 2025.

Outros países também propuseram a proibição de carros movidos por um motor de combustão interna para atingirem metas de qualidade do ar e mudanças climáticas, mas ainda não houve consenso sobre metas concretas.

A Holanda estabeleceu a proibição de carros a gasolina e diesel até 2025, e alguns estados da Alemanha estão interessados ​​em uma eliminação até 2030.

Índia, onde dezenas de cidades são afetadas pela poluição do ar, está considerando a ideia de eliminar a venda de carros a gasolina ou diesel até 2030.

O Reino Unido espera que todos os novos carros sejam elétricos ou de baixa emissão até 2040, mas foi criticado por ativistas e políticos por suposta lentidão com relação a ações sobre a poluição do ar.

Previsão

O anúncio da França ocorreu pouco depois de uma previsão da Bloomberg New Energy Finance que estimou que os carros elétricos viriam a dominar o mercado automotivo de forma mais rápida e dramática do que se pensava anteriormente.

Os veículos elétricos representarão 54% de todas as vendas de veículos de passeio em 2040. Em pesquisa de 2016 do mesmo grupo, a previsão para o mesmo período era de apenas 35%

A Bloomberg disse que uma utilização tão generalizada de veículos elétricos globalmente reduziria a demanda de petróleo em oito milhões de barris por dia e aumentaria o consumo de eletricidade em 5% para abastecer todos os carros novos.

Mas Tony Seba, um economista da Universidade de Stanford que publicou pesquisas sobre carros elétricos prevendo um domínio mais rápido desses veículos, disse sobre a novidade francesa: "Proibir as vendas de veículos a gasolina e diesel até 2040 é um pouco como proibir as vendas de cavalos para tráfego em rodovias até 2040: não haverá qualquer proibição". Para ele, as proibições não serão necessárias, já que a maior parte dos carros já será elétrica.

As fabricantes de automóveis francesas Peugeot, Citroën e Renault se classificaram em primeiro, segundo e terceiro lugares em 2016, respectivamente, como grandes fabricantes de automóveis com as emissões de carbono mais baixas, afirmou a Agência Européia de Meio Ambiente.

Apenas 0,6% dos registos de automóveis novos na União Europeia em 2016 foram para veículos elétricos puros, em comparação com 1,1% dos carros novos vendidos na França.

A dependência da França de centrais energéticas nucleares é de 80% de seu fornecimento - o que significará, no futuro, uma redução dramática das emissões de carbono remanescentes, mesmo a energia nuclear gerando resíduos indesejáveis.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail