Espécies de herbívoros correm risco de extinção

eCycle

Mais da metade das espécies de herbívoros de grande porte corre risco de desaparecer

A população de herbívoros grandes (massa corporal igual ou superior a 100 kg) de ambientes selvagens está diminuindo. Estima-se que cerca de 60% do total está ameaçada de extinção, o que afetaria toda a biodiversidade.

Essas espécies são encontradas, em escala decrescente, nos seguintes locais: África, sudeste da Ásia, Índia, China, resto da Ásia, Europa, América Latina e América do Norte. Ou seja, quase todas as espécies estão em países pobres.

As principais ameaças que esses animais enfrentam são a caça, a competição com a pecuária, a invasão humana, a agricultura e o desmatamento. Para agravar o quadro, eles se reproduzem muito lentamente.

Eles costumam ser caçados para atender duas demandas: a alimentar (as pessoas comem sua carne) e a venda de partes do corpo no comércio ilegal, como as presas dos elefantes e os chifres dos rinocerontes. Nesse ritmo, em 20 anos, os rinocerontes podem chegar à extinção.

Acredita-se que, em média, estas espécies ocupem apenas 19% de seu território original.

Consequências

O declínio da população afeta direta e indiretamente outras espécies animais na cadeia alimentar, incluindo predadores e herbívoros menores. Também modificam processos abióticos envolvendo ciclos de nutrientes (como o ciclo do nitrogênio), propriedades do solo, regime de queimadas e produção primária.

Estes herbívoros contribuem fortemente para a dispersão de sementes; eles as comem e depois as espalham através de suas fezes. Isso ajuda na manutenção de várias espécies vegetais, afetando no controle da taxa de monóxido de carbono.

Sua extinção também colocaria em risco a segurança alimentar de vários grupos humanos, que consomem sua carne.

Alternativas

Há poucos estudos científicos sobre eles, logo, precisa-se incentivar pesquisas acadêmicas para conhecer melhor estas espécies e propor alternativas para preservá-las. Também é necessário que haja políticas mais contundentes que visem barrar o comércio ilegal de partes de seus corpos, além de aumentar áreas de proteção (para saber como é no Brasil, clique aqui).

Existem algumas estratégias que combinam a proteção dos herbívoros de grande porte e a inibição das mudanças climáticas, como: diminuir a prática da pecuária e, em troca, incentivar o cultivo de plantas com alto teor de proteína, o que diminuiria a concentração de gases como o metano e o carbono, por exemplo.

Estes animais são um patrimônio coletivo, portanto, sua extinção causaria problemas a todo o planeta.

Fonte: Sciencemag

Veja também:
-ONU inicia Década da Biodiversidade
-Campanha contra o desmatamento
-Ação humana pode estar diminuindo o número de espécies existentes em âmbito local
-Estudo afirma que 47 espécies de aves foram extintas em Belém nos últimos 39 anos

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail