Equipamento de raios X digital é desenvolvido com tecnologia brasileira

eCycle

Parceria entre universidades e empresa criam raio-x digital com tecnologia brasileira

Uma parceria entre os pesquisadores do Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (Cepof) do Instituto de Física de São Carlos (IFSC), ligado à USP, do Instituto Atlântico de Fortaleza (CE) e da indústria Gnatus de Ribeirão Preto desenvolveu um equipamento de raios X digital com tecnologia genuinamente brasileira.

Procendimento

O equipamento é um scanner a laser que lê e digitaliza as imagens de raio-X obtidas por placas feitas de sais de terras raras, entre outros materiais. As cargas eletrônicas das moléculas das substâncias que compõem o material são excitadas quando expostas aos raios X e entram em um estado energético chamado metaestável (diferente de seu estado de equilíbrio). Após essa exposição, é irradiado um laser na placa que a faz voltar ao estado anterior e emite uma luz azul proporcional à carga de raios X recebida. Então, o scanner lê e encaminha a imagem gerada para um monitor de alta resolução. A imagem criada pode ser armazenada ou enviada para outras pessoas via internet.

Digital ainda é raro

Tecnologia semelhante é usada em alguns hospitais brasileiros por meio de equipamentos importados. A novidade nacional é bem parecida com a radiologia digital desenvolvida por poucos países estrangeiros, mas o desenvolvimento de equipamentos nacionais é importante para fazer com que essa técnica avance no país.

Vantagens e próximos passos

Como vantagens, a radiologia digital tem um uso de 50% a 80% menos de raios X, além de não utilizar produtos químicos para revelar a "chapa", já que ela é transferida digitalmente. Além de conferirem maior praticidade para o trabalho médico, essas melhorias são importantes para a saúde humana (quanto menor o uso dos raios X, melhor para o trabalhador que lida com o equipamento) e para o meio ambiente (as chapas de raio-X contêm metais que podem degradar o solo, lençóis freáticos, etc.).

Inicialmente, esse equipamento é exclusivo para uso odontológico, uma das áreas que mais necessitam do raio-X. No entanto, a equipe também planeja desenvolver, nos próximos anos, outras versões do equipamento voltadas para a radiografia em ortopedia, tórax e outras aplicações.

O próximo passo, segundo os pesquisadores, é transformar o protótipo em um produto comercializável.

Descarte certo

Enquanto essa tecnologia não se espalha pelo país, muitas chapas continuam sendo tiradas do jeito tradicional. Para evitar danos ambientais, saiba o que fazer com elas clicando aqui.

Veja também:
-O que fazer com chapas de raio-x?
-Microondas: funcionamento, impactos e descarte
-Brasil será o primeiro país da América do Sul a construir Parque Sustentável


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail