Automóveis: do modelo a diesel ao elétrico, qual é o salvador da pátria?

eCycle

Automóveis híbridos e elétricos surgem como opção mais eficiente, mas o alto custo os torna inviáveis. As outras alternativas, como o etanol e o diesel, não são das mais animadoras

Um carro movido a gasolina incomoda muita gente. Um carro movido a gasolina e outro tipo de combustível incomoda muito mais. Será?

Um carro híbrido é um veículo cujo motor funciona tradicionalmente com gasolina e que, além disso, pode utilizar outra fonte de energia – que pode ser elétrica ou de combustão a hidrogênio. O híbrido é uma espécie de criatura do Dr. Frankenstein. Nada mais é do que o cruzamento do carro comum e do carro elétrico. E o resultado é um veículo que consome menos combustível e tem algumas vantagens comparativas aos modelos tradicionais.

Um carro híbrido pode rodar cerca de oito quilômetros a mais que um carro a gasolina, se ambos usarem um litro de combustível. Dessa forma, acaba-se gastando menos com combustível, emite-se menos monóxido de carbono na atmosfera e, à medida em que ficarem mais populares, ajudarão na diminuição do consumo de gasolina - o que é benéfico para o meio ambiente.

Porém, assim como a criatura do famoso livro de Mary Shelley, os híbridos ainda não foram muito aceitos. Pelo menos no mercado brasileiro. Em grande parte por conta do preço: um carro híbrido, atualmente, não sai por menos de R$ 100 mil. A grande vantagem para o bolso está na hora de encher o tanque.

Outro tipo de veículo que preenche todas as lacunas da sustentabilidade, mas que também esbarra no quesito grana é o elétrico (veja aqui as vantagens e problemas destes veículos).

Por que o carro híbrido e o elétrico saem caro?

O que torna os veículos híbridos e elétricos mais caros por aqui é a questão da infraestrutura. Para fabricar os veículos em solo tupiniquim seria necessário importar a tecnologia dos EUA, Europa ou Japão. No Brasil, não se pensa em produzir esse tipo de tecnologia. Além disso, o sistema de distribuição elétrica no país teria de ser completamente repensado, com plugues especiais de recarga dos veículos nas garagens ou estabelecimentos comerciais.

Eco-solução pode virar um eco-problema

Embora os híbridos possam poluir cerca de 26% menos que um automóvel movido só a diesel (segundo estudo da Climate Leadership Group), inundar as ruas com eles não vai ajudar. Afinal de contas, isso significa ainda mais carros nas ruas, somando-se o já altíssimo número de veículos individuais que circulam pelas cidades. O congestionamento poderia ser ainda maior do que já é.

Ainda existe um problema de mercado: se os veículos consumirem menos combustível, qual será a reação dos empresários do setor? Aumentariam o preço? Dessa forma estaríamos andando em círculos, pois os consumidores migrariam para veículos movidos a gasolina e etanol novamente. E então, quem poderia nos defender?

Quem vai salvar a pátria?

Diante do cenário descrito, os carros híbridos e elétricos não podem pleitear o posto de “salvadores da pátria”. Assim, surgem outras opções de combustíveis que poluem menos ou que (aparentemente) são mais viáveis: o diesel e o etanol.

Diesel - o diesel é mais barato e permite que se tenha uma maior quilometragem por litro de combustível, mas, no que diz respeito à emissão de poluentes na atmosfera, é sete vezes pior do que a gasolina. Ainda, a exposição prolongada ao diesel pode causar câncer (saiba mais). Uma boa notícia é que existe um tipo de diesel mais limpo no mercado. 

Etanol - A queima do álcool emite, em média, 25% menos monóxido de carbono e 35% menos óxido de nitrogênio (NO) que a gasolina. Mas conta com a desvantagem de proporcionar um número menor de quilometragem por litro, além de já não ser mais economicamente tão viável. No fim das contas, é questionável a afirmação de que o álcool polui menos que a gasolina.

Depois de toda essa desilusão a pergunta permanece: quem vai salvar a pátria?

Transporte Público

A resposta está na rede de transporte público. Só ela pode aliviar o inchaço causado pelo número excessivo de veículos na rua e proporcionar uma alternativa de qualidade para que os motoristas possam - pelo menos cogitar - deixarem seus carros em casa alguns dias da semana. Isso já diminuiria as emissões, uma vez que os veículos públicos (ônibus, metrô e trens) são mais limpos - grande parte deles usa eletricidade e biocombustível como fonte de energia.

No caso dos ônibus, isso também se dá pela contribuição dos corredores, uma vez que é em baixas rotações que o motor mais polui. Ainda de acordo com o estudo, em corredores e faixas simples, os ônibus convencionais a diesel, ainda com tecnologia Euro III (a mais antiga em circulação), podem consumir cerca de 20% menos combustível.

Se pensarmos em termos de investimento, ainda existem os ônibus elétricos híbridos, cuja maior utilização e a modernização dos corredores, com pontos de ultrapassagem e linhas expressas e semi-expressas, seguindo os padrões do BRT (Bus Rapid Transit) seriam - junto com o metrô e o trem pesados - um grande avanço para a mobilidade urbana e reduziriam muito as emissões de poluentes. Essa é conclusão de outro estudo, realizado pela Fundação Hawlett para a SPTrans.

Existe uma longa jornada a ser percorrida para que nossos veículos tenham fontes de energia compatíveis com a necessidade de poluir menos, principalmente se levarmos em conta as questões de interesse econômico envolvidas nesse processo. Mas vale lembrar que estimular a compra de veículos individuais pode desviar o foco que a mobilidade urbana (principalmente nas diversas modalidades de transporte público) merece e agravar ainda mais o problema. 

Veja também:
-Uso de carros “verdes” pode reduzir as emissões de gases-estufa em 80% nos EUA até 2050
-Ford Fusion Hybrid é lançado no Brasil
-Fabricantes montam estratégias para consolidar mercado de carros elétricos
-Táxi do bem 


 

Comentários  

 
+1 #1 2013-09-30 17:22
Entendo que não há um "salvador". Ou melhor, cada um tem seu nicho. No entanto ainda acredito que um bom passo sejam os hibridos. A bem vejamos, gastam menos, poluem menos, mas ainda são clientes de postos e não dependem de uma infraestrutura de pontos elétricos. No caso dos ônibus então, a combinação de turbina a gás, gerador, banco de baterias e motor elétrico seria incrível. E poderia ser implementada de forma gradativa sem (grande) impacto econômico.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail