Brasileiro quer cuidar melhor do seu lixo, mas governos não fornecem estrutura, diz pesquisa

eCycle

Levantamento realizado pelo Ibope, em parceria com outros institutos, revelou a boa intenção e a falta de preparo do país restando menos de dois anos para a implantação da PNRS

Falta cerca de um ano e meio para o término do prazo para implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que promete promover a coleta seletiva e extinção dos lixões em todo o país. No entanto,  pesquisa inédita do Ibope revela que a população brasileira quer cuidar melhor de seu lixo, mas não é atendida pelos governos. O estudo, encomendado pelo WWF-Brasil no âmbito do Programa Água Brasil, foi divulgado  durante a Expocatadores, ocorrida ao final do mês de novembro, em São Paulo.

A pesquisa revelou que a maioria da população (64%) não é atendida pela coleta seletiva e 1% não sabe o que é isso. De acordo com o estudo, entre os 35% da população que são atendidos pela coleta seletiva, em apenas metade dos casos o serviço é prestado pela prefeitura. A outra metade é informal, prestada por catadores de rua, cooperativas ou associações, ou entregues em pontos de coleta voluntária.

Entre aqueles que não contam com serviço de coleta seletiva, a disposição para separar materiais é alta: 85% se dizem dispostos a separar o lixo em casa se tiverem coleta seletiva ou ponto de entrega voluntária.

De outro lado, a pesquisa também mostra que a população não quer pagar para ter o serviço. A maioria (65%) é contra a cobrança da taxa do lixo.

O estudo revela também o desconhecimento dos brasileiros em relação ao destino dos resíduos. Uma em cada três pessoas não faz ideia para onde vai o lixo produzido em sua casa. A consciência sobre resíduos prejudiciais para meio ambiente ainda é desigual: Pilhas e baterias são os mais conhecidos.

Disposição da população

Apesar do desconhecimento, a disposição para adotar comportamento sustentável é alta: 41% dos entrevistados se dizem dispostos a adotar os três erres (redução, reutilização e reciclagem). E um em cada três entrevistados está disposto a abrir mão de produtos, ainda que com prejuízo da comodidade, e a exigir dos fabricantes solução para os impactos ambientais dos itens.

De acordo com o coordenador do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF-Brasil, Fábio Cidrin, o desafio para a implementação da PNRS "é muito grande". Ele lembrou que, a menos de dois anos para o prazo final para municípios terminarem com os lixões e implementarem a coleta seletiva, não há sinais de que as metas serão cumpridas.

O líder dos catadores de materiais recicláveis Severino Lima Júnior avaliou que a pesquisa mostra que a PNRS “ainda está para ser implementada”. Segundo ele, ainda faltam informações e iniciativas. “Precisamos, por exemplo, de informações de ordem econômica. Saber quanto custa fazer a coleta seletiva”, disse. “É importante que esse estudo seja reconhecido pelo poder público”, concluiu.

Para ter acesso completo aos dados da pesquisa, clique aqui.

Para reciclar produtos conscientemente, visite a seção Postos de Reciclagem da eCycle!

Veja também:
-Fabricantes de monitores já se preparam para a lei de Resíduos Sólidos
-Resíduos da construção civil terão plano específico de descarte com a PNRS


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail