Hipertireoidismo: o que é, sintomas e tratamento

eCycle

Condição leva à disfunção da produção de hormônios pela tireoide, mas possui tratamento

hipertiroidismo

O hipertireoidismo é a produção excessiva de hormônios produzidos pela glândula tireoide, responsável por manter a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins.

Também chamada de "tireoide hiperativa", a doença é mais comum entre mulheres de 20 a 40 anos, mas pode acometer qualquer pessoa, até mesmo recém-nascidos - o chamado hipertireoidismo congênito.

O que causa

A causa mais comum do hipertireoidismo em adultos é a doença de Graves - o sistema imunológico ataca e danifica a tireoide, provocando seu aumento, estimulando a glândula a produzir os hormônios T3 e T4 em excesso. É uma doença crônica (que se mantém a longo prazo) e ocorre com mais frequência em pessoas que possuem parentes com histórico de problemas na tireoide.

Outras causas possíveis (bem menos comuns) do hipertireoidismo incluem:
  • Nódulos tireoidianos: tumores na glândula tireoide, que podem secretar excesso de hormônio tireoidiano.
  • Tireoidite subaguda: uma inflamação dolorosa da tireoide tipicamente causada por vírus.
  • Tiroidite linfocítica: uma inflamação não-dolorosa causada pela infiltração de linfócitos (um tipo de célula branca do sistema imune) na tireoide.
  • Tireoidite pós-parto: tireoidite que se desenvolve logo após o término da gravidez

Sintomas

No início da doença ou em sua forma mais leve, os sintomas não são facilmente reconhecíveis. Algumas vezes pode haver sensação de desconforto e fraqueza. Entretanto, o hipertireoidismo é potencialmente grave, podendo ser fatal.

Nos casos mais desenvolvidos os sintomas do hipertireoidismo são:

  • Aceleração dos batimentos cardíacos (mais de 100 por minuto);
  • Irregularidade no ritmo cardíaco, principalmente em pacientes com mais de 60 anos;
  • Nervosismo, ansiedade e irritação;
  • Mãos trêmulas e sudoreicas;
  • Perda de apetite;
  • Intolerância a temperaturas quentes;
  • Sudorese;
  • Queda de cabelo e/ou fraqueza do couro cabeludo;
  • Rápido crescimento das unhas, com tendência à descamação das mesmas;
  • Fraqueza nos músculos, especialmente nos braços e coxas;
  • Intestino solto;
  • Perda de peso;
  • Menstruação irregular;
  • Aumento da probabilidade de aborto;
  • Olhar fixo;
  • Protusão dos olhos (ficam saltados), com ou sem visão dupla (em pacientes com a doença de Graves);
  • Acelerada perda de cálcio dos ossos, com aumento do risco de osteoporose e fraturas.

Diagnóstico

Para diagnosticar o hipertireoidismo são feitos exames físicos e de sangue. A doença é confirmada quando os níveis de T4 e T3 estão mais elevados que o normal e o nível de TSH está menor que a referência.

Para determinar o tipo de hipertireoidismo é solicitado um exame de captação de iodo radioativo para medir quanto iodo é absorvido pela tireoide. Também pode haver a solicitação de imagens da tireoide a fim de verificar seu tamanho e possível presença de nódulos.

Tratamento

O tratamento do hipertireoidismo depende de cada caso. Idade, tipo de hipertireoidismo, alergia a medicação (utilizada para o tratamento do hipertireoidismo), severidade da doença e doenças pré-existentes são os principais fatores que determinam qual será o tratamento adequado.

Os remédios utilizados basicamente impedirão a utilização do iodo pela tireoide, o que reduzirá os níveis de hormônios tireoidianos circulantes no sangue. Isso porque o iodo é essencial para a sintetização do T3 e T4 e, na sua ausência, a tireoide não conseguirá produzi-los em excesso, gerando a necessária redução da produção hormonal.

Outra forma de tratamento do hipertireoidismo é feita por meio da utilização do iodo radioativo. Esse tratamento cura a doença, mas normalmente destrói completamente a tireoide, fazendo com que a pessoa precise tomar hormônios tireoidianos até o fim da vida.

A remoção cirúrgica da tireoide é outra solução permanente, mas apresenta risco de danos às glândulas paratireoides (que controlam os níveis de cálcio no organismo) e aos nervos da laringe (cordas vocais). Esse tipo de tratamento só é recomendado quando os medicamentos ou terapia com iodo radioativo não são apropriados.

No tratamento do hipertireoidismo também podem ser utilizadas drogas beta-bloqueadoras. Esses medicamentos (tais como atenolol) não baixam os níveis de hormônio da tireoide, mas podem controlar sintomas graves, como a freqüência cardíaca acelerada, tremores e ansiedade.

Se você já foi tratado por hipertireoidismo ou está sendo tratado, lembre-se de consultar o médico regularmente para que a condição seja monitorada. Os níveis dos hormônios da tireoide precisam estar normais e os ossos devem estar recebendo cálcio suficiente para manter os ossos fortes.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail