Três passos para conhecer os problemas e saber encontrar soluções para o lixo eletrônico


Conserte, doe, reutilize ou recicle, mas não jogue seus eletrônicos no lixo comum

Computadores, monitores, mouses, celulares, televisores... tudo isso é lixo eletrônico e traz aquele monte de dúvidas na hora de adquirir um novo aparelho: o que fazer com o antigo? Posso jogar diretamente no lixo comum? Eles proporcionam problemas à saúde? Em que condições? Qual é a melhor forma de descartar um eletrônico?

A eCycle desenvolveu um passo-a-passo para guiar consumidores que estão em dúvida sobre o que fazer com eletrônicos velhinhos.

1º - Tem certeza que o item não presta?
A pressa em se livrar do item pode fazer com que a vida útil dele seja eliminada precocemente. A velocidade com que a indústria lança as novidades eletrônicas no mercado também incentiva a desvalorização da reutilização. No caso de computadores, por exemplo, muitas vezes a instalação desenfreada de softwares torna o computador lento e o usuário pensa que se trata de uma defasagem do modelo.

Pense sobre qual é o uso que você faz de cada aparelho. O eletrônico que você tem dá conta de suas demandas? Você precisa mesmo de outro? É possível consertá-lo?

Se a sua escolha foi pela troca, é possível doar alguns desses itens, caso eles ainda estejam em uso. Instituições de caridade e telecentros, por exemplo, aceitam eletrônicos em bom estado. Fique atento se eles dão uma destinação correta após o término da vida útil. Conheça postos clicando aqui.

2º - Os eletrônicos podem causar várias doenças. Portanto, nunca jogue-os no lixo comum
Caso seu aparelho já tenha realmente se transformado em lixo, é preciso pensar nas consequências que o descarte incorreto pode causar para entender o que não deve ser feito. Dê uma olhada nos principais elementos tóxicos que compõem os eletrônicos:

O mercúrio, metal que deteriora o sistema nervoso, causa perturbações motoras e sensitivas, tremores e demência, está presente em televisores de tubo, monitores e no computador.

O chumbo, que compõe celulares, monitores, televisores e computadores, causa alterações genéticas, ataca o sistema nervoso, a medula óssea e os rins, além de causar câncer.

O cádmio, presente nos mesmos aparelhos que o chumbo, causa câncer de pulmão e de próstata, anemia e osteoporose.

O berílio é material componente de celulares e computadores e causa câncer de pulmão.

“Tudo que tem bateria, placa eletrônica e fio possui algum material contaminante”, afirma a especialista em gestão ambiental do Cedir (Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática), pertencente ao CCE (Centro de Computação Eletrônica) da Universidade de São Paulo (USP), Neuci Bicov, lembrando que esse tipo de material é acumulativo – quanto mais contato se tem com ele, pior para a saúde.

Quando tratamos dos problemas ambientais relacionados aos eletrônicos, eles não são menores. De acordo com relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), de 2010, a geração de lixo eletrônico cresce a uma taxa de aproximadamente 40 milhões de toneladas por ano em todo o mundo. E a maior parte desses resíduos tem condições de ser utilizada novamente ou de ser reciclada, mas o destino acaba sendo o pior possível: os aterros sanitários e lixões. “Os materiais eletrônicos, como placas de computador e monitores CRT, não soltam os contaminantes quando estão em um ambiente fechado. Mas em aterros a temperatura é mais alta e o contato com a chuva, que costuma ser bem ácida nas metrópoles, faz com que os metais pesados sejam liberados diretamente no solo”, explica a especialista do Cedir. Esse processo também pode contaminar as águas de lençóis freáticos, dependendo da região do aterro ou lixão.

3º - Grande parte dos componentes eletrônicos é reciclável

Mas apesar de todos esses problemas, já existem tecnologias que conseguem aproveitar materiais contidos em eletrônicos para, depois da reciclagem, utilizá-los de outra forma. Para se ter uma ideia, 68% de um computador é feito com ferro, enquanto 31% da composição de um notebook é plástico (ambos materiais recicláveis). No geral, 98% de um PC é reciclável. “Mas na prática esse número se reduz para cerca de 80%. A mistura de componentes plásticos e metálicos com os metais pesados torna difícil a separação”, diz Neuci. Mesmo assim, já é uma porcentagem considerável.

Sabendo disso, o melhor que você pode fazer é procurar postos de reciclagem para eletrônicos (clique aqui e acesse a sessão específica para busca de postos da eCycle) ou tentar devolver os produtos para os fabricantes, que ficarão responsáveis a dar uma destinação correta a partir de 2014 (graças à lei de resíduos sólidos).

Você encontra mais especificações sobre itens eletrônicos na página do Recicle Tudo sobre o tema.

Veja também:

Do mar para o copo: entenda como ocorre o processo de dessalinização da água

Carro híbrido movido a hidrogênio emite água potável

[Vídeo] Máquina transforma PET em forros para telhado, cerca e outros materiais de construção



 

Comentários  

 
+1 #1 2011-06-24 14:11
Excelente o Guia para Reciclagem de Eletrônicos. Aponta em linguagem simples os problemas e, melhor ainda, as soluções associadas aos postos. Além de bem escrito. Parabéns.
Citar
 
 
+1 #2 2011-07-04 12:41
Verifique este conteudo é muito importante.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail