Banco Mundial e governos lançam plataforma para monitorar e combater secas no Nordeste

Projeto publica mapas mensais que permitem acompanhar a evolução de estiagens em diferentes áreas da região. Iniciativa quer fornecer informações precisas para que as autoridades consigam agir de forma preventiva, evitando agravamento de crises

Imagem: PNUD Brasil / Tiago Zenero

Com apoio do Banco Mundial, uma iniciativa do governo federal em parceria com os estados do nordeste quer mudar o olhar convencional que Brasil e mundo têm sobre a seca na região. Lançado no final do mês passado, o Monitor de Secas do Nordeste Brasileiro disponibiliza mapas mensais que acompanham a evolução das estiagens nos nove estados.

O objetivo do projeto é fornecer informações precisas para as instituições do Brasil, que poderão agir de modo preventivo e continuado, além de traçar políticas públicas coordenadas.

Os mapas produzidos contêm indicadores que expressam cinco níveis de gravidade das secas, alertando para fenômenos extremos, mas permitindo principalmente a previsão de estiagens mais severas.

“É uma mudança de modelo para um país que sempre encarou as secas como uma fatalidade”, afirmou o diretor-presidente da Agência Pernambucana de Águas e Clima – uma das parceiras do programa –, Marcelo Asfora.

Mapas semelhantes são usados nos Estados Unidos, no México e na Espanha, países que inspiraram o Monitor do Nordeste. Com a iniciativa, o Brasil pode se tornar um exemplo para a América Latina e o mundo ao mostrar como é possível integrar dados e instituições. O Monitor de Secas recebeu apoio também do Fundo Espanhol para a América Latina (SFLAC).

“Nos países em desenvolvimento, é comum as agências coletarem certos tipos de informações e guardá-las para si mesmas”, explicou o climatologista norte-americano Donald Wilhite, que prestou assessoria ao projeto brasileiro desde sua concepção, em 2013.

O especialista criticou a maneira como as autoridades de todas as nações, em desenvolvimento ou não, vinham encarando o problema das estiagens. “Elas demoraram demais para tomar providências concretas, e isso tem a ver com a própria natureza das secas”, avaliou Wilhite.

Como esses fenômenos em geral não causam danos na infraestrutura e se desenvolvem de forma lenta, os formuladores de políticas públicas tendem a ignorar os impactos nas pessoas e no meio ambiente, segundo o climatologista.

Ao longo do último século, porém, estimativas indicam que estiagens afetaram 2 bilhões de pessoas e mataram 11 milhões em todo o mundo.

Prevenir a devastação causada pelas secas é possível por meio de projetos como o Monitor de Secas, além de ser fundamental frente à ameaça crescente das mudanças climáticas. De acordo com o relatório “Diminuir o Calor”, elaborado pelo Banco Mundial em 2012, “o nordeste brasileiro sofre particularmente os impactos das secas associadas ao fenômeno El Niño, que podem se tornar mais frequentes em um planeta 4°C mais quente”.

Acesse o Monitor aqui.

Fonte: ONUBr

Veja também:
-Etiópia enfrenta a pior seca dos últimos 30 anos, alerta escritório humanitário da ONU
-Projeto de educação ambiental é suspenso devido à seca em represa no interior de SP 


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail