Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A vaquinha demonstra medo e desespero ao sentir que iria para o abate, mas ela mal podia imaginar o que seu futuro lhe guardava

Todos têm o direito de escolher seu alimento, desde que ele tenha origens legais. Porém, é muito importante ter consciência a respeito de como os alimentos são produzidos, o impacto que eles causam sobre o meio ambiente e sobre nossa saúde. A indústria agropecuária nos fornece carne embalada e cortada. Não precisamos enfrentar o processo de criar animais e abater para consumo próprio, realizado por nossos ancestrais e ainda presente em pequenas comunidades. Por esse motivo, muitas vezes é difícil imaginar que aquele hambúrguer um dia foi um ser vivo.

A vaquinha Emma é um desses seres vivos que se tornaria hambúrguer, picanha, etc. A fazenda de gado leiteiro em que ela vivia faliu, e as últimas 25 vacas do local foram destinadas ao abate. Ao ser colocada em um trailer, seus olhos arregalados e cheios de lágrimas revelavam pavor e desespero de um animal que sentia seu fim próximo. É de partir o coração, mas não por muito tempo.

Infelizmente, as outras 24 vacas amigas de Emma foram mortas antes que os voluntários da ONG Kuhrettung Rhein-Berg pudessem resgatá-las. Mas Emma teria um final diferente – ela mal podia imaginar que a tão sonhada liberdade estava em seu destino.

Emma foi levada a um santuário da organização Kuhrettung Rhein-Berg, na Alemanha, graças a um grupo de pessoas dedicadas à causa animal. A ONG resgata vacas leiteiras e as aposenta em uma antiga fazenda, onde elas podem viver naturalmente o resto de seus dias, sob melhores condições de bem-estar, até morrerem bem velhinhas.

Ao chegar ao santuário, ela foi liberada em um pasto espaçoso, repleto de grama verde e de outras vacas. Ela caminha receosa na nova casa, até que outras vacas vão “cumprimentá-la”. Elas se cheiram com entusiasmo, como se todas elas fossem tranquilizá-la de que tudo ia ficar bem.

Antes de sua chegada ao santuário, a vida de Emma não era natural. As vacas são um negócio. Elas produzem carne, couro, leite e produtos lácteos para o consumo humano. A brutalidade dos “modernos” matadouros existe em todo o mundo. Um raciocínio simplório pode concluir que: “Elas são alimentadas e bem cuidadas, vivem melhor que muitos humanos”. Mas, infelizmente, não é bem assim – podemos causar grande sofrimento aos animais explorando-os de outras formas, mesmo enquanto garantindo sua sobrevivência e reprodução.

Os animais domesticados herdaram de seus ancestrais selvagens muitas necessidades físicas, emocionais e sociais das quais são completamente privados em fazendas. Eles vivem gaiolas minúsculas, têm seus chifres e rabos mutilados, as mães são separadas de descendentes, etc. Os animais sofrem muito, mas eles vivem e se multiplicam.

vaca chora

O gado em ambiente selvagem se comporta como um animal social. Para sobreviver e se reproduzir, a evolução fez com que eles aprendessem a se comunicar, colaborar e competir de forma eficaz. Como todos os mamíferos sociais, como filhotes de cachorro e gatinhos, o gado selvagem aprendeu as habilidades sociais necessárias. Características evolutivas conferiram o gosto pelo brincar e o desejo de se relacionar com suas mães.

Mas, em fazendas, as bezerras são separadas das mães, colocadas em uma pequena gaiola, vacinadas, recebem comida e água, e, quando tiverem idade suficiente, são inseminadas com esperma de touro.

De uma perspectiva de produção industrial, esses bezerros não precisam mais de qualquer vínculo com a mãe ou com companheiros para sobreviverem e se reproduzirem, pois suas necessidades são atendidas pelos humanos. Mas, do ponto de vista subjetivo, o bezerro ainda possui um forte desejo de se relacionar com a mãe e de brincar com outros bezerros. Como esses impulsos não são preenchidos, o bezerro sofre muito.

santuário que acolheu Emma aceita doações por Paypal, saiba mais no site da organização.

O vídeo que mostra Emma está com legendas em alemão, mas as imagens são universais e mesmo quem não entende a língua pode se sensibilizar com a história da vaquinha.

Confira no vídeo um pouco mais sobre o santuário que acolheu Emma e veja um pouco da vida das felizes vaquinhas livres (legendas em inglês).



Veja também: