Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Participantes do protesto para pressionar o governo a apresentar medidas para reduzir os impactos da crise climática são maltratados por motoristas

Ativistas ambientais do grupo Last Generation afirmam ser agredidos fisicamente e verbalmente por motoristas nos protestos de Roma. A manifestação pressionou o governo local para que criasse novas medidas para enfrentar os impactos da crise climática.

A crise climática é uma expressão que tem sido utilizada para evidenciar a situação ambiental do planeta relativa às mudanças climáticas. Estas mudanças são variações na temperatura, precipitação e nebulosidade em escala global.

Os protestos da Itália tiveram início há dez dias e alguns participantes foram presos na última quarta-feira (15). Foi a primeira vez que ativistas ambientais bloquearam as estradas a fim de aumentar a conscientização para o caso. 

Representantes do Last Generation afirmaram que seus integrantes foram cuspidos, estapeados e chutados por motoristas raivosos. Os ativistas ocuparam o viaduto Maglianella na rodovia A90 em Roma. 

O objetivo da manifestação era exigir uma reunião do governo com os cidadãos para falar sobre questões ambientais. Além disso, os participantes criaram um processo judicial civil apoiado por 203 pessoas que se queixam da falta de posição do governo frente à crise climática. 

De acordo com uma das representantes do grupo, a assembleia teria que ser realizada até o final de 2022 e as decisões lá feitas teriam que se tornar leis. O plano é continuar os protestos até que alguma medida seja tomada pelo governo. 

Os ativistas também pedem por uma reunião com o primeiro-ministro Mario Draghi e outros ministros responsáveis. Eles demandam respostas para o silêncio do governo em relação às medidas a serem tomadas pelos cidadãos italianos. 

Quando Mario Draghi foi eleito primeiro-ministro em fevereiro, ele fez promessas com âmbito ambiental. Assim, estabeleceu um ministério para uma “transição ecológica”, que prometia investir 59 bilhões de euros em iniciativas ecológicas. 

Porém, os participantes do Last Generation declaram que essas medidas foram uma forma de fazer greenwashing.

Greenwashing é uma tática de promoção às custas do meio ambiente, prometendo mudanças e ações eco-friendly, que acabam não sendo realizadas.