Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Descubra a importância da inteligência emocional no dia a dia e dicas para melhorar as suas habilidades nesta área

Imagem de Jackson David em Pixabay

A inteligência emocional é um conceito da Psicologia que define a capacidade de compreender, identificar e gerenciar as próprias emoções, bem como as emoções alheias, de maneira positiva. No dia a dia, lidar com as emoções com inteligência ajuda a aliviar o estresse, comunicar-se com eficácia, desenvolver a empatia, superar desafios e neutralizar conflitos.

Para além disso, a inteligência emocional é uma ferramenta que auxilia na construção de relacionamentos sólidos, na obtenção de sucesso acadêmico e profissional e na conquista de objetivos diversos. Ela também é útil na tomada de decisões e na resolução de problemas do cotidiano, além de ajudar a criar um ambiente saudável para si e para os outros.

Não há nenhum teste psicométrico validado ou escala para inteligência emocional. Por isso, muitos argumentam que ela não seria uma construção real, e sim uma maneira de descrever habilidades socioemocionais que respondem por outros nomes. Apesar dessas críticas, o conceito de inteligência emocional vem ganhando ampla aceitação em diversas áreas, inclusive em empresas e escolas.

História da inteligência emocional

Na década de 1930, o psicólogo Edward Thorndike descreveu o conceito de “inteligência social” como a capacidade de se relacionar com outras pessoas. Durante a década de 1940, o psicólogo David Wechsler propôs que diferentes componentes eficazes da inteligência poderiam desempenhar um papel importante no grau de sucesso das pessoas na vida.

A década de 1950 viu o surgimento da escola de pensamento conhecida como psicologia humanística, quando pensadores como Abraham Maslow focaram a atenção nas diferentes maneiras pelas quais as pessoas poderiam construir força emocional.

Outro conceito importante que surgiu no desenvolvimento da inteligência emocional foi a noção de inteligências múltiplas. Este conceito foi apresentado em meados da década de 1970 por Howard Gardner, introduzindo a ideia de que a inteligência era mais do que apenas uma habilidade geral.

Entretanto, foi só em 1985 que o termo “inteligência emocional” foi usado pela primeira vez na tese de doutorado do pesquisador norte-americano Wayne Payne. Em 1987, em artigo publicado na Mensa Magazine, Keith Beasley usa o termo “quociente emocional”.

Em 1990, os psicólogos Peter Salovey e John Mayer publicaram um artigo marcante, chamado “Emotional Intelligence“, na revista Imagination, Cognition and Personality. Eles definiram inteligência emocional como “a capacidade de monitorar os próprios sentimentos e emoções e os dos outros, discriminá-los e usar essas informações para guiar o pensamento e as ações de alguém”.

Em 1995, o conceito de inteligência emocional foi popularizado após a publicação do livro Emotional Intelligence: Why It Can Matter More Than IQ, de Daniel Goleman, lançado no Brasil sob o título Inteligência emocional: A teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente.

O tópico da inteligência emocional continuou a capturar o interesse público desde então e se tornou importante em campos fora da psicologia, incluindo educação e negócios.

O que significa ser emocionalmente inteligente?

Indivíduos emocionalmente inteligentes são altamente conscientes de seus próprios estados emocionais, até mesmo das emoções negativas, como frustração e tristeza, sendo capaz de identificá-los e gerenciá-los. Eles também estão especialmente sintonizados com as emoções que os outros experimentam, uma vez que têm a habilidade da empatia bem desenvolvida.

O interesse em ensinar habilidades socioemocionais têm crescido nas últimas décadas. Na verdade, o objetivo de iniciativas que ajudam a desenvolver a inteligência emocional não se limita a melhorar a qualidade de vida e o bem-estar das pessoas, mas também ajudar os alunos a terem sucesso acadêmico e enfrentarem situações de bullying.

Os 5 pilares da inteligência emocional

1. Autoconsciência

A autoconsciência, ou a capacidade de reconhecer e compreender suas próprias emoções, é uma habilidade crítica da inteligência emocional. Além de apenas reconhecer suas emoções, no entanto, autoconsciência significa estar ciente do efeito de suas ações, humores e emoções nas outras pessoas.

Para se tornar autoconsciente, você deve ser capaz de monitorar suas próprias emoções, reconhecer diferentes reações emocionais e, então, identificar corretamente cada emoção particular. Os indivíduos autoconscientes também reconhecem as relações entre as coisas que sentem e como se comportam.

Como melhorar a autoconsciência:

  • Solicite e aceite críticas construtivas
  • Mantenha um diário
  • Aprenda novas habilidades
  • Medite
  • Preste atenção aos seus pensamentos e emoções
  • Pratique Mindfulness
  • Reflita sobre suas experiências
  • Estabeleça metas
  • Mantenha diálogos internos
  • Trabalhe na construção de uma mentalidade de crescimento

2. Autorregulação

Além de estar ciente de suas próprias emoções e do impacto que você exerce sobre os outros, a inteligência emocional exige que você seja capaz de controlar e controlar suas emoções. Isso não significa bloquear as emoções e esconder seus verdadeiros sentimentos, mas simplesmente esperar o momento e o lugar certos para expressá-los. A autorregulação consiste em expressar suas emoções de maneira adequada.

Aqueles que são qualificados em autorregulação tendem a ser flexíveis e se adaptar bem às mudanças. Eles também são bons no gerenciamento de conflitos e na difusão de situações tensas ou difíceis.

Como melhorar a autorregulação:

  • Esteja atento aos seus pensamentos e sentimentos.
  • Desenvolva habilidades de tolerância ao estresse.
  • Encontre maneiras de gerenciar emoções difíceis.
  • Veja os desafios como oportunidades.
  • Pratique suas habilidades de comunicação.
  • Reconheça que você pode escolher como responder.
  • Use a reformulação cognitiva para mudar os padrões de pensamento e as respostas emocionais.
  • Trabalhe em aceitar suas emoções.

3. Habilidades sociais

Ser capaz de interagir bem com os outros é outro aspecto importante da inteligência emocional. Ter fortes habilidades sociais permite que as pessoas construam relacionamentos significativos com outras pessoas e desenvolvam uma compreensão mais forte de si mesmas e dos outros.

A verdadeira compreensão emocional envolve mais do que apenas compreender suas próprias emoções e as dos outros. Você também precisa ser capaz de colocar essas informações em prática em suas interações e comunicações diárias.

Como melhorar as habilidades sociais:

  • Faça perguntas.
  • Encontre oportunidades “quebra-gelos”, que ajudem a iniciar conversas.
  • Observe as habilidades sociais de outras pessoas.
  • Pratique um bom contato visual.
  • Pratique suas habilidades sociais.
  • Pratique a escuta ativa.
  • Mostre interesse pelos outros.
  • Observe a linguagem corporal das pessoas.

4. Empatia

Empatia, ou a capacidade de entender como os outros estão se sentindo, é um componente essencial da inteligência emocional. Mais do que apenas ser capaz de reconhecer os estados emocionais dos outros, a empatia envolve a maneira como você responde às pessoas com base nessas informações.

Quando você sente que alguém está se sentindo triste ou sem esperança, como você reage? Você pode tratá-los com cuidado e preocupação redobrados, ou pode fazer um esforço para animá-los.

Ser empático também permite que você entenda a dinâmica de poder que costuma influenciar as relações sociais, especialmente em ambientes de trabalho. Isso é importante para orientar suas interações com diferentes pessoas que você encontra a cada dia.

Como melhorar a empatia:

  • Esteja disposto a compartilhar seus próprios sentimentos.
  • Envolva-se em uma causa como um projeto comunitário.
  • Ouça outras pessoas.
  • Pratique a meditação da bondade amorosa.
  • Converse com novas pessoas.
  • Tente se imaginar no lugar das outras pessoas.

5. Motivação

A motivação intrínseca é outra habilidade importante da inteligência emocional. Pessoas emocionalmente inteligentes são motivadas por coisas que vão além das recompensas externas, como fama, dinheiro, reconhecimento e aclamação.

Em vez disso, elas têm paixão por satisfazer suas próprias necessidades e objetivos internos. Aqueles que são competentes nesta área tendem a ser orientados para a ação. Eles definem metas, têm grande necessidade de realizações e estão sempre procurando maneiras de fazer melhor. Eles também tendem a ser muito comprometidos e são bons em tomar iniciativas.

Como melhorar a motivação:

  • Evite o uso excessivo de recompensas extrínsecas.
  • Comemore seus resultados.
  • Concentre-se em estabelecer metas pequenas e mensuráveis.
  • Apresente a si mesmo desafios – e esforce-se para cumpri-los.
  • Estabeleça metas para ajudar a construir a motivação intrínseca.

Como aplicar a inteligência emocional no dia a dia

A inteligência emocional pode ser aplicada de muitas maneiras diferentes em sua vida diária. Algumas maneiras diferentes de praticar a inteligência emocional incluem:

  • Ser capaz de aceitar críticas e responsabilidades.
  • Ser capaz de seguir em frente depois de cometer um erro.
  • Ser capaz de dizer não quando é preciso.
  • Ser capaz de compartilhar seus sentimentos com outras pessoas.
  • Ser capaz de resolver problemas de maneiras que funcionem para todos.
  • Ter empatia por outras pessoas.
  • Ter ótimas habilidades de escuta.
  • Saber por que você segue determinados padrões de comportamento (e se esforçar para mudá-los, se necessário).

Fontes: Help Guide, Psychology Today, Very Well Mind (1) e Very Well Mind (2)


Veja também: