Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

O estresse oxidativo é um desequilíbrio que pode causar envelhecimento precoce e levar ao desenvolvimento de uma série de doenças

Estresse oxidativo é o nome que se dá ao desequilíbrio entre os radicais livres e os antioxidantes em seu corpo. A falta de balanço entre esses dois elementos pode causar envelhecimento precoce e levar a uma série de doenças.

Os radicais livres são moléculas que contém oxigênio em um número desigual de elétrons, o que lhes permite reagir facilmente com outras moléculas. Isso pode causar reações químicas em cadeia, a chamada oxidação, que pode ser benéfica ou prejudicial. Os antioxidantes, por sua vez, são moléculas que podem doar um elétron para um radical livre sem se tornarem instáveis. Isso faz com que o radical livre se estabilize e se torne menos reativo.

Em condições ideais, esse processo de troca de elétrons entre radicais livres e antioxidantes mantém o bom funcionamento do corpo. Já o estresse oxidativo afeta o funcionamento de todo o organismo e é preciso atenção para gerenciar e prevenir esse desequilíbrio.

Efeitos do estresse oxidativo no corpo

A oxidação é um processo normal e necessário que ocorre no corpo humano. O estresse oxidativo, por outro lado, ocorre quando há um desequilíbrio entre a atividade dos radicais livres e a atividade antioxidante. Quando funcionam corretamente, os radicais livres podem ajudar a combater patógenos, prevenindo infecções.

Porém, quando há mais radicais livres do que os antioxidantes necessários ao equilíbrio, os radicais livres podem começar a causar danos ao tecido adiposo, ao DNA e às proteínas do corpo. Proteínas, lipídios e DNA compõem uma grande parte do nosso corpo, de modo que esses danos podem levar ao desenvolvimento de doenças como:

  • Diabetes;
  • Aterosclerose ou endurecimento dos vasos sanguíneos;
  • Condições inflamatórias;
  • Pressão alta, também conhecida como hipertensão;
  • Doenças cardíacas;
  • Doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer;
  • Câncer.

O estresse oxidativo também contribui para o envelhecimento.

Quais são os fatores de risco?

Todo mundo produz alguns radicais livres naturalmente em seu corpo através de processos como exercício ou inflamação. Isso é normal e faz parte do intrincado sistema do corpo de se manter saudável.

Mas o ambiente externo também pode ser fonte de exposição a radicais livres. Algumas fontes incluem:

  • Ozônio;
  • Certos pesticidas e produtos de limpeza;
  • Fumaça de cigarro;
  • Radiação;
  • Poluição.

Uma dieta rica em açúcar, gordura e álcool também pode contribuir para a formação de radicais livres, o que agrava o estresse oxidativo.

Gerenciamento e prevenção do estresse oxidativo

É impossível evitar completamente a exposição aos radicais livres e o estresse oxidativo. No entanto, existem algumas coisas que você pode fazer para minimizar os efeitos do estresse oxidativo sobre o seu corpo. A atitude mais eficiente para combater o estresse oxidativo é aumentar seus níveis de antioxidantes, de modo a diminuir a formação de radicais livres.

Alimentação

Um método para prevenir o estresse oxidativo é garantir que você obtenha antioxidantes suficientes em sua dieta. Comer cinco porções por dia de frutas, legumes e verduras variados é a melhor maneira de fornecer ao seu corpo o que ele precisa para produzir antioxidantes. Confira alguns exemplos de vegetais ricos em antioxidantes:

Outros exemplos de fontes antioxidantes da dieta incluem:

Estilo de vida saudável

Optar por um estilo de vida saudável também ajuda a prevenir ou reduzir o estresse oxidativo. Conheça algumas dicas:

Rotina regular e moderada de exercícios

Isso tem sido associado a níveis mais altos de antioxidantes naturais e a danos menores causados pelo estresse oxidativo. O exercício regular foi vinculado com uma vida útil mais longa, menos efeitos do envelhecimento e menor risco de câncer e doenças.

Não fume

O cigarro tem uma série de substâncias tóxicas em sua composição, o que favorece a formação de radicais livres. Evite também a exposição ao fumo passivo.

Tenha cuidado com produtos químicos

Isso inclui produtos de limpeza, evitando a exposição desnecessária à radiação e o conhecimento de outras fontes de exposição a produtos químicos, como pesticidas usados nos alimentos ou na jardinagem.

Seja ambientalmente consciente

Iniciativas ambientalmente amigáveis, como a carona, ajudam a reduzir a produção de radicais livres para você e sua comunidade.

Use protetor solar

O protetor solar evita danos causados pela luz ultravioleta na pele, mas algumas fórmulas podem conter substâncias químicas nocivas em sua composição. Por isso, preste atenção na hora de escolher seu modelo.

Diminua a ingestão de álcool e durma bastante

Um sono amplo é muito importante para manter o equilíbrio em todos os sistemas do corpo. A função cerebral, a produção de hormônios, o equilíbrio antioxidante e de radicais livres e uma série de outras coisas são afetadas pelo sono.

Evite comer demais

Estudos demonstraram que comer demais e comer constantemente mantém seu corpo em um estado de estresse oxidativo com mais freqüência do que se você comer em intervalos adequadamente espaçados e comer porções pequenas ou moderadas.

Conclusão

Embora os radicais livres e os antioxidantes façam parte do funcionamento natural e saudável do corpo, o estresse oxidativo ocorre quando essas substâncias estão em desequilíbrio. O estresse oxidativo pode causar danos a muitos dos seus tecidos, o que pode levar ao desenvolvimento de várias doenças ao longo do tempo.

Embora não seja possível evitar completamente a exposição aos radicais livres, você pode fazer escolhas de estilo de vida em relação a dieta, exercícios físicos e ambiente para ajudar a manter seu corpo em equilíbrio e evitar os danos e doenças causados pelo estresse oxidativo.


Fonte: Healthline

Veja também: