Degradação ambiental aumenta o risco de novas pandemias, diz estudo

eCycle

Análise mostra que ratos e morcegos que hospedam patógenos possivelmente pandêmicos estão mais presentes em ecossistemas danificados

A destruição de ecossistemas naturais promovida pelos seres humanos é responsável pelo aumento na quantidade de ratos, morcegos e outros pequenos animais que abrigam doenças semelhantes à Covid-19. Uma análise abrangente mostra que essa pode ser a causa da próxima grande pandemia, já que a degradação ambiental facilita o processo de migração dos vírus de pequenos animais para a espécie humana.

Publicada na revista Nature, a pesquisa avaliou quase 7.000 comunidades de animais em seis continentes e constatou que a conversão de locais selvagens em terras agrícolas ou assentamentos geralmente destrói espécies maiores. Esse dano beneficia criaturas menores e mais adaptáveis, ​​que são também as que carregam um maior número de patógenos capazes de migrar para os seres humanos.

Segundo a avaliação, as populações de animais que hospedam doenças zoonóticas eram até 2,5 vezes maiores em locais degradados. A proporção de espécies que carregam esses patógenos aumentou em até 70% em comparação com os ecossistemas não danificados.

As populações humanas estão sendo cada vez mais afetadas por doenças originárias de animais selvagens, como o HIV, o zika, o SARS e o vírus Nipah. Desde o início da pandemia do novo coronavírus houve uma série de avisos da ONU e da OMS de que o mundo deve enfrentar a causa desses surtos - a destruição da natureza - e não apenas os sintomas econômicos e de saúde.

Em junho, especialistas disseram que a pandemia de Covid-19 era um "sinal de SOS para a empresa humana", enquanto em abril os principais especialistas em biodiversidade do mundo disseram que mais surtos de doenças mortais eram prováveis, a menos que a natureza estivesse protegida.

A nova análise é a primeira a mostrar como a destruição de locais selvagens, à medida que a população e o consumo mundial cresce, leva a mudanças nas populações de animais que aumentam o risco de surtos de doenças. A pesquisa demonstra que a vigilância de doenças e os cuidados com a saúde precisam ser intensificados nas áreas em que a natureza está sendo devastada, disseram os cientistas.

"À medida que as pessoas entram e, por exemplo, transformam uma floresta em terras agrícolas, o que estão fazendo inadvertidamente é aumentar a probabilidade de entrarem em contato com um animal portador de doença", disse David Redding, do Instituto ZSL de Zoologia em Londres, que fez parte da equipe de pesquisa.

Redding disse que os custos da doença não foram levados em consideração ao decidir converter ecossistemas naturais: "Você precisa gastar muito mais dinheiro em hospitais e tratamentos". Um relatório recente estimou que apenas 2% dos custos da crise da Covid-19 seriam necessários para ajudar a evitar futuras pandemias por uma década.

"A pandemia de Covid-19 despertou o mundo para a ameaça que as doenças zoonóticas representam para os seres humanos", afirmam Richard Ostfeld, do Instituto Cary de Estudos de Ecossistemas, nos EUA, e Felicia Keesing, no Bard College, também nos EUA, em um comentário na Nature.

"Esse reconhecimento trouxe uma percepção errônea de que a natureza selvagem é a maior fonte de doenças zoonóticas", disseram eles. “[Esta pesquisa] oferece uma correção importante: as maiores ameaças zoonóticas surgem onde as áreas naturais foram convertidas em áreas de cultivo, pastagens e áreas urbanas. Os padrões que os pesquisadores detectaram foram impressionantes."

A razão para espécies como roedores e morcegos prosperarem simultaneamente em ecossistemas danificados pelo ser humano e também hospedarem a maioria dos patógenos é provavelmente porque são pequenas, móveis, adaptáveis ​​e produzem muitos filhotes rapidamente.

"O exemplo final é o rato marrom", disse Redding. Essas espécies de vida rápida têm uma estratégia evolutiva que favorece um grande número de filhotes antes de uma alta taxa de sobrevivência para cada um, o que significa que eles investem relativamente pouco em seu sistema imunológico. "Em outras palavras, criaturas que têm histórias de vida semelhantes a ratos parecem ser mais tolerantes a infecções do que outras criaturas", explicam Ostfeld e Keesing.

"Em contraste, um elefante tem um bezerro a cada dois anos", disse Redding. "Ele tem que garantir que a prole sobreviva, para que nasça com um sistema imunológico muito forte e adaptável".

A análise constatou que aves pequenas e empoleiradas também eram hospedeiras de doenças que se dão bem em habitats que sofrem com o impacto das atividades humanas. Essas aves podem ser reservatórios de doenças como o vírus do Nilo Ocidental e um tipo de vírus chikungunya.

Os seres humanos já afetaram mais da metade das terras habitáveis ​​da Terra. A professora Kate Jones, da University College London, e também parte da equipe de pesquisa, disse: “Como se prevê que as áreas agrícolas e urbanas continuem se expandindo nas próximas décadas, devemos fortalecer a vigilância de doenças e a provisão de assistência médica nessas áreas em que há grandes alterações no uso da terra, pois esses locais têm cada vez mais probabilidade de ter animais que podem estar hospedando patógenos prejudiciais."



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×