Drones vão plantar 40 mil árvores em um mês

eCycle

Drones plantam árvores muito mais rápido que humanos, podendo chegar a mais de 1 bilhão de novas árvores até 2028

Drone planta árvores
Imagem: Flash Forest/Divulgação

Uma região ao norte de Toronto está sendo semeada por drones nesta semana - eles estão lançando vagens de sementes de pinheiros nativos e abetos no chão atingido por incêndios. A ideia é ajudar a restaurar o habitat dos pássaros. A Flash Forest, startup canadense por trás do projeto, planeja usar sua tecnologia para plantar 40.000 árvores na área este mês. Até o final do ano, à medida que se expande para outras regiões, plantará centenas de milhares de árvores. Até 2028, a startup pretende plantar um bilhão de árvores.

A empresa, como várias outras startups que também usam drones para plantar árvores, acredita que a tecnologia pode ajudar o mundo a alcançar metas ambiciosas para restaurar florestas como forma de conter a perda de biodiversidade e combater as mudanças climáticas. O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas diz que seria necessário plantar 1 bilhão de hectares de árvores - o que ocuparia uma área semelhante à dos Estados Unidos - para limitar o aquecimento global a 1,5 °C.

Além disso, as florestas existentes precisam ser protegidas enquanto novas árvores são plantadas, o que no momento não tem funcionando bem. "Existem várias tentativas diferentes de combater a perda de florestas", diz a cofundadora e diretora de estratégia da Flash Forest, Angelique Ahlstrom. "Mas todos eles estão falhando, já que temos uma perda líquida de 7 bilhões de árvores por ano."

Os drones não interferem no desmatamento, que é uma questão ainda mais crítica do que o plantio de árvores, uma vez que árvores mais antigas podem armazenar muito mais carbono. Mas, para restaurar florestas que já foram perdidas, os drones podem trabalhar mais rapidamente e com menos custo do que humanos plantando com pás.

Atualmente, a tecnologia da Flash Forest pode plantar de 10.000 a 20.000 vagens de sementes por dia. À medida que a tecnologia avança, um par de pilotos poderá plantar 100.000 árvores em um dia - manualmente, estima-se que uma pessoa conseguiria plantar cerca de 1.500 árvores por dia, diz Ahlstrom. A empresa pretende reduzir o custo do plantio para 50 centavos por árvore, ou cerca de um quarto do custo de alguns outros esforços de restauração de árvores.

Quando começa a trabalhar em um local, a startup envia primeiro drones de mapeamento para pesquisar a área, usando um software para identificar os melhores locais para plantar com base no solo e nas plantas existentes. Em seguida, um enxame de drones começa a soltar com precisão vagens de sementes, embaladas em uma mistura que, segundo a empresa, incentiva as sementes a germinar semanas antes do que aconteceria naturalmente.

As vagens também são projetadas para armazenar umidade, para que as mudas possam sobreviver mesmo com meses de seca. Em algumas áreas, como terrenos montanhosos ou florestas de mangue, os drones usam um dispositivo de tiro pneumático que dispara vagens de sementes mais profundamente no solo. "Isso permite que o drone entre em áreas mais difíceis que os plantadores humanos não conseguiriam acessar", explica Ahlstrom.

Drone planta árvores
Imagem: Flash Forest/Divulgação

Após o plantio, a empresa volta a acompanhar o andamento das mudas. “Dependendo do projeto, voltaremos dois meses depois, depois um ano ou dois e depois de três a cinco anos” para garantir que as árvores sequestrem tanto carbono quanto o planejado, diz ela. "Se cairmos dentro da meta de um certo número de árvores, vamos voltar e garantir que estamos atingindo nossa meta". Como a empresa escolhe espécies nativas e usa suas vagens para proteger as sementes da seca, o processo normalmente não requer trabalho dos seres humanos para manter as mudas vivas. Em vez disso, a estratégia é plantar um grande número de árvores e deixar algumas sobreviverem naturalmente.

Cada plantio usa cerca de quatro espécies, com uma meta de oito. “Priorizamos muito a biodiversidade, por isso tentamos plantar espécies nativas da terra, em oposição às monoculturas”, diz Ahlstrom. “Trabalhamos com bancos de sementes locais e também levamos em conta as diferentes mudanças que as mudanças climáticas trazem, como o aumento da temperatura, antecipando como será o clima dentro de cinco a oito anos, quando essas árvores forem mais velhas e tiverem crescido para um estágio mais maduro. E como isso as afetará. "

Depois de lançar a empresa no início de 2019, a pequena equipe teve um protótipo em funcionamento até o meio do ano e realizou um teste piloto em agosto, seguido de testes maiores em setembro e outubro. Até agora, diz Ahlstrom, eles observaram altas taxas de sobrevivência em estudos controlados e esperam poder replicá-los em contextos do mundo real.

Após o atual plantio perto de Toronto e outro na Colúmbia Britânica, a empresa começará um projeto de restauração no Havaí no final do ano, com planos de plantar 300.000 árvores por lá. Também está planejando pilotos de plantio de árvores na Austrália, Colômbia e Malásia.

Em alguns casos, o financiamento é proveniente de empresas florestais, contratos governamentais ou empresas de mineração que precisam plantar árvores como contrapartida. Em outros casos, a startup planta árvorespara empresas que oferecem o plantio como doação dos consumidores que compram produtos ou para proprietários de terras que podem obter uma redução de impostos, em algumas áreas, para plantar árvores. "Há muita filantropia em torno disso e também existe um modelo de negócios sólido montado em torno da compensação de emissões por meio do plantio de árvores", diz Ahlstrom.

Para plantar rapidamente em torno de um trilhão de árvores - uma meta que alguns pesquisadores estimaram poder armazenar mais de 200 gigatoneladas de carbono -, a Flash Forest argumenta que é necessária nova tecnologia. Na América do Norte, as árvores precisam crescer de 10 a 20 anos antes de armazenar eficientemente o carbono. Portanto, para lidar com as mudanças climáticas em meados do século, as árvores precisam começar a crescer o mais rápido possível. "Eu acho que os drones são absolutamente necessários para atingir o tipo de metas da qual estamos falando e para atingir alguns dos nossos objetivos de sequestro de carbono como sociedade global", diz ela. "Quando você olha para o potencial de drones, eles plantam 10 vezes mais rápido que os humanos."



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×