África do Sul transforma neblina em água potável

eCycle

Cidades africanas usam sistema de redes para coleta de água pela neblina

Na cidade de Tshiavha, região montanhosa da África do Sul, a comunidade usa novas técnicas para obter água potável, eles coletam a neblina. O país tem 490 milímetros de chuva por ano, o que representa a metade da média mundial. Há previsões que a região enfrente escassez de água em 2025.

A água da neblina é coletada por meio de uma malha esticada e são transportadas, por canos, para o reservatório. A malha, de quatro metros de altura, lembra uma rede de vôlei, exceto pela canaleta que conduz as gotas para o tanque. O sistema já funciona nos Andes e no Himalaia.

As redes, instaladas nas escolas da cidade, já representam um alívio para a população. O sistema consegue armazenar 2,5 litros de água em um dia bom, e estão em uso desde 2007.

O acesso à água de qualidade reduziu o número de doenças relacionadas com a água – ingestão de micro-organismos patogênicos, e aumentou a qualidade de vida dos estudantes. Parte da água, coletada pelo sistema, vai para a horta que abastece a escola. O sistema torna-se barato, pois dispensa manutenção e equipamentos eletrônicos.

A província de Limpopo, ao norte, na fronteira com Botsuana, Zimbábue e Moçambique, onde fica o famoso Parque Nacional Kruger, é uma das regiões mais quentes do país. Mas esses lugares são uns dos poucos que não possuem um clima propício para a coleta de neblina. Só a neblina não é suficiente, é preciso vento para capturar a água na rede.

Iniciativas como essas atraem olhares para o país, que vai sediar a COP-17 (Conferência de Mudanças Climáticas das Nações Unidas), nos dias 28 de novembro a 9 de dezembro em Durban.

A ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou em 28 de julho de 2010 a resolução que reconhece o acesso à água potável e ao saneamento básico, como direito de todo ser humano. Segundo este documento, votado pelos países-membros na Assembléia Geral, o fato de 884 milhões de pessoas não terem acesso, aos recursos básicos, é de "extrema preocupação".

O número de pessoas sem acesso à água e rede de esgoto chega a 2,6 bilhões de pessoas. Estudos revelam que 1,5 milhões de crianças morrem, todo ano, antes de completar cinco anos de idade, por doenças hídricas. O acesso à água limpa e ao saneamento básico faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), uma agenda para erradicar e/ou reduzir males sociais até 2015.


 

Comentários  

 
0 #1 2011-11-09 15:27
Um texto excelente, produtivo e de boa qualidade ! Gostei.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail