Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Pesquisas revelam que povos indígenas e comunidades locais têm um papel fundamental na conservação e preservação da natureza

Você já parou para pensar como os indígenas preservam a natureza? Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), 28% da superfície terrestre, incluindo algumas das áreas florestais mais ecologicamente intactas e biodiversas, são gerenciadas por povos indígenas, comunidades locais e pequenos proprietários.

As Nações Unidas apontam que, ao preservarem a floresta, povos indígenas contribuem para reduzir a emissão de gases do efeito estufa e manter a biodiversidade. Suas práticas agrícolas e uso responsável dos recursos naturais são modelos de práticas sustentáveis, que podem nos fornecer insights para lidar com a ameaça do aumento da temperatura global e da escassez de alimentos, entre outros problemas socioambientais.

Povos indígenas e comunidades locais têm papel fundamental na conservação da natureza

Povos indígenas e comunidades locais fornecem os melhores resultados de longo prazo para a conservação, de acordo com uma pesquisa da Universidade de East Anglia (UEA) e em parceria com pesquisadores franceses.

O autor principal, Dr. Neil Dawson, da Escola de Desenvolvimento Internacional da UEA, fez parte de uma equipe internacional conduzindo uma revisão sistemática que concluiu que o sucesso da conservação é “a exceção, e não a regra”.

Mas o estudo, publicado em setembro de 2021 na revista Ecology and Society, sugere que a resposta pode ser a conservação equitativa, que capacita e apoia a gestão ambiental dos povos indígenas e comunidades locais.

A equipe de pesquisa estudou os resultados de 169 projetos de conservação em todo o mundo, principalmente na África, Ásia e América Latina.

Os pesquisadores levaram em consideração uma série de projetos, da restauração de florestas nacionais em Taiwan e hortas comunitárias no Nepal à restauração de bacias hidrográficas no Congo, passando pela pesca sustentável na Noruega, a gestão de caça na Zâmbia e a preservação de zonas úmidas em Gana.

A ideia era investigar como a governança – os arranjos e a tomada de decisões por trás dos esforços de conservação –afeta a natureza e o bem-estar dos povos indígenas e das comunidades locais.

O trabalho, que faz parte do projeto de pesquisa JustConservation, financiado pela Fundação Francesa para Pesquisa em Biodiversidade (FRB), foi iniciado através da Comissão de Meio Ambiente da União Internacional para a Conservação da Natureza, Política Econômica e Social (IUCN CEESP). Ele é o resultado da colaboração entre 17 cientistas, incluindo investigadores da Escola Europeia de Ciências Políticas e Sociais (ESPOL) da Universidade Católica de Lille e da UEA.

Dr. Dawson, um dos pesquisadores da equipe, examina a pobreza, o bem-estar e a justiça ambiental entre as populações rurais, em particular os grupos sociais e étnicos pobres e marginalizados, e é membro do Comitê Diretor da Comissão de Conservação da Natureza sobre Meio Ambiente, Econômico e Social Política (IUCN CEESP). Ele afirma:

A conservação liderada por povos indígenas e comunidades locais, com base em seus próprios conhecimentos e sistemas de posse, tem muito mais probabilidade de entregar resultados positivos para a natureza. Na verdade, a conservação muitas vezes falha porque exclui e subestima o conhecimento local, e isso muitas vezes infringe direitos e diversidade cultural ao longo do caminho.

As organizações conservacionistas internacionais e os governos geralmente lideram os projetos de conservação, excluindo ou controlando as práticas locais, principalmente por meio de áreas estritamente protegidas.

O estudo recomenda que os povos indígenas e as comunidades locais estejam à frente dos esforços de conservação, com o apoio adequado de fora, incluindo políticas e leis que reconheçam seus sistemas de conhecimento.

Além disso, é imperativo mudar para essa abordagem sem demora, de acordo com Dr. Dawson.

As negociações de políticas atuais, especialmente as próximas cúpulas do clima e da biodiversidade da ONU, devem abraçar e ser responsáveis ​​por garantir o papel central dos povos indígenas e comunidades locais nos principais programas climáticos e de conservação. Do contrário, eles provavelmente marcarão mais uma década de práticas que resultam em declínio ecológico e danos sociais. Seja para reservas de tigres na Índia, comunidades costeiras no Brasil ou prados de flores silvestres no Reino Unido, as evidências mostram que a mesma base para uma conservação bem-sucedida por meio da administração é verdadeira. Atualmente, não é assim que os principais esforços de conservação funcionam.

De uma análise inicial de mais de 3.000 publicações, 169 foram selecionadas para fornecer evidências detalhadas dos aspectos sociais e ecológicos da conservação.

Surpreendentemente, os autores descobriram que 56% dos estudos que investigavam a conservação sob controle de comunidades locais relataram resultados positivos tanto para o bem-estar quanto para a conservação humana.

Para a conservação controlada “externamente”, ou seja, por órgãos sem participação das comunidades locais, apenas 16% relataram resultados positivos. Além disso, mais de um terço dos casos resultou em conservação ineficaz e resultados sociais negativos, em grande parte por causa dos conflitos com essas comunidades.

No entanto, simplesmente conceder controle às comunidades locais não garante automaticamente o sucesso da conservação.

As instituições locais são tão complexas quanto os ecossistemas que governam, e esta revisão destaca que uma série de fatores devem estar alinhados para realizar uma gestão bem-sucedida. Coesão comunitária, conhecimento e valores compartilhados, inclusão social, liderança eficaz e autoridade legítima são ingredientes importantes que, muitas vezes, são interrompidos por processos de globalização, modernização ou insegurança, e podem levar muitos anos para se restabelecer.

Além disso, fatores além da comunidade local podem impedir enormemente a administração local, como leis e políticas que discriminam os costumes e sistemas locais em favor de atividades comerciais. O movimento em direção a uma conservação mais equitativa e eficaz pode, portanto, ser visto como um processo contínuo e colaborativo.