O que é bullying e como lidar?

eCycle

Bullying é um comportamento agressivo voltado a uma pessoa ou grupo, e pode ter consequências graves

bullying
Imagem editada e redimensionada de Chinh Le Duc, está disponível no Unsplash

Bullying é um termo originário do inglês que se refere a atos de violência direcionados repetidamente ao mesmo alvo. Ele pode ser feito por uma pessoa ou grupo. No ambiente de trabalho, é chamado de assédio moral.

A violência do bullyingpode se dar na forma de agressão física ou verbal; ameaça; coerção e intimidação. Normalmente, a motivação do bullying envolve diferença de classe social, raça, gênero, orientação sexual, aparência, comportamento, linguagem corporal, personalidade e reputação. Com frequência, as pessoas que praticam bullying expressam homofobia, misoginia, machismo, gordofobia, capacitismo, classismo e ageismo (discriminação etária).

Em geral, as pessoas costumam relacionar o bullying ao ambiente escolar, mas ele pode acontecer em qualquer contexto em que haja interação humana, incluindo a escola, o ambiente de trabalho, as redes sociais virtuais, a família e o local de trabalho. Um tipo de bullying pouco comentado é aquele que acontece entre os militares.

Identificando o bullying

O bullying é um comportamento que inclui toda uma gama de ações que causam dor física ou emocional, desde a disseminação de boatos até a exclusão intencional e o abuso físico. Pode ser sutil e muitas pessoas não sabem identificar (apesar de sentir as dores emocionais ou físicas) que estão sofrendo bullying. Crianças muitas vezes não contam a seus pais ou professores por medo de vergonha ou vingança. Elas também podem temer que não sejam levadas a sério se denunciarem ser intimidadas. É importante que pais, professores e outros adultos procurem constantemente identificar comportamentos de bullying.

Alguns sinais de alerta incluem:

  • Depressão e ansiedade;
  • Mudanças no sono e na alimentação;
  • Perda de interesse em atividades apreciadas;
  • Problemas de saúde;
  • Diminuição do desempenho acadêmico, no trabalho ou na participação escolar;
  • Cortes ou contusões inexplicáveis;
  • Roupas, livros, material escolar ou outros pertences danificados ou ausentes;
  • Perda de apetite;
  • Problemas para dormir;
  • Tristeza;
  • Insegurança;
  • Mudança de rota desnecessária para a escola ou outro destino;
  • Baixo desempenho repentino ou perda de interesse no trabalho escolar;
  • Perda de interesse em sair com os amigos;
  • Queixas frequentes de dores de cabeça, dores de estômago ou outras doenças;
  • Não querer ir para a escola;
  • Ansiedade social ou baixa auto-estima;
  • Mal humor;
  • Qualquer mudança inexplicável de comportamento.

A pior consequência gerada pelo bullying é o bulicídio, o suicídio em decorrência do esgotamento mental causado pelo bullying.

Bullying parental

Para a maioria dos pais, a palavra “bullying” geralmente é associada a uma criança que é intimidada por seus colegas de classe, incluindo algumas zombarias, críticas e xingamentos que primeiro vêm à mente. Infelizmente, o bullying em suas várias formas é algo que vai muito além de salas de aula. Muitas crianças enfrentam insultos e humilhação mesmo antes de entrar na primeira série em um local que deveria ser o mais seguro - sua casa. Esse problema é muito mais sério e subestimado pela sociedade moderna. É por isso que divulgar informações sobre isso é tão importante e, com um esforço comum maior, é possível fazer a diferença para resistir a abusos físicos e bullying na família.

Mais de 90% dos agressores relataram ter sofrido bullying. As crianças que sofrem bullying por sua família provavelmente adotam seus padrões de comportamento e podem começar a se intimidar. As crianças expostas à violência e ao bullyingem casa têm maior probabilidade de estar sujeitas a ansiedade, tristeza, depressão e retraimento social;

O bullying parental pode se revelar de diferentes formas, como abuso verbal, físico ou mental. Em uma família, uma criança pode ser intimidada por seus irmãos, pais ou outros membros da família. Poucas crianças adotivas podem enfrentar o assédio moral de seus irmãos adotivos ou padrastos.

Uma das formas mais comuns de bullying parental é o bullying entre irmãos. Irmãos e irmãs da mesma idade costumam passar muito tempo juntos. Em algum momento, seu relacionamento pode incluir bullying causado por ciúmes, rivalidade entre irmãos, busca de atenção ou várias outras razões. Nem sempre é fácil para os pais perceberem os sinais de bullying entre os filhos. Os efeitos posteriores do bullying entre irmãos podem causar um efeito ao longo da vida em uma criança.

O principal problema do abuso de irmãos é que as interações familiares podem ser vistas de maneira diferente do que acontece entre os colegas na escola ou outras comunidades infantis. Embora xingamentos, zombarias ou empurrões sejam considerados bullying na escola, em casa isso pode ser encarado como uma rivalidade típica entre irmãos. As crianças que se tornam vítimas de bullying entre irmãos geralmente têm medo de contar sobre isso aos pais, com medo de serem repreendidas por um agressor.

Para evitar o bullying entre irmãos:

  • Faça um conjunto de regras claras com certas consequências para o infrator. Elas devem ser aplicadas a todas as crianças;
  • Corrija um comportamento inadequado assim que perceber;
  • Aplique igual quantidade de supervisão a todas as crianças;
  • Ambos os pais devem permanecer unidos e firmes em relação a qualquer demonstração de bullying entre irmãos;
  • Eduque seus filhos sobre como lidar com o abuso verbal ou outras formas de assédio quando os adultos não estiverem por perto;
  • Explique aos seus filhos que é importante não esconder dos pais o fato de serem intimidados pelos irmãos e procurar ajuda e conselhos o mais rápido possível.

Mas o bullying é algo que pode ocorrer não apenas entre colegas ou irmãos, mas também entre pais e filhos. Pais autoritários ou controladores demais podem praticar bullying físico, verbal ou emocional em seus filhos, o que pode causar danos psicológicos ao longo da vida. Embora os pais precisem encontrar meios de disciplinar seus filhos, eles não devem ultrapassar a linha entre educação eficaz e bullying.

O bullying dos pais pode aparecer em pessoas que lutam em suas próprias vidas - socialmente, em um relacionamento com seu parceiro ou no trabalho. O abuso emocional ou verbal pode permitir que esses adultos se sintam superiores e onipotentes ao expressar sua frustração nos filhos. Muitos desses pais, que intimidam seus filhos, sofreram algum tipo de abuso por parte de seus próprios pais. Assim, iniciado uma vez, o hábito prejudicial do abuso dos pais pode ser transmitido através de gerações.

Como evitar o problema? O bullying dos pais costuma ser muito difícil para as crianças, e ainda mais difícil de suportar. Tal confronto drena emocionalmente uma criança, arruina os laços familiares, pode resultar em depressão e levar a problemas de auto-estima.

A primeira coisa que uma criança deve tentar é ter uma conversa aberta com os pais. Se isso não ajudar, eles devem procurar ajuda de um parente de confiança, seu professor ou até mesmo um consultor jurídico.

Uma coisa importante para os pais saberem é que uma criança que é vítima de bullying por um membro da família (avô, tia, tio, primo) também é considerado abuso familiar. É por isso que os pais devem estar atentos a todas as interações familiares e estar prontos para fornecer ajuda e apoio aos filhos, se necessário.

O bullying é comum nas famílias adotivas e pode aparecer tanto na forma de abuso dos irmãos quanto dos pais. Frequentemente, o vínculo entre os membros de uma família adotiva é mais fraco, o que pode se tornar o motivo do bullying.

Assim como em uma família típica, o bullying na família adotiva pode ocorrer em formas de provocações, xingamentos, ameaças, empurrões, ignorância ou exclusão de uma vítima. Como uma das possibilidades, irmãos biológicos podem se unir para intimidar seu irmão adotivo. Além disso, os pais costumam priorizar seus filhos biológicos, mesmo que subconscientemente. Tudo isso pode levar a rivalidade, ciúme ou outras formas de injustiça em uma família.

Os padrastos ou pais adotivos devem perceber que criar uma atmosfera familiar cheia de cuidado e respeito por um afilhado ou filho adotivo é totalmente sua responsabilidade. O conselho de um psicólogo sobre como evitar qualquer possível exibição de bullying em relação a um enteado pode ser útil.

Bullying no ambiente de trabalho

O bullying no local de trabalho inclui piadas, indução proposital a erros como prazos incorretos ou orientações pouco claras; negação contínua de pedidos de folga sem um motivo apropriado ou válido; ameaças, humilhação e outros abusos verbais; monitoramento de desempenho excessivo e críticas excessivamente duras ou injustas.

Críticas ou monitoramento nem sempre são bullying. Críticas objetivas e construtivas e ações disciplinares diretamente relacionadas ao comportamento no local de trabalho ou ao desempenho no trabalho não são consideradas intimidação. Mas as críticas destinadas a intimidar, humilhar ou destacar alguém sem motivo são intimidações, fofoca; culpa injusta; roubo;

Os sinais de alerta precoce do bullying podem variar:

  • Os colegas de trabalho podem ficar quietos ou sair da sala quando você entra, ou podem simplesmente ignorá-lo;
  • Você pode ficar de fora da cultura do escritório, como bate-papo, festas ou almoços em equipe;
  • Seu supervisor ou gerente pode verificar você com frequência ou pedir que você se reúna várias vezes por semana sem um motivo claro;
  • Você pode ser solicitado a executar novas tarefas ou tarefas fora de suas tarefas típicas, sem treinamento ou ajuda, mesmo quando solicitado;
  • Pode parecer que seu trabalho é monitorado com frequência, a ponto de você começar a duvidar de si mesmo e ter dificuldades com suas tarefas regulares;
  • Você pode ser solicitado a executar tarefas difíceis ou aparentemente sem sentido e ser ridicularizado ou criticado quando não conseguir fazê-las;
  • Você pode observar que seus documentos, arquivos, outros itens relacionados ao trabalho ou objetos pessoais estão desaparecendo.

Esses incidentes podem parecer aleatórios no começo. Se eles continuarem, você pode se preocupar com algo que os causou e temer ser demitido. Pensar no trabalho, mesmo nas folgas, pode causar ansiedade e pavor.

Quem é intimidado e quem faz o bullying?

Qualquer um pode intimidar os outros. De acordo com uma pesquisa de 2017 do Workplace Bullying Institute:

  • Cerca de 70% dos agressores são homens;
  • O principal alvo são as mulheres;
  • 61% assédio moral vem de chefes ou supervisores, enquanto 33% vem de colegas de trabalho e 6% ocorrem quando pessoas com níveis mais baixo intimidam seus supervisores ou outras pessoas acima deles;
  • Apenas 19% das pessoas intimidadas são brancas.

O assédio moral dos gerentes pode envolver abuso de poder, incluindo análises negativas de desempenho que não são justificadas, gritos ou ameaças de demissão ou rebaixamento, ou negação de folga ou transferência para outro departamento.

As pessoas que trabalham no mesmo nível costumam fazer bullying por meio de fofocas, sabotagem no trabalho ou críticas. O bullying pode ocorrer entre pessoas que trabalham em conjunto, mas também ocorre entre departamentos.

As pessoas que trabalham em departamentos diferentes podem ter maior probabilidade de intimidar por email ou espalhar boatos.

Os funcionários de nível inferior podem intimidar aqueles que trabalham acima deles. Por exemplo, alguém pode:

  • Mostrar desrespeito contínuo ao gerente;
  • Recusar concluir tarefas;
  • Espalhar boatos sobre o gerente;
  • Fazer coisas para fazer seu gerente parecer incompetente.

O bullying pode ocorrer com mais frequência em ambientes de trabalho que:

  • São estressantes ou mudam frequentemente;
  • Tem cargas de trabalho pesadas;
  • Ter políticas pouco claras sobre o comportamento dos funcionários;
  • Ter má comunicação e relacionamentos com funcionários;
  • Ter mais funcionários entediados ou preocupados com a segurança no emprego.

Os locais de trabalho com altas taxas de bullying também podem sofrer consequências negativas, como:

  • Perda financeira resultante de custas judiciais ou investigações de bullying;
  • Produtividade e moral diminuídas;
  • Aumento de ausências de funcionários;
  • Altas taxas de rotatividade;
  • Fraca dinâmica de equipe;
  • Confiança, esforço e lealdade reduzidos dos funcionários.

As pessoas que sofrem bullying podem eventualmente enfrentar consequências, como repreensões formais, transferências ou perda de emprego. Mas muitos tipos de bullying não são ilegais.

Quando o assédio moral não é tratado, fica mais fácil para as pessoas continuarem, especialmente quando o assédio é sutil. Os agressores que tomam crédito pelo trabalho ou intencionalmente fazem os outros parecerem ruins podem acabar sendo elogiados ou promovidos.

Ao enfrentar o bullying, é comum sentir-se impotente e incapaz de fazer qualquer coisa para impedi-lo. Se você tentar enfrentar o agressor, poderá ser ameaçado ou informado de que ninguém acreditará em você. Se o seu gerente está intimidando você, você pode se perguntar quem dizer.

Primeiro, reserve um momento para se lembrar de que o bullying nunca é sua culpa, independentemente do que o tenha desencadeado. Mesmo que alguém o intimide, fazendo parecer que você não pode fazer seu trabalho, o bullying é mais sobre poder e controle, não sobre sua capacidade de trabalho.

O que fazer:

  • Documente o assédio moral. Registre todas as ações de bullying por escrito. Anote a data, a hora em que ocorreu e outras pessoas que estavam na sala;
  • Salve evidências físicas. Mantenha todas as notas, comentários ou e-mails ameaçadores que você receber, mesmo que não estejam assinados. Se houver documentos que possam ajudar a provar o assédio moral, como solicitações negadas de tomada de força, comentários excessivamente duros sobre o trabalho designado e assim por diante, mantenha-os em um local seguro;
  • Denunciar o assédio moral. Seu local de trabalho pode ter uma pessoa designada com a qual você possa conversar se não se sentir seguro conversando com seu supervisor direto. Recursos humanos é um bom lugar para começar. Também é possível conversar sobre o assédio moral com alguém mais alto, se o seu supervisor não for útil ou a pessoa que está fazendo o assédio moral;
  • Confronte o valentão. Se você souber quem o está intimidando, traga uma testemunha de confiança, como um colega de trabalho ou supervisor, e peça para que parem - se você se sentir à vontade para fazê-lo. Seja calmo, direto e educado;
  • Revise as políticas de trabalho. O manual do funcionário pode descrever etapas da ação ou políticas contra o assédio moral. Considere também revisar políticas estaduais ou mesmo federais sobre o tipo de bullying que você está enfrentando;
  • Procure orientação legal. Considere conversar com um advogado, dependendo das circunstâncias do assédio moral. Nem sempre é possível uma ação legal, mas um advogado pode oferecer conselhos específicos;
  • Estenda a mão para os outros. Os colegas de trabalho podem oferecer apoio. Conversar com seus entes queridos sobre o bullying também pode ajudar. Você também pode conversar com um terapeuta. Eles podem fornecer suporte profissional e ajudá-lo a explorar maneiras de lidar com os efeitos do bullying enquanto você toma outras medidas.

Bullying na escola

O bullying é um problema que pode prejudicar a escolaridade, a vida social e o bem-estar emocional de uma criança. Os adultos podem ter uma tendência a ignorar o bullying e considerá-lo uma parte normal da vida pela qual todas as crianças passam. Mas ele é um problema real com sérias consequências.

A primeira coisa a fazer se você perceber que algo está errado com seu filho é conversar com ele. A coisa mais importante que você pode fazer por uma criança intimidada é validar a situação. Preste atenção aos sentimentos do seu filho e informe-o de que você se importa. Talvez você não consiga resolver todos os problemas deles, mas é essencial que eles saibam que podem contar com você para obter suporte.

O bullying é um comportamento aprendido. As crianças adotam comportamentos anti-sociais, como o bullying, se baseado no exemplo dado pelos adultos, pais, professores e mídia. Seja um modelo positivo e ensine a seu filho um bom comportamento social desde tenra idade. É menos provável que ele entre em relacionamentos prejudiciais se você, como pai ou mãe, evitar associações negativas.

Treinamento e educação são essenciais para interromper o bullying. Isso dá aos professores tempo para conversar abertamente com os alunos sobre bullying. Também ajudará as crianças a entender quais comportamentos são considerados bullying. Assembleias de toda a escola sobre o assunto podem trazer a questão à tona.

Também é importante educar os funcionários da escola e outros adultos. Eles devem entender a natureza do bullying e seus efeitos, como reagir ao bullying na escola e como trabalhar com outras pessoas da comunidade para evitá-lo.

Crie uma comunidade de suporte

O bullying é um problema da comunidade e requer uma solução da comunidade. Todo mundo tem que estar trabalhar para acabar com o bullying. Isso inclui:

  • Alunos
  • Pais
  • Professores
  • Administradores
  • Conselheiros
  • Motoristas de ônibus
  • Trabalhadores da cafeteria
  • Enfermeiras escolares
  • Instrutores

Se seu filho está sendo intimidado, é importante que você não confronte o agressor ou os pais dele. Geralmente não é produtivo e pode até ser perigoso. Em vez disso, trabalhe com sua comunidade. Professores, conselheiros e administradores têm informações e recursos para ajudar a determinar o curso de ação apropriado. Desenvolva uma estratégia da comunidade para lidar com o bullying.

Seja consistente

É importante ter um plano de como lidar com o bullying. As políticas escritas são uma boa maneira de ter algo que todos na comunidade possam fazer referência. Toda criança deve ser tratada de forma igual e consistente, de acordo com as políticas. O bullying emocional deve ser tratado da mesma maneira que o bullying físico.

É importante que as regras para o bullying sejam aplicadas de forma consistente em toda a escola. Os funcionários da escola precisam poder intervir imediatamente para interromper o bullying, e também deve haver reuniões de acompanhamento tanto para o agressor quanto para o alvo. Os pais dos alunos afetados devem estar envolvidos quando possível.

Capacite os espectadores

Frequentemente, os espectadores se sentem impotentes para ajudar. Eles podem pensar que se envolver pode trazer os ataques do agressor para si ou torná-los párias sociais. Mas é essencial capacita-los para ajudar. As escolas devem trabalhar para proteger os espectadores de retaliação e ajudá-los a entender que o silêncio e a inação podem tornar os agressores mais poderosos.

Trabalhe com o valentão

Não se esqueça que o agressor também tem problemas para lidar e também precisa da ajuda de adultos. Os agressores geralmente se envolvem em comportamentos de bullying por falta de empatia e confiança, ou como resultado de problemas em casa.

Os agressores primeiro precisam reconhecer que seu comportamento é assédio moral. Então, eles precisam entender que o bullying é prejudicial para os outros e leva a consequências negativas. Você pode reduzir o comportamento de bullying pela raiz, mostrando a eles quais são as consequências de suas ações.

Envolva seu filho

A primeira coisa a fazer se você perceber que algo está errado com seu filho é conversar com ele. A coisa mais importante que você pode fazer por uma criança intimidada é validar a situação. Preste atenção aos sentimentos do seu filho e informe-o de que você se importa. Talvez você não consiga resolver todos os problemas, mas é essencial que ele saiba que pode contar com você para obter suporte.

Seja um modelo

O bullying é um comportamento aprendido. As crianças adotam comportamentos anti-sociais, como o bullying com o exemplo dos adultos, pais, professores e mídia. Seja um modelo positivo e ensine a seu filho um bom comportamento social desde tenra idade. É menos provável que seu filho entre em relacionamentos prejudiciais ou prejudiciais se você, como pai ou mãe, evitar associações negativas.

Seja educado

Treinamento e educação contínuos são essenciais para interromper o bullying. Isso dá aos professores tempo para conversar abertamente com os alunos e ajuda as crianças a entenderem quais comportamentos são considerados bullying. Assembleias de toda a escola sobre o assunto podem trazer a questão à tona.

Também é importante educar os funcionários da escola e outros adultos. Eles devem entender a natureza do bullying e seus efeitos, como reagir ao bullying na escola e como trabalhar com outras pessoas da comunidade para evitá-lo.



 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail