"Em perigo": restam apenas 7,1 mil guepardos na natureza

Grande declínio surpreende cientistas, que dizem que o animal mais rápido do mundo não vai escapar da extinção a menos que medidas urgentes para conservação sejam tomadas


Imagem: Pixabay

Mesmo sendo o animal terrestre mais rápido do mundo, o guepardo (Acionyx jubatus) está tendo dificuldades em escapar da extinção. Uma nova pesquisa mostra que o animal, também conhecido como chita, está em situação ruim e pode se tornar extinto a menos que haja ação de conservação urgente e de larga escala.

A nova pesquisa foi feita pelas organizações Zoological Society of London (ZSL), Panthera e Wildlife Conservation Society (WCS) e revela que apenas 7,1 mil guepardos permanecem vivos em todo o mundo. O estudo conclui que o animal foi "varrido" de 91% de sua área de ocupação histórica. As populações asiáticas de guepardo são compostas atualmente por 50 animais, restritos em um bolsão isolado no Irã. No Zimbábue, em apenas 16 anos, o número de guepardos passou de 1,2 mil para 170.

A autora principal do estudo, Sarah Durant, diz: "Este estudo representa a análise mais abrangente do estado do guepardo até a presente data. Devido à natureza enigmática deste gato indescritível, tem sido difícil reunir informações concretas sobre a espécie, o que levava a uma situação difícil. Nossas descobertas mostram que os grandes requisitos de espaço que o guepardo demanda, juntamente com a complexa gama de ameaças enfrentadas pela espécie na natureza, significa que é provável que o animal seja muito mais vulnerável à extinção do que se pensava anteriormente".

Isso fez com que os autores pleiteassem a mudança do guepardo de "vulnerável" para "em perigo" na lista vermelha da União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN - sigla em inglês) de espécies ameaçadas - o que chama atenção internacional para o combate à extinção.

Apesar de haver parques e reservas em que os guepardos vivem, eles são um dos carnívoros que necessitam de áreas mais abrangentes do mundo e, portanto, 77% de seu habitat se estende para além das áreas protegidas. Isso faz com que os humanos os cacem excessivamente para diversos fins, como para tráfico de animais exóticos.

"Trabalhamos com os governos e com a comunidade de conservação da chita para implementar estruturas abrangentes de ação para salvar as espécies, mas fundos e recursos são necessários para implementá-las", diz Durant. As recentes decisões tomadas na CIPES17, em Joanesburgo, representam um avanço significativo, particularmente no que diz respeito ao estancamento do fluxo ilegal de gatos vivos traficados para fora da região do Chifre da África. No entanto, é necessária uma ação conjunta para inverter as quedas em curso frente à aceleração das alterações do uso da terra em todo o continente.

"Acabamos de apertar o botão de reinicialização em nossa compreensão de quão perto as chitas estão da extinção.O que aprendemos a partir deste estudo é que a proteção de áreas por si só não é suficiente", diz o diretor do Cheetah Panthera Program, Kim Young- Overton. "Devemos pensar maior, conservando em todo o mosaico de paisagens protegidas e desprotegidas que esses gatos de grande porte habitam, se quisermos evitar a perda de outra maneira certa da chita para sempre."


Fonte: Treehugger

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail