Os perigos potenciais do fraturamento hidráulico

Conheça os riscos da nova forma de extração de gás, também conhecida como fracking

O que é fracking ou fraturamento hidraúlico?

Um método polêmico para extrair gás do solo está chegando no Brasil (saiba mais aqui): é o fraturamento hidráulico ou fracking. Mas como funciona e quais são os riscos que envolvem essa técnica?

Em primeiro lugar, ofraturamento hidráulico é utilizado para realizar perfurações e extração de gás, o chamado gás de folhelho ou shale gas. A diferença entre essa técnica e a perfuração tradicional é que ela consegue acessar as rochas sedimentares de folhelho no subsolo e, consequentemente, explorar reservatórios que antes eram inatingíveis.

O processo se inicia com uma perfuração que pode atingir até 3,2 km de profundidade, onde a tubulação a partir de determinado momento assume uma trajetória horizontal (veja figura acima). Ao se deparar com as formações rochosas, é iniciado o fracking. Através da tubulação instalada é despejada uma mistura de grandes quantidades de água e solventes químicos comprimidos. A grande pressão provoca explosões que fragmentam a rocha. Para que o buraco não se feche novamente, são injetadas enormes quantidades de areia, que supostamente evitam que o terreno ceda ao mesmo tempo em que permite, por sua porosidade, a migração do gás a ser extraído.

Problemas

Além da periculosidade comum a qualquer tipo de perfuração, como a perda do uso da terra, grande quantidade de lixo industrial, a poluição e o comprometimento da qualidade de vida dos habitantes das regiões próximas dos poços, há também os riscos potencialmente associados ao próprio fracking.

Durante o fraturamento hidráulico, um terço de tudo que está dentro do poço vem à tona, incluindo a água utilizada, os solventes utilizados e os resíduos da extração. Isso traz riscos de contaminação dos lençóis freáticos, risco que já era comum na metodologia das perfurações tradicionais. Eventuais vazamentos dos gases, sobretudo o metano, poluente e contribuinte para o efeito estufa são risco adicional. A polêmica que envolve essa forma de extração tem sido objeto de crescente debate, sobretudo nos EUA, país que possui grandes reservas de folhelho. Com o refinamento da tecnologia, os custos de extração dessa fonte de energia diminuíram sobremaneira, o que significa uma pressão econômica enorme para a extração, mesmo com os eventuais riscos. A combinação do alto volume de reservas disponíveis, do baixo custo de extração e da crise americana faz com que as perspectivas econômicas tendam a conduzir os níveis de exploração dessa matéria-prima e uso da tecnologia a níveis extremos, em substituição a outras fontes, sobretudo as renováveis, notadamente mais custosas. A respeito dessa questão, o filme Gasland (clique aqui e veja o trailer), de 2010, tentou traçar um panorama dos problemas que o fracking pode trazer.

Mesmo com os riscos potenciais envolvidos neste sistema, criticado nos EUA e proibido em países como a França, a tecnologia não deverá sofrer restrições no Brasil, a despeito de tantas alternativas sustentáveis na produção de energia disponíveis para investimento.

Veja abaixo como funciona a tecnologia em vídeo (em inglês):



Veja também:


 

Comentários  

 
0 #1 2013-04-21 00:16
Não autorizar o uso desta tecnologia no Brasil, pelo risco de não contaminar nosso lençol freático e nossa terra.
Citar
 
 
0 #2 2013-11-21 16:05
A água é um recurso finito e deve ser protegida sempre. Usar esta técnica no Recôncavo Baiano, onde várias cidades dependem da agua subterrânea é perpetrar um crime contra a população local. Dias D'Ávila depende do aquífero para sobreviver, bem como todo o Polo Petroquímico de Camaçari. Proibir essa técnica é obrigação dos governantes.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail