Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A Aceleradora 100+ e a Amaz buscam startups para negócios de impacto positivo. As inscrições para os dois programas vão até 4 de maio

Por Página22 A Aceleradora 100+, programa de inovação da Ambev, chega à sua 4ª edição e convida startups e empreendedores de impacto socioambiental a apresentarem soluções que unam inovação e sustentabilidade. Com isso, a companhia e seus parceiros pretendem avançar em seus compromissos de sustentabilidade para 2025, especialmente os que envolvem mudança climática, embalagem circular, agricultura sustentável, gestão de água, ecossistema empreendedor e Amazônia.

Podem se inscrever, até o dia 4 de maio, startups com soluções prontas para serem implementadas e testadas, em fase piloto ou de ida ao mercado. As inscrições podem ser feitas pelo site aceleradora.ambev.com.br. Caso o negócio esteja em um nível de maturidade mais avançado, de tração ou escala, há a possibilidade de se inscrever no programa global, 100+ Accelerator da AB Inbev, pelo site www.100accelerator.com.

Seguem junto à companhia nessa jornada a Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) e o Quintessa, aceleradora de impacto. Ambos já integram a Aceleradora 100+, desde a terceira edição, e somam-se a eles novos parceiros e apoiadores, importantes nomes no mercado – PepsiCo, Valgroup, Ball Corporation e Machado Meyer Advogados.

O programa aposta na inovação aberta como um caminho eficiente para ajudar empresas na agenda ESG e na sua jornada de sustentabilidade. Não somente a Ambev, mas as empresas parceiras também poderão se relacionar com as soluções das startups para resolver seus desafios de impacto socioambiental.

“Neste ano, queremos popularizar as oportunidades de participação no programa. Nós da PPA entendemos que as startups da Amazônia precisam de reconhecimento e visibilidade. Por isso, queremos atrair negócios com soluções ainda mais diversificadas, mas sempre com a premissa de trazer impactos positivos e benefícios socioambientais para a região”, afirma Augusto Corrêa, secretário executivo da PPA.

Soluções para os principais desafios ambientais

Nesta quarta edição, o programa busca soluções para seis desafios:   

  • Gestão da água: Monitoramento e análise de água; conservação e administração de bacias hidrográficas; e/ou tratamento e redução do consumo de água em manufatura e supply chain
  • Agricultura sustentável: Treinamento, engajamento e suporte a pequenos produtores e agricultores; aumento da qualidade e produtividade da colheita; e/ou outras inovações relacionadas à agricultura sustentável. 
  • Mudança climática: Consumo e monitoramento de energia; soluções alternativas e renováveis para o setor energético; redução, captura e remoção de emissões de carbono; regeneração e restauração florestal; análises financeiras e de gestão para mudanças climáticas; e/ou logística verde. 
  • Embalagem circular: Reciclagem, reutilização e devolução; materiais alternativos e inovações para embalagens; e/ou rastreabilidade e logística reversa de embalagens. 
  • Ecossistema empreendedor: Valorização de produtos gerados no processo de produção da cerveja; rastreabilidade da cadeia produtiva/fornecimento responsável; incentivo a cadeias produtivas locais/regionais; e/ou diversidade e inclusão na cadeia produtiva. 
  • Amazônia: Negócios comunitários da Amazônia; cadeias de valor da floresta; turismo sustentável; comercialização de insumos da sociobiodiversidade/iniciativas de fomento ao acesso a mercado; inclusão produtiva de populações locais e tradicionais.

Inovação para sustentabilidade na Amazônia

A Amaz Aceleradora de Impacto, apoiada pelo Fundo JBS pela Amazônia, está com inscrições abertas para a nova chamada de negócios, que selecionará projetos inovadores para serem acelerados e receberem investimento de até R$ 600 mil. Os interessados podem se inscrever até às 18h (horário de Brasília) do dia 4 de maio no site amaz.org.br/chamada2022, onde também está disponível o regulamento completo da iniciativa.

Estão aptos a participar da seleção startups, negócios de base comunitária, organizações e empresas que estejam promovendo projetos de impacto voltados à preservação da floresta, conservação da biodiversidade e desenvolvimento socioambiental da Amazônia, bem como geração de renda e qualidade de vida para as comunidades rurais e ribeirinhas. Serão consideradas iniciativas que já estejam com atividades em andamento: protótipo em fase de teste de mercado; produto testado em fase de lançamento; ou produto lançado em fase de captação ou expansão.

Os negócios podem ser ligados aos setores de alimentação, beleza e cosméticos, biotecnologia, produtos da sociobiodiversidade, agricultura e pecuária sustentável, manejo e produção florestal sustentável, ecoturismo e/ou turismo de base comunitária, artesanato, moda, transporte, logística e comunicação, serviços financeiros, plataformas de comercialização e acesso a mercados, educação e empreendedorismo de impacto, mitigação e adaptação à mudança climática, serviços ambientais e mercados de carbono, entre outros.

Os selecionados receberão investimento inicial de R$ 200 mil cada um e possibilidade de novo investimento de até R$ 400 mil ao fim do processo de aceleração, que deve se estender por seis meses. Além disso, contarão com benefícios como: programa de mentoria e acompanhamento, desenvolvimento da tese de impacto e modelagem de negócios, e acesso à rede de investidores e parceiros da Amaz.

Para saber mais sobre inovação e empreendedorismo na Amazônia, acompanhe a mais recente live da Amaz aqui, realizada em parceria com a Página22. E agende-se para a próxima: será no dia 26 de abril, às 16h, no canal da Página22 no YouTube, sobre Novos Mercados para Negócios Amazônicos.

Este texto foi originalmente publicado por Página22 de acordo com alicença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original.