Robô que ajusta painéis fotovoltaicos pode reduzir custos da energia solar

eCycle

O girassol, assim como algumas outras plantas, desenvolveu a habilidade de seguir a trajetória do sol ao longo do dia para maximizar a absorção de luz, ou seja, de energia.

Aplicar esse conceito em painéis fotovoltaicos instalando sensores mecânicos é uma ideia antiga. Afinal, basta usar a lógica. Utilizando os sensores, o desempenho dos painéis pode ser melhorado em até 40%.

Pelo menos 85% das instalações comerciais de painéis solares que geram mais de 1MW, de 2009 a 2012, utilizaram sensores de acompanhamento da trajetória solar. No entanto, os sistemas convencionais são de execução muito cara e impraticável na maioria dos imóveis residenciais ao redor do mundo.

Em vez de utilizar controles e motores individuais muito caros em cada painel, a empresa californiana QBotix desenvolveu um robô que faz todo o trabalho pesado:

"Assim como um médico vai de um paciente ao outro para monitorá-los, o SolBot vai de um painel ao outro, sendo capaz de monitorar toda uma instalação", explica Wasiq Bokhari, o CEO da QBotix, em entrevista para rede americana CNET News.

Dois SolBots se revezam entre ajustar os painéis solares para voltá-los para o sol, e recarregar as baterias em uma estação de acoplamento auto-alimentada. Dois robôs juntos podem gerenciar até 200 painéis solares, mais ou menos equivalentes a um sistema com capacidade combinada de 300KW. Para uso em sistemas maiores, basta aumentar o número de robôs.

"O beneficio que oferecemos é que, sem diferença de custo, os proprietários podem gerar de 8% a 15% mais energia se comparado a um sistema de eixo único, e 30% a 40%  se comparado com sistemas fixos", disse Bokhar.

Um sistema de acompanhamento solar de eixo único geralmente custa algo entre 35 a 45 centavos de dólar por watt, em oposição aos SolBots, que têm apenas custo de operação.

A empresa completou um período de testes do protótipo de nove meses para mostrar que o sistema tem o custo e a confiabilidade assegurados. As vendas do SolBot devem começar já em setembro de 2012.

A empresa QBotix diz que o produto pode diminuir o preço da energia em usinas solares em até 20%.

A tecnologia promete, e se os custos podem ser reduzidos de maneira tão drástica, a inovação é promissora. Resta esperar para sentir essa diferença no avanço da energia solar e na diminuição dos preços para esse tipo de energia.

Veja também:
-Produzir energia solar é viável para 15% dos domicílios brasileiros
-Luminária solar feita com garrafa PET é solução nas Filipinas


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail