Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Segundo os autores do texto “Plano Nacional de Cultura e Desenvolvimento: recuperando o planejamento das políticas culturais”, é preciso assegurar os direitos culturais de todo cidadão brasileiro

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

Por Margareth Artur em Jornal da USPPara assegurar os direitos culturais de todo cidadão brasileiro, é preciso o planejamento de uma política cultural. Esse planejamento já existe, mas é preciso recuperá-lo, apontam os pesquisadores Amanda Salgado e Carvalho e Danilo Júnior de Oliveira no artigo Plano Nacional de Cultura e Desenvolvimento: recuperando o planejamento das políticas culturais, publicado na revista Extraprensa. De acordo com os autores, a garantia desses direitos é resultado da “democratização cultural de um país”.

O Plano Nacional de Cultura (PNC) foi prorrogado até o ano de 2022, não sem gerar controvérsias a respeito do papel do Estado na coordenação de um planejamento das políticas culturais. O artigo se propõe a debater se essa prorrogação cumprirá as metas iniciais, abordando os maiores obstáculos que podem impedir a “efetiva implementação de políticas culturais coordenadas”, questão essa que vai além do “cultural” porque se insere “nas problemáticas históricas do Estado brasileiro”. Os autores argumentam que o gerenciamento e a condução do Estado não se mostram responsáveis pela preservação e sobrevivência da diversidade cultural e das peculiaridades que formam a identidade dos muitos e diferentes grupos que compõem uma sociedade. É urgente uma política cultural que se contraponha aos objetivos apenas mercadológicos das criações culturais e artísticas.

Se a prorrogação do PNC dificulta a estagnação da cultura do ponto de vista institucional, da condução do Estado em todo o território nacional, por outro lado existem motivos que extrapolam o âmbito cultural, gerando irregularidades em relação ao PNC. Um dos motivos é a incoerência da estrutura administrativa pública, fruto da fragilidade do Estado que não facilita a “interligação entre as políticas econômicas e sociais elaboradas”, pois, no dizer dos autores, o Estado brasileiro se acomodou e hoje “permanece formado sob uma máquina burocrática fragmentada”. Há também a questão da redução do orçamento e a intervenção do Estado na economia, com a privatização de empresas estatais controlando serviços públicos, o que ocasiona a falta de autonomia na gestão cultural.

Os autores afirmam como imprescindível o desenvolvimento cultural de um país, cujo planejamento não fique “só no papel”, pois precisa ser real, materializado, já que o PNC quer garantir o direito constitucional à cultura, muitas vezes relegada a um segundo ou terceiro plano, pois conceituada como inútil, dispensável, luxo e, sobretudo, improdutiva para uma sociedade que visa ao lucro. O planejamento, como reiteram os autores, visa a efetivar a política e os direitos culturais e a “democratização cultural de um país”, os quais precisam driblar os descompassos do plano, sobretudo na presente “crise política, econômica e cultural que já assolava o país antes mesmo da pandemia do novo coronavírus”.

Diante dos entraves descritos, os autores questionam: a prorrogação do plano e seus objetivos serão concretizados ou estaremos diante da “simbólica ruína do planejamento cultural”? A questão é aventada pelo atual quadro político brasileiro, “que evidencia um movimento de esvaziamento das políticas culturais”, somando-se a um movimento de desmonte estrutural do Ministério da Cultura, caracterizando-se pela austeridade de gastos. Eis o declínio administrativo na área. Finalizando, reivindica-se um movimento de resistência tanto do setor cultural quanto da sociedade civil, no intuito maior de o povo poder fazer valer seu direito, garantido pela Constituição brasileira, de ter acesso incondicional às produções culturais estruturados por uma política cultural brasileira eficiente, efetiva e democrática.

Artigo

CARVALHO, A. S. e.; OLIVEIRA, D. J. de. Plano Nacional de Cultura e Desenvolvimento: recuperando o planejamento das políticas culturais. Extraprensa, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 27- 43, 2021. DOI:
https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.186359. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/extraprensa/article/view/186359. Acesso em: 25 nov. 2021.

Contatos

Amanda Salgado e Carvalho – Pós-graduanda em Gestão de Projetos Culturais do Centro de Estudos Latino-Americanos em Cultura e Comunicação (Celacc) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, é advogada no Instituto de Direito, Economia Criativa e Artes. E-mail amandasalgadoc@gmail.com

Danilo Júnior de Oliveira – Pesquisador e docente na pós-graduação lato sensu em Gestão de Projetos Culturais no Celacc/USP, professor nos cursos de Direito da Universidade Ibirapuera (Unib) e Unidrummond e pesquisador colaborador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). E-mail dan.jr@uol.com.br