Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Confira como funciona o estômago, o papel que o órgão desempenha na saúde digestiva e como cuidar bem do seu

Estômago é um órgão, em formato de saco, que faz parte do sistema digestivo, entre o esôfago e o intestino delgado. Está localizado no tubo digestivo, abaixo do diafragma, entre o esôfago e o duodeno, na parte superior esquerda do abdômen.

O órgão serve como um receptáculo temporário para armazenamento e distribuição mecânica do alimento antes que ele seja passado para o intestino. Em animais cujos estômagos contêm glândulas digestivas, alguns dos processos químicos da digestão também ocorrem no estômago.

Existem quatro partes do estômago: cárdia, que comunica o órgão com o esôfago; fundo gástrico, parte superior à entrada do esôfago; corpo, parte intermediária e principal; e piloro, na junção com o duodeno, que regula a passagem do bolo alimentar que segue para o intestino, evitando o refluxo.

O estômago tem três camadas de músculos: uma camada longitudinal externa, uma camada circular média e uma camada oblíqua interna. O revestimento interno consiste em quatro camadas: a serosa, a muscular, a submucosa e a mucosa. A mucosa é densamente preenchida com glândulas gástricas, que contêm células que produzem enzimas digestivas, ácido clorídrico e muco.

O estômago tem a capacidade de se expandir ou contrair, dependendo da quantidade de alimento contido nele. Quando contraídas, as paredes do estômago formam numerosas dobras (rugas), que desaparecem quando as paredes são distendidas.

O espesso revestimento da membrana mucosa das paredes é densamente preenchido com pequenas glândulas gástricas; estes secretam uma mistura de enzimas e ácido clorídrico que digerem parcialmente proteínas e gorduras.

O órgão é revestido  pela mucosa gástrica, uma camada de tecido pregueado. Em seu interior se encontram as glândulas responsáveis pela produção de suco gástrico. Quando o alimento é engolido, passa pelo esôfago e chega ao estômago, onde esse suco envolve os alimentos em digestão e, através dos movimentos peristálsticos, transforma o bolo alimentar em quimo, iniciando a digestão de proteínas.

Além disso, o estômago conta com duas válvulas, também chamadas de esfíncteres, que mantêm o conteúdo do órgão dentro dele. O esfincter esofágico se situa na parte superior do estômago e o esfincter pilórico, na inferior, separando-o do intestino delgado.

Condições de saúde que podem afetar o estômago

Refluxo gastroesofágico

O conteúdo do estômago, incluindo o ácido, pode viajar de volta para o esôfago. Pode não haver sintomas ou o refluxo pode causar azia ou tosse.

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Quando os sintomas de refluxo se tornam incômodos ou ocorrem com frequência, eles são chamados de DRGE. Raramente, a DRGE pode causar problemas graves no esôfago.

Dispepsia

Nome técnico para dor de estômago ou indigestão. A dispepsia pode ser causada por quase todas as doenças benignas ou graves que afetam o estômago.

Úlcera gástrica (úlcera estomacal)

Uma erosão no revestimento do estômago, que frequentemente causa dor e/ou sangramento. As úlceras gástricas são mais frequentemente causadas por medicamentos anti-inflamatórios (AINEs) ou infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

Úlcera péptica

Profissionais da área médica consideram as úlceras no estômago ou no duodeno (a primeira parte do intestino delgado) como úlcera péptica.

Gastrite

Inflamação do estômago, muitas vezes causando náuseas e/ou dor. A gastrite pode ser causada por álcool, certos medicamentos, infecção por H. pylori ou outros fatores.

Câncer de estômago

O câncer gástrico é uma forma incomum de câncer. O adenocarcinoma e o linfoma constituem a maioria dos casos de câncer de estômago.

Síndrome de Zollinger-Ellison 

Um ou mais tumores que secretam hormônios que levam ao aumento da produção de ácido. A DRGE grave e a úlcera péptica resultam desse distúrbio raro.

Varizes gástricas

Em pessoas com doença hepática grave, as veias do estômago podem inchar e inchar sob pressão elevada. Chamadas de varizes, essas veias apresentam alto risco de sangramento, embora menos do que as varizes esofágicas.

Sangramento no estômago

Gastrite, úlceras ou câncer gástrico podem sangrar. Encontrar sangue ou material preto no vômito ou nas fezes geralmente significa uma emergência médica.

Gastroparesia (esvaziamento gástrico retardado)

Danos aos nervos causados ​​por diabetes ou outras condições podem prejudicar as contrações musculares do estômago. Náuseas e vômitos são os sintomas usuais.

O estômago pode ser a chave para combater a obesidade

É possível que uma proteína específica do estômago desempenhe um papel importante na progressão da obesidade, de acordo com uma nova pesquisa publicada na Scientific Reports. O estudo, coautorizado por um pesquisador da Escola de Medicina da Universidade de Indiana, nos EUA, poderia ajudar no desenvolvimento de terapias que ajudariam os indivíduos que lutam para alcançar e manter a perda de peso.

Os pesquisadores se concentraram na Gastrokine-1 (GKN1) – uma proteína produzida exclusivamente e abundantemente no estômago. Pesquisas anteriores sugeriram que o GKN1 é resistente à digestão, permitindo que ele passe para o intestino e interaja com os microrganismos presentes no intestino.

No estudo, os pesquisadores mostram que a inibição do GKN1 produziu diferenças significativas no peso e nos níveis de gordura corporal em comparação a quando a proteína foi expressa.

Esses resultados são um exemplo de como uma melhor compreensão da microbiota intestinal e dos aspectos fisiológicos da obesidade, que envolve como nossos corpos regulam o metabolismo e acumulam gordura corporal, pode ajudar a desenvolver novas terapias contra o excesso de peso.

Dicas para promover a saúde do estômago

  • Coma pequenas refeições.
  • Evite todas as bebidas carbonatadas.
  • Faça uma dieta rica em frutas e vegetais e reduza os alimentos gordurosos.
  • Parar de fumar.
  • Perca peso.
  • Após as refeições, dê um passeio ou fique de pé.
  • Evite lanches na hora de dormir.
  • Evite alimentos irritantes.
  • Beba pelo menos oito copos de água ou outro líquido sem cafeína por dia.
  • Use medicamentos bloqueadores de ácido, se necessário.
  • Abasteça-se de fibras para melhorar a qualidade e frequência de suas fezes. Coma pelo menos 25 a 30 gramas de fibra por dia.
  • Faça exercícios de 30 a 40 minutos, três a cinco vezes por semana, para ajudar na saúde gastrointestinal (GI) total. Caminhada, corrida, musculação e treino de resistência ajudam.
  • Coma probióticos para manter a flora intestinal saudável.
  • Vá ao banheiro quando tiver vontade. Não espere.

Estômago é um órgão, em formato de saco, que faz parte do sistema digestivo, entre o esôfago e o intestino delgado. Está localizado no tubo digestivo, abaixo do diafragma, entre o esôfago e o duodeno, na parte superior esquerda do abdômen.

O órgão serve como um receptáculo temporário para armazenamento e distribuição mecânica do alimento antes que ele seja passado para o intestino. Em animais cujos estômagos contêm glândulas digestivas, alguns dos processos químicos da digestão também ocorrem no estômago.

Existem quatro partes do estômago: cárdia, que comunica o órgão com o esôfago; fundo gástrico, parte superior à entrada do esôfago;  corpo, parte intermediária e principal; e piloro, na junção com o duodeno, que regula a passagem do bolo alimentar que segue para o intestino, evitando o refluxo.

O estômago tem três camadas de músculos: uma camada longitudinal externa, uma camada circular média e uma camada oblíqua interna. O revestimento interno consiste em quatro camadas: a serosa, a muscular, a submucosa e a mucosa. A mucosa é densamente preenchida com glândulas gástricas, que contêm células que produzem enzimas digestivas, ácido clorídrico e muco.

O estômago tem a capacidade de se expandir ou contrair, dependendo da quantidade de alimento contido nele. Quando contraídas, as paredes do estômago formam numerosas dobras (rugas), que desaparecem quando as paredes são distendidas. O espesso revestimento da membrana mucosa das paredes é densamente preenchido com pequenas glândulas gástricas; estes secretam uma mistura de enzimas e ácido clorídrico que digerem parcialmente proteínas e gorduras.

O órgão é revestido  pela mucosa gástrica, uma camada de tecido pregueado. Em seu interior se encontram as glândulas responsáveis pela produção de suco gástrico. Quando o alimento é engolido, passa pelo esôfago e chega ao estômago, onde esse suco envolve os alimentos em digestão e, através dos movimentos peristálsticos, transforma o bolo alimentar em quimo, iniciando a digestão de proteínas.

Além disso, o estômago conta com duas válvulas, também chamadas de esfíncteres, que mantêm o conteúdo do órgão dentro dele. O esfincter esofágico se situa na parte superior do estômago e o esfincter pilórico, na inferior, separando-o do intestino delgado.

Condições de saúde que podem afetar o estômago

Refluxo gastroesofágico

O conteúdo do estômago, incluindo o ácido, pode viajar de volta para o esôfago. Pode não haver sintomas ou o refluxo pode causar azia ou tosse.

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Quando os sintomas de refluxo se tornam incômodos ou ocorrem com frequência, eles são chamados de DRGE. Raramente, a DRGE pode causar problemas graves no esôfago.

Dispepsia

Nome técnico para dor de estômago ou indigestão. A dispepsia pode ser causada por quase todas as doenças benignas ou graves que afetam o estômago.

Úlcera gástrica (úlcera estomacal)

Uma erosão no revestimento do estômago, que frequentemente causa dor e/ou sangramento. As úlceras gástricas são mais frequentemente causadas por medicamentos anti-inflamatórios (AINEs) ou infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

Úlcera péptica

Profissionais da área médica consideram as úlceras no estômago ou no duodeno (a primeira parte do intestino delgado) como úlcera péptica.

Gastrite

Inflamação do estômago, muitas vezes causando náuseas e/ou dor. A gastrite pode ser causada por álcool, certos medicamentos, infecção por H. pylori ou outros fatores.

Câncer de estômago

O câncer gástrico é uma forma incomum de câncer. O adenocarcinoma e o linfoma constituem a maioria dos casos de câncer de estômago.

Síndrome de Zollinger-Ellison 

Um ou mais tumores que secretam hormônios que levam ao aumento da produção de ácido. A DRGE grave e a úlcera péptica resultam desse distúrbio raro.

Varizes gástricas

Em pessoas com doença hepática grave, as veias do estômago podem inchar e inchar sob pressão elevada. Chamadas de varizes, essas veias apresentam alto risco de sangramento, embora menos do que as varizes esofágicas.

Sangramento no estômago

Gastrite, úlceras ou câncer gástrico podem sangrar. Encontrar sangue ou material preto no vômito ou nas fezes geralmente significa uma emergência médica.

Gastroparesia (esvaziamento gástrico retardado)

Danos aos nervos causados ​​por diabetes ou outras condições podem prejudicar as contrações musculares do estômago. Náuseas e vômitos são os sintomas usuais.

O estômago pode ser a chave para combater a obesidade

É possível que uma proteína específica do estômago desempenhe um papel importante na progressão da obesidade, de acordo com uma nova pesquisa publicada na Scientific Reports. O estudo, coautorizado por um pesquisador da Escola de Medicina da Universidade de Indiana, nos EUA, poderia ajudar no desenvolvimento de terapias que ajudariam os indivíduos que lutam para alcançar e manter a perda de peso.

Os pesquisadores se concentraram na Gastrokine-1 (GKN1) – uma proteína produzida exclusivamente e abundantemente no estômago. Pesquisas anteriores sugeriram que o GKN1 é resistente à digestão, permitindo que ele passe para o intestino e interaja com os micróbios no intestino.

No estudo, os pesquisadores mostram que a inibição do GKN1 produziu diferenças significativas no peso e nos níveis de gordura corporal em comparação a quando a proteína foi expressa.

Esses resultados são um exemplo de como uma melhor compreensão do microbioma intestinal e dos aspectos fisiológicos da obesidade, que envolve como nossos corpos regulam o metabolismo e acumulam gordura corporal, pode ajudar a desenvolver novas terapias contra o excesso de peso.

Dicas para promover a saúde do estômago

  • Coma pequenas refeições.
  • Evite todas as bebidas carbonatadas.
  • Faça uma dieta rica em frutas e vegetais e reduza os alimentos gordurosos.
  • Parar de fumar.
  • Perder peso.
  • Após as refeições, dê um passeio ou fique de pé.
  • Evite lanches na hora de dormir.
  • Evite alimentos irritantes.
  • Beba pelo menos oito copos de água ou outro líquido sem cafeína por dia.
  • Use medicamentos bloqueadores de ácido, se necessário.
  • Abasteça-se de fibras para aumentar suas fezes. Coma pelo menos 25 a 30 gramas de fibra por dia.
  • Faça exercícios de 30 a 40 minutos, três a cinco vezes por semana, para ajudar na saúde gastrointestinal (GI) total. Caminhada, corrida, musculação / treinamento de resistência ajudam.
  • Coma probióticos para manter o microbioma saudável se você tiver problemas gastrointestinais.
  • Vá ao banheiro quando tiver vontade. Não espere.