Hambúrguer feito com células-tronco dá esperanças na luta pelo fim dos maus tratos a animais

eCycle

O projeto da carne bovina de laboratório teve patrocínio de Sergey Brin, co-fundador do Google

Um hambúrguer criado em laboratório, com células-tronco de ombro de vaca, formando cerca de 20 mil filamentos de proteína, foi desenvolvido por cientistas na Universidade de Maastrich, na Bélgica, e apresentado ao público em agosto de 2013. Foram necessários cinco anos de trabalho e financiamento na ordem de US$ 330 mil de Sergey Brin, co-fundador do Google. Brin diz que patrocinou o projeto porque se preocupa com direitos dos animais e para auxiliar na criação de alternativas que possuam um impacto ambiental menor em comparação com práticas de criação de gado.

Estudos indicam que a pecuária é responsável por uma fração entre 18% e 51% da emissão dos gases estufa. O valor varia em função da fonte consultada. Isso envolve os gastos de água, transporte, energia, entre outros fatores (veja mais aqui).

O desenvolvimento dessa carne de laboratório vem atender a algumas preocupações de contaminação nos animais criados para corte, como a possível ingestão de antibióticos ministrados a eles ou a aplicação de hormônios de crescimento injetados nos bichos.

O tratamento ético dos animais criados para abate também é um componente central nas discussões contemporâneas sobre a alimentação humana. Somadas, essas e outras questões dizem respeito a origem da carne que estamos comendo, a uma exigência de confiança na qualidade do alimento que estamos consumindo e ao cuidado com os seres vivos.

Padrões de excelência

Depois de décadas de negligência no trato com os animais nos Estados Unidos, parte do setor pecuário incorporou práticas de manuseio ético e abate humanitário na produção de carne. Tanto que uma das principais defensoras do bem-estar animal, a doutora Mary Temple Grandin, disse que o tratamento ético dos bichos já não era a sua preocupação principal. Mas ela alertou que a supervisão deve continuar firme para que os padrões de comportamento continuem a ser implementados corretamente. Nos EUA, existem vários certificados que informam se os abatedouros estão seguindo rigorosamente as recomendações do abate humanitário e da criação ética dos animais.

A fiscalização é um dos principais empecilhos para que o Brasil também siga à risca o compromisso com o bem-estar animal.

Dieta vegetariana

É possível dizer que o desenvolvimento do hambúrguer de células-tronco é fruto de uma pressão em longo prazo de movimentos pelos direitos dos animais e a favor de dietas vegetarianas, que, além de evitarem o sofrimento dos bichos e fazerem bem para a saúde, têm menor impacto ambiental. Se você quer dar os primeiros passos para ser vegetariano, clique aqui ou aqui.

Veja também:
-Empresa lança “carne falsa” de frango que promete ser mais nutritiva e saborosa que a original
-Para evitar a contaminação pela tábua de corte, escolha bem seu modelo e higienize sempre
-Holandês se transforma em “açougueiro vegetariano”


 

Comentários  

 
+1 #1 2013-11-13 12:00
Não acredito que o desenvolvimento em laboratório de carne bovina seja saída, quanto menos esperança para qualquer coisa. Esse tipo de proposta não incentiva, em âmbito algum, o debate sobre os (péssimos) hábitos alimentares em nossa sociedade atual, ao contrário, apenas impulsionaria o consumo. Os maus tratos a animais não são a única coisa envolvida na produção de carne atualmente, mas sim todo impacto da cadeia produtiva, e isso sim precisa ser debatido e repensado. Que tal colocarmos a esperança na melhoria da educação para o consumo, na conscientização de uma alimentação menos destrutiva e menos desigual?
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail