Partículas poluentes podem causar autismo

Qualidade do ar e autismo estão diretamente ligados

Os efeitos mais conhecidos da poluição do ar são os danos aos pulmões e ao trato respiratório. Mas, depois de uma pesquisa realizada pela University of Southern California em parceria com o Children’s Hospital Los Angeles, nos Estados Unidos, foi revelado que a extensão dos problemas é ainda maior e pode levar uma criança a adquirir autismo.

Batizado de "Trafic Related Air Polution, Particular Matter and Autism" (veja mais aqui - em inglês), o projeto queria estabelecer relações entre o autismo e a qualidade do ar. Para isso, foram formados dois grupos: um composto por 279 crianças autistas e outro com 245 crianças que não são autistas, para servir como grupo de controle. Em seguida, foram comparados o endereço das mães das crianças, sua proximidade de ruas movimentadas e de engarrafamentos e parâmetros do Enviromental Protection Agency (EPA) sobre qualidade do ar.

Os resultados foram impressionantes. A exposição a poluentes durante a gravidez e o primeiro ano de vida dobram a chance de uma criança desenvolver autismo. Além disso, a exposição ao dióxido de nitrogênio (NO2) e a pequenas partículas presentes nas nuvens de fumaça estão diretamente relacionadas ao autismo, mesmo que mãe e filho não vivam perto de área com baixa qualidade do ar.

O próximo passo dos pesquisadores é descobrir como os genes do autismo são afetados por fatores ambientais e, consequentemente, identificar fatores que façam com que as pessoas fiquem mais vulneráveis à poluição do ar.


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail