Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Em visita ao Brasil, o chefe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente apresentou a campanha Passaporte Verde

Imagem: UNIC Rio / Pedro Andrade

Em passagem pelo Rio de Janeiro, em 30 de abril, o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, visitou a Floresta da Tijuca para apresentar a campanha Passaporte Verde – uma parceria da agência da ONU e dos Ministérios do Meio Ambiente, Esporte e Turismo para promover o turismo sustentável.

A iniciativa é parte de uma campanha global do Pnuma que oferece sugestões de roteiros, serviços e produtos turísticos sustentáveis.

O objetivo é reduzir o impacto dos viajantes sobre os biomas e comunidades que visitam, com informações sobre opções de transporte público, sobre restaurantes que valorizam alimentos e a culinária locais e sobre estabelecimentos comprometidos em reduzir o consumo de energia e água, o desperdício e a degradação ambiental.

Em 2016, o projeto brasileiro – lançado em 2008 – recebe também o apoio do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A expectativa é de que, ao longo das competições, o projeto conscientize os visitantes sobre as consequências de suas atividades para o meio ambiente.

“Temos que perceber que mais de um bilhão de pessoas viajam cruzando fronteiras nacionais como turistas todos os anos. Então, se quisermos reduzir a pegada de carbono do turismo, não devemos fingir que as pessoas não vão viajar, não visitarão outros países”, explicou Steiner.

“Nossa tarefa é trabalhar junto à indústria aeronáutica, o setor de transporte e hoteleiro, mas também com o setor de eventos, como nós estamos fazendo aqui no Rio para os Jogos Olímpicos.”

Segundo Steiner, o Passaporte Verde leva informações fundamentais aos turistas que, frequentemente, querem adotar comportamentos sustentáveis, mas não sabem como por não conhecerem o lugar para onde viajam. “É uma oportunidade para cada um fazer a diferença com as decisões (sobre) onde vai comer, os transportes que utilizam, os hotéis que utilizam.”

Utilizando apenas um aplicativo de celular, qualquer pessoa pode fazer escolhas mais sustentáveis sobre seus padrões de vida, destacou a chefe da pasta.

“Entre 800 mil e 1 milhão de turistas virão ao Brasil durante os Jogos Olímpicos. São 20 mil atletas, 25 mil jornalistas, são pessoas do mundo inteiro que vêm ver os seus países”, disse o CEO do Comitê Organizador dos Jogos, Sidney Levy.

“A gente espera que muita gente que venha ao Rio vá usar o Passaporte Verde, mas o mais importante é que a iniciativa fique na agenda do Rio de Janeiro para os turistas depois das Olimpíadas.”

Durante o evento, representantes do Pnuma, do Ministério do Meio Ambiente e também das pastas do Esporte e Turismo assinaram uma carta de intenções, em que se comprometem a incentivar o consumo responsável e a estimular práticas de sustentabilidade no setor de turismo. Programas de educação ambiental durante o revezamento da Tocha Olímpica e ao longo dos Jogos também estão previstos pelo acordo.

A representante do Programa da ONU no Brasil, Denise Hamú, destacou que o documento formaliza uma parceria que existe desde a Copa do Mundo de 2014, quando a campanha Passaporte Verde foi ampliada para atender aos turistas que vieram assistir às competições de futebol.

Conheça o Passaporte Verde aqui.

Segundo Hamú, a cooperação entre as Nações Unidas e as pastas do governo federal é fundamental para conscientizar não apenas os visitantes, mas também o setor de turismo, que deve se qualificar para tornar suas cadeias produtivas mais sustentáveis.

Fonte: ONUBr

Veja também:
Viagem sustentável. Conheça destinos mais éticos para o turismo
Agricultura orgânica e turismo podem reduzir pobreza na Tanzânia, segundo relatório