Ficar muito tempo em pé pode ser pior para a saúde do que se manter sentado o dia inteiro, diz estudo

eCycle

Trabalhar em uma mesa sem cadeiras pode não ser muito útil para melhorar a saúde

Mesa para trabalhar em pé

É alta a chance de você já ter se deparado com alguma notícia falando que ficar o dia inteiro sentado faz muito mal à saúde. Trabalhadores de escritório se preocuparam, com razão, e foram desenvolvidas algumas mesas que tornam possível o trabalho em pé. Mas, segundo pesquisa recente, permanecer muitas horas em pé pode ser pior do que passar o dia inteiro sentado.

O estudo, publicado em uma edição recente da American Journal of Epidemiology, acompanhou 7.320 participantes - divididos igualmente entre homens e mulheres - por 12 anos, comparando dados sobre seus tipos de trabalho e históricos médicos. Os trabalhos dos participantes foram agrupados por categoria: aqueles que envolviam principalmente ficar sentado; os que consistiam principalmente em ficar de pé; os que combinavam caminhar com ficar de pé e sentado; e trabalhos que mesclam outras posições do corpo (agachamentos ou outros tipos de flexão).

Ao final dos 12 anos de acompanhamento dos participantes, os pesquisadores descobriram que 3,4% dos participantes (4,6% dos homens e 2,1% das mulheres) desenvolveram doença cardíaca. A probabilidade de desenvolvimento desse tipo de doença foi duplicada para aqueles que ficaram o dia todo de pé em seus trabalhos quando comparada com aqueles que trabalharam sentados ou cujo trabalho envolveu combinação de posições. Mesmo quando os pesquisadores levaram em consideração fatores como o índice de massa corporal, atividade física diária e outros requisitos físicos do trabalho, os resultados permaneceram os mesmos.

Surpresa?

Ficar sentado o dia inteiro faz mal por várias razões - a inatividade metabólica é uma delas (veja mais em "A síndrome metabólica e a 'doença de ficar sentado'") - e o novo estudo não anula os malefícios comprovados de ficar sentado por horas a fio. A questão é que passar muito tempo de pé também não ajuda, pois faz com que o sangue se junte nas pernas, dificultando o bombeamento do mesmo pelo coração.

O estudo também fez uma interessante análise sobre os participantes cujos trabalhos envolviam a mescla das posições de pé e sentado ou uma mistura de outras posições corporais. No geral, os participantes desses trabalhos não apresentaram maior probabilidade de desenvolvimento de doenças cardíacas do que aqueles que ficaram sentados o dia todo. Mas quando separados por gênero, homens em empregos combinados reduziram o risco de doença cardíaca em 39% em comparação com aqueles em trabalhos sentados; mulheres em empregos combinados eram 80% mais propensas a desenvolverem doença cardíaca do que aquelas cujos empregos envolviam mais tempo de assento.

A pesquisa não extraiu nenhuma conclusão sobre os motivos dessas diferenças de gênero existirem. Mas os autores do estudo especularam que os tipos de empregos com posições alternadas mais comuns na rotina de homens e mulheres podem a ver com isso. Para os homens, esses trabalhos costumavam ser ocupações, tais como motoristas de empresas de correios ou gerentes de lojas de varejo. Para as mulheres, as participantes cujos empregos envolviam uma combinação de posições de pé, de assento e outras eram enfermeiras, professoras e caixas de lojas - empregos que podem envolver alto nível de exigências físicas e psicológicas.

Qual é a solução?

Se você é um trabalhador de escritório que fica o dia inteiro sentado, você não deve comprar uma mesa para trabalhar em pé. Se há uma coisa que este estudo mostra é que permanecer muito tempo em qualquer posição - sentado ou em pé - por muito tempo é péssimo para a sua saúde. A chave é alternar entre essas posições e incorporar alguns movimentos de alívio de estresse ao longo da jornada de trabalho, como caminhar ou alongar o corpo ao longo do dia.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail