Moda nada legal: a crueldade com borboletas em festas de casamento

eCycle

Uma revoada de borboletas em uma festa de casamento pode ser bonita, mas esconde confinamento e maus tratos

Imagem: Bill McKee/Flickr

A transformação da "feia" (na visão de alguns) lagarta em um ser com asas coloridas e graciosas faz das borboletas insetos muito admirados e, infelizmente, maltratados. Antigamente, caçar borboletas era uma brincadeira "sadia" entre as crianças. Mas a coisa ficou ainda pior...

Há pessoas que usam borboletas vivas em festas de casamento. O assunto veio à tona devido a uma postagem da jornalista Claudia Matarazzo, especialista em etiqueta e comportamento. Ela descreveu um encontro entre 200 cerimonialistas de casamento e 30 noivas em São Luiz, no Maranhão, para debater as últimas modas. Lá, pediram-lhe opinião sobre a prática de soltar borboletas vivas em momentos chave da cerimônia. Ela escreve: "Ora, já ouvi falar dessa coisa bem brega (e ecologicamente criminosa) mas achava que fora um caso isolado de uma noiva muito sem noção. Engano meu: a moda continua – e com requintes de crueldade"!

Péssimas condições de transporte e congelamento

No Brasil, as borboletas saem da Bahia, onde há criadouros, para qualquer estado em que a festa ocorra. Os pacotes variam entre uma caixa com borboletas, a ser aberta pelos noivos, ou as individuais, uma por convidado. Para realizar o transporte dos animais, é usado um método que consiste em esfriar a caixa em que os animais ficam confinados. O resfriamento varia de colocar a caixa em um saco com pedras de gelo ou num veículo com ar condicionado. Assim, as borboletas ficam paradas até  hora de serem soltas no evento. Porém, antes da festa, é comum a verificar quantas borboletas chegaram vivas para serem soltas na cerimônia. Como só dá para saber abrindo a caixa (e para evitar que as borboletas voem por ai antes da hora), o procedimento é, literalmente, colocar os animais na geladeira. O que estimula que peguem no sono num processo natural chamado diapausa, ou seja, um estado de “letargia” por conta da baixa temperatura.

Minutos antes do momento de soltá-las para dar brilho à cerimônia, sacode-se a caixa para animá-las.

Não é difícil achar vídeos de casamento com soltura de borboletas. Claro que os detalhes nada simpáticos para promover o show não são divulgados. Em 2012, o borboletário Encanto, localizado em Salvador, já havia sido denunciado como fornecedor do serviço para o país inteiro.

A tal empresa era um criadouro legalizado, mas não tinha autorização para a comercialização nem para a soltura dos animais. De acordo com o Ibama, o borboletário Encanto está com a licença vencida no Sistema Nacional de Gestão da Fauna Silvestre (SisFauna) e responderá pelo crime de introduzir ilegalmente espécimes animais em um bioma impróprio, “sem licença expedida pela autoridade competente”. É o que determina o artigo 31 da Lei de Crimes Ambientais (9.605/1998).

A empresa também poderá ser responsabilizada por utilizar espécie da fauna silvestre (ou espécies) sem devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida. A punição é um ano e meio de detenção mais multa.

Fontes: O Eco e Claudia Matarazzo

Veja também:
-Growable Growns: o vestido de noiva biodegradável
-Arruinando casamentos: café já foi motivo de discórdia entre casais na Inglaterra do século XVII


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail