Pesquisa realizada na USP “comprova” teoria econômica de consumo

eCycle

Estudo comportamental foi realizado ratos

Rato

Quanto mais dinheiro as pessoas têm, mais elas vão consumir? Não necessariamente, de acordo com a Teoria Marginal do Consumo, que estuda a propensão a gastar a partir do aumento da renda de um indivíduo.

Um estudo realizado pela pesquisadora Ana Carolina Franceschini dá suporte a essa teoria. Nele, foi verificado o comportamento de ratos frente ao conceito de renda e oferta de água.

Comportamento

O primeiro passo foi ensinar aos roedores o conceito de renda. Para isso, foi utilizada a Caixa de Skinner, onde um painel com 14 lâmpadas LED indicava quando o esforço do animal ao apertar uma alavanca resultava em recompensa. Ao acionar o mecanismo dez vezes com uma das lâmpadas acesas, o rato recebia água.

O roedor aprendeu então que a luz é o fator que determina o recebimento de água.

Em seguida, foram oferecidas quantidades diferentes de água. Em um primeiro momento, cada luz representava sete gotas de água. Ao pressionar a alavanca 10 vezes o roedor recebia uma gota e, ao realizar o mesmo processo sete vezes, deixava de receber água até o dia seguinte.

Em outro momento os animais passaram a receber água livremente. Dessa vez, as luzes representavam gotas de água com açúcar.

Finalmente, os dados foram colhidos e, ao analisar o comportamento dos ratos frente a essa “variação de renda”, os resultados foram de encontro com os pontos que estabelecem a Teoria Marginal do Consumo.

Resultados

Em um primeiro momento, o consumo de água por parte dos animais aumentou de acordo com sua renda, nesse estudo representado pelas luzes das lâmpadas LED. Mas em um segundo momento, o consumo se regularizou.

De acordo com Franceschini, isso é explicado pelo fato de o esforço gasto para conseguir mais água não era mais necessário, uma vez que o animal já estava saciado.

O estudo foi realizado com ratos por ser praticamente impossível controlar a renda disponível de um grupo de pessoas, tanto a curto, quanto em longo prazo. Outro fator foi o comportamento dos ratos, que, em determinadas situações são semelhantes aos dos seres humanos.

No entanto, a pesquisa comportamental é extremamente preliminar e não considera todas as especificidades das relações sociais e da reprodução de mercadorias no modelo social vigente. De qualquer forma, ele pode sugerir possibilidades de análises a serem verificadas nos comportamentos humanos.


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail