Nível do mar pode subir mais de um metro até 2100, aponta IPCC

eCycle

Relatório IPCC alerta para multiplicação de fenômenos extremos vinculados ao aquecimento dos oceanos

Degelo no Ártico
Degelo no Ártico. Imagem: Greenpeace/Divulgação

O Relatório Especial sobre Mudanças Climáticas, Oceanos e Criosfera, divulgado nesta quarta-feira (25) pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), aponta que os oceanos estão mais quentes, mais ácidos e menos produtivos e o nível do mar está aumentando 3,6 milímetros por ano – o dobro do que no último século. Com isso, é possível que o nível do mar aumente acima de um metro até 2100 se as emissões de gás carbono continuarem a subir.

Em consequência, ocorrerão eventos extremos durante o aumento de marés e tempestades fortes. “Há indicadores de que, com qualquer grau de aquecimento global, eventos que ocorriam uma vez a cada século no passado ocorram a cada ano em diversas regiões, aumentando o risco para muitas cidades costeiras abaixo do nível do mar e regiões insulares”, alerta o relatório. Sem investimentos, estas áreas podem ser expostas a progressivos riscos de enchentes e algumas regiões insulares podem se tornar inabitáveis.

O documento aponta ainda que glaciares, neve, gelo e o gelo permanente do subsolo (também chamado de permafrost) estão diminuindo e continuarão a diminuir. Na Europa, leste da África, Andes tropicais e Indonésia, pequenas geleiras perderão mais de 80% de sua massa até 2100, nos piores cenários de emissão. Isto aumentará o risco para as pessoas, com deslizamentos de terra, avalanches, desabamentos de pedras e enchentes. “Mudanças no fornecimento de água não afetarão apenas as pessoas das regiões de montanhas mas também comunidades distantes”, afirmou Panmao Zhai, vice-presidente de um dos grupos de trabalho do IPCC.

O relatório reforça que uma parte do gelo do Ártico diminui todo mês e está ficando muito mais fino. Se o aquecimento global continuar nos níveis atuais, o Oceano Ártico pode ficar sem gelo algum apenas daqui a 100 anos, mas se o aumento de temperatura chegar a 2 ºC, esse degelo pode ocorrer em dois ou três anos.

“Moradores da região, especialmente populações indígenas, já tiveram que mudar viagens e atividades de caça à sazonalidade e segurança das condições da terra, do gelo e da neve, e algumas comunidades costeiras já planejaram se mudar”, afirma o Relatório.

O IPCC sugere que o gelo permanente do subsolo está aquecendo e o degelo é projetado para ocorrer no Século 21. Mesmo se o aquecimento global for limitado a ficar abaixo de 2 ºC, cerca de um quarto desta camada irá diminuir entre 3 e 4 metros de profundidade até 2100. Se as emissões de gás carbono continuarem a aumentar, há potencial de que 70% do gelo permanente do subsolo se perca.

O estudo aponta a urgência de priorizar rapidamente uma ação ambiciosa e coordenada para enfrentar as mudanças sem precedentes que estão ocorrendo nos oceanos e na criosfera. O documento lembra ainda os benefícios de adaptação efetiva e ambiciosa para o desenvolvimento sustentável e, por outro lado, os custos e riscos na demora em agir.

Os oceanos e a criosfera – partes congeladas do planeta – têm importante papel na vida terrestre. Um total de 670 milhões de pessoas que moram nas regiões montanhosas e outras 680 milhões que vivem em áreas costeiras dependem diretamente destes sistemas. Quatro milhões de pessoas vivem permanentemente no Ártico e países insulares são moradia para 65 milhões de pessoas.

“O mar aberto, o Ártico, a Antártica e as montanhas podem parecer distantes para muitas pessoas. Mas dependemos deles e somos influenciados por eles de diversas maneiras – para tempo e clima, comida e água, energia, comércio, transporte, recreação e turismo, saúde e bem-estar, cultura e identidade”, afirmou Hoesung Lee, presidente do IPCC. “Se reduzirmos as emissões drasticamente, as consequências para as pessoas e sua sobrevivência ainda serão desafiadoras, mas potencialmente mais controláveis para os mais vulneráveis”, acrescentou.

Relatório – Mais de 100 autores de 36 países analisaram a mais recente literatura científica relacionada aos oceanos e criosfera, referenciando cerca de 7.000 publicações científicas. O relatório é uma peça chave para os líderes mundiais que se reúnem em negociações sobre o clima e o meio ambiente, como a Convenção Quadro sobre Mudança Climática da ONU (COP25) que ocorre em dezembro, no Chile.

O IPCC é o órgão das Nações Unidas que analisa dados relativos às mudanças climáticas. Foi estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) e a Organização Meteorológica Mundial em 1988 para fornecer aos tomadores de decisões análises científicas regulares relativas às mudanças do clima, suas implicações e potenciais de risco futuro e inclui 195 Países-membros.

  • Acesse aqui o Sumário do Relatório.
  • A íntegra da coletiva de imprensa está disponível em vídeo aqui.
  • A lista de autores está aqui.

Fonte: ONU Brasil

Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail