Técnicas de neutralização de carbono: captura e armazenamento de carbono (CCS)

eCycle

A neutralização de carbono pela técnica de CCS é uma opção eficiente para grandes fontes de emissão, como indústrias, e pode ir além, atingindo um sistema carbono-negativo

Captura e armazenagem de carbono

Nosso modo de vida atual ainda é muito dependente de combustíveis fósseis (gás natural, petróleo e carvão mineral), e esses são os grandes vilões do aquecimento global. A combustão dessas fontes tradicionais emite grandes quantidades de gases de efeito estufa na atmosfera e é alvo de preocupação de governos e especialistas que tentam desenvolver mecanismos para minimizar os impactos no meio ambiente, principlamente através da neutralização de carbono.

Segundo relatório do International Energy Agency (IEA), a solução de geoengenharia de captura e armazenamento de carbono - CCS (sigla em inglês para carbon capture and storage) é a única tecnologia que pode trazer reduções significativas das emissões provenientes de combustíveis fósseis. Sem essa técnica, os objetivos de longo prazo para frear o problema do aquecimento global talvez não sejam alcançados.

Além de reduzir emissões de geração de energia, a tecnologia também pode ser aplicada em grandes fontes poluidoras, como indústrias de aço e ferro, cimento, refinarias, entre outros. O CCS tem capacidade de reduzir 13% a concentração de CO2 na atmosfera necessária para limitar o aquecimento global em 2°C previsto para 2050. As energias renováveis irão contribuir para a redução de 30% de CO2 atmosférico.

O que é a técnica de captura e armazenamento de carbono (CCS)?

Essa tecnologia consiste, basicamente, em três partes: captura, transporte e armazenamento. O sistema pode retirar CO2 diretamente do ar ou até antes da fumaça entrar em contato com o ar, ou seja, antes da emissão sair da chaminé de uma indústria, por exemplo. É necessário primeiro separar o CO2 dos outros gases produzidos e convertê-lo do estado gasoso para forma líquida por processos físico-químicos. Assim, ele pode ser transportado através de tubulações e armazenado em reservatórios geológicos, ou seja, em compartimentos subterrâneos (saiba mais aqui). As reservas geológicas têm uma capacidade enorme de armazenamento de carbono, na ordem de vários milhares de gigatoneladas - volume maior que a capacidade do oceano. Em 2015 já havia a implementação de 15 projetos em larga escala de CCS em diferentes países, capturando mais de 27 megatoneladas (Mt) de CO2 por ano. 

Uso de biomassa

Outra importante técnica que pode realizar a neutralização de carbono é o uso da biomassa combinada com o CCS, chamada de Bio-CCS (biooenergy with carbon dioxide capture and storage). A biomassa utilizada para biocombustíveis é proveniente de plantas, ou seja, durante seu crescimento já há a captura de CO2, mas este é novamente lançado na atmosfera quando convertido em energia, mesmo que em quantidades menores que os combustíveis fósseis. Entretanto, se este CO2 for capturado e transportado para um local de estoque permanente, como o subsolo, isso irá resultar em uma remoção negativa de CO2, ou seja, será capturada uma quantidade maior do que emitido. As barreiras encontradas para essa técnica são a disponibilidade de terra para a plantação da biomassa, um cultivo sustentável e a capacidade de armazenamento.

Na Islândia, pesquisadores conseguiram pela primeira vez injetar CO2 nas reservas geológicas de basalto vulcânico e convertê-lo em sólido. O processo de converter CO2 em sólido, na teoria, levaria de centenas a milhares de anos, mas ao testar a técnica na prática os pesquisadores tiveram uma surpresa. Pelo método de carbonatação mineral, 95% do CO2 injetado se converteu em sólido em cerca de um ano e meio. Isso prova que essa técnica pode se tornar comercialmente viável, sem contar a diminuição dos riscos ambientais, pois o CO2 estaria armazenado permanentemente sem o perigo de vazar.

As técnicas de captura e armazenamento de carbono se mostram promissoras, pois possuem grande potencial de contribuição para reduzir o aquecimento global, além de proporcionarem benefícios econômicos. O CSS é predominante em cenários para compensar emissões residuais onde a mitigação é mais cara. É claro que, como toda tecnologia, o CCS possui vantagens e desvantagens que precisam ser levadas em conta na hora de escolher investir em projetos de neutralização de carbono. O CCS já é uma realidade, é uma opção que pode nos levar a uma produção de carbono-negativo, estabilizando o ciclo natural do carbono com o tempo.

Alguns dos desafios para o futuro são sua aceitação pelas populações e aprimoramento da pesquisa e desenvolvimento da técnica.

Veja o vídeo (em inglês) do projeto de captura e armazenamento de carbono da Shell.


Fontes: IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change), IEA (International Energy Agency)

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail