Pesquisa apresenta perfil do profissional de sustentabilidade no Brasil

eCycle

Profissionais de sustentabilidade são em sua maioria jovens e focados em realização pessoal e admiração pelo tema

perfil sustentável

Uma pesquisa realizada pela Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável) mapeou o perfil dos profissionais de sustentabilidade que atuam no Brasil. Existe uma alta diversidade na formação dos profissionais, com predominância de áreas mais técnicas. Eles são em sua maioria profissionais jovens e que atuam no campo há menos de 15 anos. Um dado interessante diz respeito à motivação de carreira, que é mais filosófica e idealista, com valorização do senso de realização pessoal e admiração pelo tema.

Criada em 2010, a Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável) concluiu sua mais recente sondagem sobre o perfil dos profissionais que atuam na área, abrangendo quatro setores: Empresas, Governo, Academia e Terceiro Setor. Realizado a cada dois anos, em 2013 o estudo mapeou cargos e remuneração; em 2015 incluiu as estruturas organizacionais, papéis e responsabilidades dos profissionais; agora em 2017 ampliou a pesquisa para órgãos públicos e o meio acadêmico.

A sondagem, que teve 244 respondentes vinculados à Abraps e sua ampla rede de relacionamento, trouxe algumas visões interessantes sobre o grau de maturidade do tema dentro das organizações, os desafios para avançar a agenda de sustentabilidade - especialmente diante de um cenário de crise econômica e mudanças regulatórias -, e a dificuldade de traçar limites claros sobre o que seria um "profissional de sustentabilidade".

Perfil dos Respondentes:

  • Idade média: 40 anos
  • 61% mulheres
  • 67,2% com alto grau de especialização (Mestrado/PhD/Pós-graduação)
  • 49,6% do setor privado, sendo 53% de empresas de pequeno porte com até 50 funcionários e 31% acima de 3.000 funcionários

Formação e motivações dos profissionais

Confirmando o caráter multidisciplinar da sustentabilidade, percebe-se um alto grau de diversidade na formação dos profissionais, com predominância das áreas mais técnicas (38%). Há uma concentração em Gestão Ambiental (14%), Engenharia (13%), Administração (12%) e Ciências Biológicas (11%).

Trata-se também de uma profissão "jovem", pois a maioria das pessoas atua nesse campo há menos de 15 anos (67%), embora haja profissionais maduros, com mais de 15 anos de vivência (17%). É interessante notar que a motivação de carreira é mais filosófica e idealista, baseada em fatores como o senso de realização pessoal (38%) e a admiração pelo tema (30%), e menos financeira.

A faixa salarial predominante (47%) entre todos os setores pesquisados é de nível médio - de R$ 3 mil a 9 mil/mês. Curiosamente, em oposição ao mercado de trabalho como um todo, as mulheres têm remuneração superior aos homens, dado que merece melhor investigação.

Dentre as atribuições-chave desse profissional estariam educar e conscientizar o público interno, reduzir os impactos negativos da operação, prestar contas ao público externo por meio de relatórios (principalmente para acionistas), estimular a participação institucional em fóruns dedicados a avançar a agenda da sustentabilidade no mercado e na sociedade e, com o maior número de respostas (43%), estabelecer metas e criar indicadores de desempenho específicos.

A sustentabilidade nas organizações

A primeira descoberta é alentadora: há um aumento de profissionais voltados ao tema nas pequenas e médias empresas, demonstrando a viabilidade de implantar ações sustentáveis em qualquer porte de negócio.

O grau de maturidade da sustentabilidade nas organizações, vistos todos os setores conjuntamente, está em desenvolvimento (44%), ou seja, estruturado e integrado às demais áreas; se somarmos as empresas maduras (27%), que tem a sustentabilidade como ação sistêmica e vetor estratégico, com as líderes (11%), que são benchmarks no mercado, o retrato é positivo, considerando-se que a profissão é relativamente jovem. Entretanto, a adesão tem ocorrido mais por força de leis e demandas de mercado, como a exigência de certificações e relatórios.

Naquelas que possuem uma área dedicada à sustentabilidade, o setor privado costuma alocá-la principalmente sob o RH (15%), Marketing (13%), Relações Institucionais (11%) e Comunicação (9%), que assim concentram 48% da sua gestão. Nas que não têm uma área específica, o RH e o Institucional costumam gerir o tema.

A estrutura das empresas em números:

  • 27% - possuem um Conselho de Administração, responsável pela estratégia geral de sustentabilidade
  • 31% - existe uma área de sustentabilidade subordinada ao presidente
  • 20% - não existe um Comitê de sustentabilidade ligado ao Conselho
  • 16% - não existe uma Comissão Interna de sustentabilidade ligada à diretoria executiva

O meio acadêmico é o que mais possui um setor específico (70%), e o Governo o que menos o tem (31%), entretanto isso pode ser fruto do tema estar "dissolvido" em diferentes áreas e transversal na organização.

O avanço da agenda diante do cenário econômico

Existe uma percepção difusa sobre se houve aumento ou diminuição dos investimentos na área, mas a maioria dos pesquisados (70%) concorda que o tema é de alta relevância para sua organização, índice que cresceu desde a sondagem anterior. A quantidade de entrevistados que sente uma diminuição nos investimentos em relação ao estudo de 2015 cresceu, e 47% dos respondentes consideram esse o principal entrave para a execução dos projetos na área. A falta de comprometimento da alta administração (17%), falta de liderança (11%) e carência de conhecimentos técnicos (11%) indicam a necessidade de inserir mais treinamentos e conscientização dos gestores na agenda das organizações, abrindo uma nova frente de atuação para o RH.

Para concluir, a percepção sobre quais são as atribuições do profissional de sustentabilidade é bastante variada, o que pode ser explicado pela grande multidisciplinaridade e transversalidade da área, que vai das atuações mais técnicas às mais estratégicas, do setor privado ao meio acadêmico, passando por ONGs e poder público. Uma das discussões mais atuais é justamente sobre a posição do tema dentro das organizações: se deveria haver uma área estruturada que funcione como executora ou facilitadora das demais, monitorando suas atividades; se a sustentabilidade permearia a cultura interna, estando inserida nas responsabilidades dos gestores de todas as áreas, de forma mais distribuída; ou, finalmente, se seria um posicionamento estratégico e sistêmico, que orienta todas as decisões da organização.

A Abraps espera ter contribuído para avançar a agenda da sustentabilidade, ao demonstrar a riqueza do setor e a necessidade de discutir melhor seu escopo, já que é muito comum que pessoas atuantes na área ainda não se reconheçam como tal. Uma comunidade unida e que compartilhe experiências será fundamental para o avanço do tema.


Fonte: Abraps

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail