Mergulhadores voluntários retiram lixo submerso no lago Paranoá, em Brasília

eCycle

Semana Lago Limpo chegou à sétima edição

Lixo retirado do Lago Paranoá
Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Cerca de duas toneladas de lixo devem ser retiradas do lago Paranoá, em Brasília, como resultado da Semana Lago Limpo 2017, que terminou em 16 de setembro. O evento, realizado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) para promover a limpeza e a proteção do lago, conta com o apoio de dezenas de mergulhadores que, voluntariamente, descem às profundezas do lago para recolher aquilo que os visitantes despejam.

“O que a gente vê muito é muito lixo jogado mesmo pelas pessoas, uma total falta de consciência”, critica o mergulhador Guilherme Aguiar. Para limpar o ambiente, os mergulhadores descem com sacos plásticos, parecidos com sacos de feiras, e ficam várias horas submersos por dia. Na opinião de Guilherme, é importante mostrar “que o que elas jogam dentro da água, a partir das lanchas e até dos restaurantes, fica ali guardado, no fundo do lago, por muito tempo, poluindo tudo”. Latinhas de cervejas, garrafas e copo de plástico são alguns dos objetos mais encontrados. “São coisas que as pessoas usam na hora da diversão, mas essa diversão vira um problema para um ambiente”, alerta o mergulhador.

Esta é a sétima edição da semana. Na primeira, cerca de oito toneladas de lixo foram recolhidas. Na última, em 2016, foram duas. A redução, na opinião do presidente da Adasa, Paulo Salles, é fruto do trabalho que vem sendo desenvolvido pelos órgãos públicos, bem como por mudanças no comportamento da população. “As pessoas estão ficando cada vez mais conscientes de que não devem jogar dejetos no lago”, disse, acrescentando que diversas ações de conscientização ambiental, como palestras e peças infantis, compuseram a programação do evento.

Salles comemora o fato do lago, hoje, ser utilizado pelos mergulhadores e pela população, em geral, que busca se refrescar nas águas do Paranoá, especialmente nos meses secos da capital federal, como setembro. Ele lembra que, no fim da década de 1970, a situação era completamente diferente. “O lago viveu um momento trágico”, diz. À época, o lago estava extremamente poluído, como resultado do recebimento de lixo e até de esgoto. A morte de muitos peixes e o odor que exalava chamaram a atenção da população e das autoridades, que então iniciaram o processo de despoluição do Paranoá.

Hoje, a maior parte das águas é balneável, mas algumas áreas são consideradas impróprias. Para que essa área continue limpa, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federa (Caesb) executa um programa contínuo e sistemático de observação e avaliação das características do lago. A Adasa também promove fiscalização em busca de possíveis infrações. Ao longo da semana, técnicos do órgão e militares da Polícia Militar e da Marinha também atuaram na fiscalização, em busca de captações irregulares de água e lançamentos de esgoto no lago. O balanço das ações ainda será feito e apresentado à sociedade.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail