Seja legal na hora de promover ideias sustentáveis

eCycle

Artigo publicado na Environment and Behavior revela que a simpatia é muito importante para incentivar atitudes verdes

Como incentivar atitudes sustentáveis às pessoas ao seu redor? Qual seria o melhor meio de fazer as pessoas adotarem atitudes sustentáveis? Pesquisadores franceses e italianos da área de psicologia fizeram uma experiência para analisar a reação de indivíduos à promoção de atitudes mais verdes. Publicado na revista Environment and Behavior, o resultado apresentado no artigo trouxe a conclusão de que as pessoas estão mais abertas a aceitar esse tipo de ideia quando são abordadas de forma mais leve e sem acusações.

Na psicologia social existem duas linhas de pesquisa que trabalham em dois tipos de abordagem na hora de promover mudanças de atitudes e comportamento. A primeira trabalha com o comprometimento, e é a partir da liberdade de se escolher uma atitude que esse comprometimento produz uma tendência à mudança de comportamento. A segunda forma de abordagem seria pela dissonância cognitiva, isto é, uma provocação no intuito de relembrar as pessoas de suas atitudes incoerentes, gerando certo sentimento de hipocrisia, o que de imediato também pode produzir mudanças comportamentais. As duas mostraram-se maneiras eficientes de incentivo a mudança de atitudes, no entanto, apenas quando a atitude a ser adotada era imediata. Dessa vez, propõem-se analisar as duas formas de abordagem em uma situação real e cotidiana, com um tempo de distância entre a intervenção e a tomada de atitude.

A experiência foi realizada em frente a um supermercado em Paris, onde os pesquisadores exibiam um cartaz com os dizeres “A Terra não pode respirar, pare de usar sacolas de plástico, se eu posso você também pode!”. Eles estabeleceram três grupos de análise. O primeiro seria o das pessoas que eram abordadas apenas para assinar um documento assegurando sua concordância com a mensagem (condição de comprometimento), para o segundo era feito o mesmo pedido, mas, ao final, perguntavam também se eles já tinham usado tais tipos de sacos que causam problemas para o meio ambiente (condição de hipocrisia). E o terceiro seria o grupo de pessoas que não foram abordadas para assinar o documento. A abordagem foi feita antes das pessoas entrarem nos supermercado para que houvesse um tempo entre a intervenção e a intencionada mudança de atitude: não pegar as sacolas plásticas gratuitas.

Ao final, os pesquisadores notaram que as pessoas na condição de comprometimento apresentaram melhores resultados na hora de abandonar os sacos plásticos pelas sacolas reutilizáveis. As pessoas na condição de hipocrisia tiveram praticamente o mesmo resultado que o grupo de controle, com o qual não foi feita a intervenção. A explicação que os psicólogos deram em relação à eficácia das intervenções, foi que as pessoas em condição de hipocrisia acham justificativas de defesa por suas transgressões passadas nesse meio tempo, e na decisão final ao caixa não estão mais dispostas a mudar de comportamento. Muitas delas, por exemplo, justificam o uso das sacolas plásticas gratuitas pelo fato de as usarem em casa como sacos de lixo, além de não quererem pagar pelas sacolas reutilizáveis.

Em 2005, na França, o governo começou a promover campanhas com ideias sustentáveis, e implantou uma medida na qual os supermercados deveriam substituir sacolas plásticas por sacolas reutilizáveis, mas muitos mercados ainda as mantêm com medo de perderem seus clientes. A pesquisa foi realizada no intuito de chamar atenção para a forma de elaboração de campanhas que promovem mudança de atitudes, visto que a maior parte delas exige um intervalo entre a intervenção e a tomada de atitude de fato.

Agora já sabemos, na hora de promover atitudes verdes seja legal e permita o comprometimento livre da pessoa. Pegar mais leve em intervenções pode também produzir pegadas mais leves.


Veja mais:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail