Usina explora a diferença de temperatura das águas do oceano pra gerar energia

eCycle

Usinas OTEC produzem, de modo contínuo, energia limpa por meio das águas dos oceanos, mas há poucas em operação

Os oceanos são continuamente aquecidos pelo sol, criando uma diferença de temperatura entre a água que fica na sua superfície e a que fica nas suas profundezas. As partes do oceano localizadas entre essa variação de temperatura têm uma grande quantidade de energia solar, o que pode, potencialmente, ser aproveitada para gerar eletricidade. O sistema de Conversão de Energia Térmica Oceânica (Ocean Thermal Energy Conversion), conhecido como OTEC (na sigla em inglês), aproveita dessa diferença térmica para gerar energia.

A OTEC é um sistema que se beneficia da luz solar para produzir energia 24 horas por dia por meio de um tubo de entrada de grande diâmetro suspenso numa plataforma ancorada no oceano. Por ser dependente da luz solar, as regiões tropicais são consideradas as mais apropriadas ​​para a construção dese tipo de usina. Contudo, apesar de a usina OTEC apresentar as vantagens já citadas, como produzir uma quantidade significativa de energia não poluente e renovável, ainda não há muitas usinas com essa tecnologia em operação. As razões disso são os altos custos associados com a localização e manutenção de instalações no mar e a necessidade de uma tubulação extremamente longa e de calibre largo, para alcançar as águas que ficam no fundo dos oceanos. Mas parece que isso pode mudar.

Nova indústria

A Lockheed Martin, empresa norte-americana do setor aeroespacial, e a Reignwood Group, conglomerado empresarial com sede em Hong Kong, firmaram uma parceria para construir uma usina-piloto OTEC na costa sul da China, com capacidade entre 10 e 100 MW, para fornecer a energia necessária para um grande resort ecológico, que está sendo desenvolvido pela Reignwood Group. As duas empresas começarão a desenvolver a infraestrutura offshore da usina-piloto ainda em 2013 e a construção deve começar em 2014. Quando o projeto estiver pronto e funcionando, elas planejam usar o conhecimento e a experiência adquiridos ao longo do projeto para melhorar o design das futuras usinas de escala comercial.

A OTEC a ser desenvolvida terá o sistema de ciclo fechado (além dele, há mais dois: o aberto e o híbrido), que consiste no seguinte: a água quente da superfície é bombeada através de um trocador de calor, a fim de evaporar um fluido com ponto de ebulição baixo, como o amoníaco. Em expansão, esse vapor move as turbinas que produzem eletricidade. A água fria é responsável pela condensação do vapor, fazendo com que retorne ao estado líquido. A diferença de temperatura entre a camada fria e a morna do oceano deve ser de pelo menos 20°C, pois quanto maior a diferença de temperatura entre essas camadas, mais energia é produzida.

As empresas afirmam que uma usina OTEC de 100 MW poderia produzir, em um ano, a mesma quantidade de energia que 1,3 milhão de barris de petróleo produz e ainda reduzir as emissões de carbono em meio milhão de toneladas. Supondo que o comércio de petróleo nos próximos anos estará cotado em U$ 100 (mais de R$230) por barril, eles estimam que a economia de combustível com uma usina desse tipo excederia US$ 130 milhões por ano. 

Veja também:
-Estudante cria filtro com ambição de limpar poluição dos oceanos em 5 anos

-Microplásticos: um dos principais poluentes dos oceanos

-Construção de hidrelétricas pode alterar o sistema hidrológico do Pantanal

-Em Londres, óleo de cozinha será transformado em energia elétrica


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail