A era do ciborgue: o que são os organismos cibernéticos?

eCycle

O que é um ciborgue? Já existem organismos cibernéticos andando entre os "humanos comuns"? Confira

ciborgueImagem de Gerd Altmann em Pixabay

Ciborgue é um organismo no qual foi incorporado uma estrutura ou elemento cibernético – ou seja, qualquer dispositivo protético externo pode transformar alguém em um ciborgue. Um telefone celular, por exemplo, sendo um objeto tecnossocial que permite que uma pessoa (usuário) se comunique com outras (usuários) em uma rede (troca de informações e conectividade), representa aquilo que é chamado de “ciborgue de baixa tecnologia”.

As pessoas imaginam os ciborgues geralmente como criaturas futuristas que combinam algumas características humanas e sobre-humanas em um corpo robótico. Personagens de filmes de ficção científica, como o protagonista de O Exterminador do Futuro, Darth Vader ou os Borgs, em Star Trek, vêm à mente de forma automática. Mas você não precisa ir tão longe para entrar em contato com recursos ou características semelhantes aos dos ciborgues.

De acordo com a definição usual, um ciborgue combina partes orgânicas e mecânicas do corpo. No entanto, alguns cientistas ampliam esse entendimento. Eles incluem pessoas com implantes cocleares, marca-passos cardíacos ou mesmo lentes de contato. De certa forma, é válido: o corpo humano é ampliado com tecnologia e os dois trabalham juntos para melhorar as capacidades humanas.

Por mais absurda que a ideia possa parecer, a verdade é que já existem ciborgues andando entre nós, graças ao uso de tatuagens digitais, implantes, exoesqueletos e vestíveis. Num futuro talvez próximo, os implantes cerebrais poderão melhorar a vida das pessoas, aumentando a memória, por exemplo. Imãs ou chips implantados em nossos dedos poderão substituir senhas e chaves.

Os ciborgues já existem?

Estima-se que cerca de 10% da população atual dos EUA sejam ciborgues no sentido técnico, com tecnologias que substituem várias partes do corpo – incluindo marca-passos eletrônicos, articulações artificiais, sistemas de implante de medicamentos, lentes de córneas implantadas e pele artificial.

Na verdade, qualquer pessoa com um órgão, membro ou suplemento artificial (como um marca-passo) e qualquer pessoa reprogramada para resistir a doenças (imunizada) ou drogada para pensar, se comportar ou se sentir melhor (com o suporte da psicofarmacologia) é tecnicamente um ciborgue.

É totalmente concebível que, em um futuro não muito distante, membros protéticos permanentes e totalmente integrados e implantes biônicos sejam generalizados. Os cientistas estão experimentando vários implantes cerebrais que podem ajudar a restaurar a audição de surdos e a visão de alguns cegos.

Tatuagens digitais, remendos no peito ou sensores implantados representam outra vertente de tecnologias que impactam a ciborguização. Os pesquisadores já criaram um adesivo de pele eletrônico que detecta o excesso de glicose no suor e administra drogas automaticamente ao aquecer microagulhas que penetram na pele. No entanto, as tatuagens digitais podem não apenas monitorar os sinais vitais e oferecer aos médicos uma visão sobre a saúde do paciente, mas também podem funcionar como chaves do carro, senhas de entrada ou identificações.

Não como no caso da terceira fase. As tecnologias que se intrometem no próprio projeto da vida, o código genético, podem mudar você para sempre e não apenas você, mas também as próximas gerações. As tecnologias de edição de genes, por exemplo, conferem aos cientistas o poder de adicionar, alterar ou remover partes do DNA de qualquer criatura.

Suas muitas aplicações potenciais incluem correção de defeitos genéticos, tratamento e prevenção da propagação de doenças e melhoria de safras. Esforços de pesquisa estão em andamento com relação a terapias genéticas para pacientes com doenças genéticas hereditárias.

À medida que as inovações tecnológicas no campo da medicina e da saúde se multiplicam dia a dia, será cada vez mais comum aumentar nossos corpos com a ajuda de máquinas. Isso nos torna mais rápidos, mais fortes ou mais sensíveis ao meio ambiente. Isso significa que as fronteiras da “humanidade” são ampliadas, levantando sérias questões éticas.

Ciborgues da vida real

Em 2012, aos 29 anos, o irlandês Neil Harbisson foi o primeiro humano oficialmente reconhecido por um país como um ciborgue – ou um organismo cibernético. Neil Harbisson é um artista nascido com acromatopsia ou daltonismo extremo, que só podia ver em preto e branco. A princípio, ele recebeu seu olho eletrônico especializado, seu “eyeborg”, para poder interpretar cores percebidas como sons na escala musical.

Além de Harbisson, Kevin Warwick, conhecido como Capitão Cyborg, também tem experimentado diferentes implantes eletrônicos ao longo da vida, como a instalação de um microchip em seu braço que lhe permite operar luzes, aquecedores ou computadores remotamente. Por mais dedicado que seja, Warwick também deu um implante em sua esposa, de modo que, quando alguém a segurasse pela mão, o homem pudesse sentir a mesma sensação na sua.

Warwick é professor de Cibernética na Universidade de Reading, no Reino Unido, e fundador do Projeto Cyborg. Ele se tornou conhecido por usar a si mesmo como cobaia em uma missão para se tornar o ciborgue mais completo do mundo. Além desse trabalho, ele também está envolvido em pesquisas sobre inteligência artificial.

Jesse Sullivan trabalhava como eletricista quando, em maio de 2001, sofreu um acidente com risco de vida: foi eletrocutado com tanta gravidade que ambos os braços precisaram ser amputados. Isso, no entanto, o levou a se tornar o primeiro "Homem Biônico" do mundo.

O Instituto de Reabilitação de Chicago ofereceu-lhe a substituição dos braços por próteses robóticas, oportunidade que ele aproveitou com prazer. Ele recebeu um membro biônico conectado por meio de um enxerto de nervo-músculo.

Ele tem controle sobre seu membro com sua mente: quando pensa em levantar um braço, por exemplo, certos músculos em seu peito se contraem em vez de músculos em seu braço original, e a substituição protética interpreta essa contração como uma instrução para mover-se em um certo caminho. Além disso, ele também pode sentir a temperatura e a quantidade de pressão aplicada por sua pegada.

O projeto BrainGate

As máquinas que se conectam ao cérebro humano para coletar e interpretar seus sinais elétricos têm um potencial amplo, desde permitir que pessoas paralisadas controlem próteses robóticas até suplementar a inteligência humana para que ela acompanhe a inteligência artificial.

A equipe por trás de um projeto conhecido como BrainGate já possui uma versão sem fio da tecnologia de interface cérebro-computador (ICC) que pode ler e transmitir sinais neurais em uma largura de banda que está no mesmo nível de sistemas com fio, abrindo novas possibilidades emocionantes na pesquisa em neurociência, bem como atendimento ao paciente.

A ideia da tecnologia de interface cérebro-computador é monitorar a atividade elétrica que ocorre no cérebro e decodificar como isso se relaciona com os pensamentos e intenções do usuário. Ao reconhecer que um certo padrão de atividade cerebral se correlaciona com o desejo de levantar a mão direita em uma pessoa paralisada, por exemplo, a interface cérebro-computador pode transformar isso em um comando para uma prótese de braço que então executa o movimento.

A equipe por trás do BrainGate, que é um consórcio de cientistas de várias universidades e instituições dos Estados Unidos, está na vanguarda dessa tecnologia há décadas. Um grande obstáculo, para esta equipe e todos os outros no campo, é que, para que as interfaces cérebro-computador sejam capazes de coletar quantidades realmente significativas de dados em tempo real, elas precisam ser implantadas no cérebro e amarradas a sistemas de computador que decodifique os sinais, em vez de monitorar a atividade de forma não invasiva através das camadas do crânio e do tecido, como uma tampa de EEG.

Essa é a motivação por trás da start-up Neuralink, de Elon Musk, que visa desenvolver uma interface cérebro-computador capaz de fazer o trabalho sem fio e discretamente. A equipe BrainGate afirma ter conseguido isso com seu sistema mais recente, que diz ser o primeiro dispositivo a transmitir todo o espectro de sinais registrados por um sensor intracortical.

O sistema consiste em uma matriz de 200 eletrodos que são implantados no córtex motor do cérebro e retransmite sinais neurais a 48 megabits por segundo para um transmissor sem fio conectado que fica no topo da cabeça do usuário. O sistema tem duração de bateria de 36 horas e foi demonstrado com a ajuda de dois participantes paralisados, que puderam usá-lo continuamente por até 24 horas para apontar, clicar e digitar em um tablet.

Embora, em última análise, a melhoria da qualidade de vida para quem sofre de paralisia seja um dos principais resultados da descoberta, este novo dispositivo também servirá como uma ferramenta poderosa para neurocientistas que buscam compreender melhor a atividade cerebral, o que levará a interfaces cérebro-computador ainda mais avançadas.


Fontes: New Atlas, Medical Futurist (1), Medical Futurist (2) e Cyborg Antropology


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×