Poluição eletromagnética: o que é e impactos

eCycle

A exposição excessiva à poluição eletromagnética pode causar danos ao sistema imunológico

Poluição eletromagnétca
Imagem de Gilles Lambert em Unsplash

O excesso de ondas eletromagnéticas emitidas por equipamentos eletroeletrônicos produz um tipo de poluição chamada de “poluição eletromagnética”, que é imperceptível e está presente por toda a parte. A emissão de campos eletromagnéticos pode ser capaz de alterar o ritmo biológico humano, em especial o sono e as funções imunitárias e nervosas, danificar aparelhos elétricos e até desorientar o vôo de algumas aves.

Nas últimas décadas, a tecnologia moderna desenvolveu vários emissores de radiação eletromagnética, que são largamente empregados em redes de infraestrutura elétrica e de telecomunicações. Redes de transmissão de energia, torres de alta tensão, antenas de televisão, de rádio e de telefonia celular, computadores, televisores, microondas e aparelhos celulares expandiram os campos eletromagnéticos, que podem vencer diversos obstáculos físicos, como gases, água e paredes.

Fontes de poluição eletromagnética

Como dito anteriormente, estamos expostos a campos eletromagnéticos de todos os tipos. Sendo assim, aparelhos celulares, antenas de telecomunicação, linhas de transmissão de energia elétrica, equipamentos eletroeletrônicos, eletrodomésticos, antenas de radiodifusão (que são as de TV e as bandas AM e FM), radares e telefones fixos sem fio emitem radiação eletromagnética e, consequentemente, geram poluição eletromagnética no ambiente em que estão presentes.

Os fornos de micro-ondas, segundo a Anatel, são completamente seguros quando desligados, porque não emitem nenhum tipo da radiação. Porém quando ligados e, se apresentarem algum defeito, como mau funcionamento das travas de segurança, podem emitir radiação. Por isso, é sempre importante que o usuário verifique se a porta está fechada corretamente, se as travas da porta estão limpas e sem sinais visíveis de danos.

As antenas de telecomunicação, principalmente as antenas de comunicação celular, são uma grande preocupação com relação aos riscos que oferecem para a saúde. Um estudo conduzido por pesquisadores brasileiros mediu a existência de correlação espacial entre as mortes por neoplasia (tumor maligno) em Belo Horizonte e a presença de estações radiobase (antenas e torres).

O resultado é assustador: em 10 anos, foram registradas mais de sete mil mortes por neoplasia, todas elas estavam dentro de um raio de até 500 metros das estações radiobase. Fora desse raio, as mortes por neoplasia foram decrescendo proporcionalmente à distância das torres e antenas.

Na Índia, país considerado líder no mercado global de telecomunicações, existem vários casos de aparecimento de câncer relacionado à proximidade de antenas e torres de celular. Um caso famoso ocorreu em Mumbai, onde foram relatados seis casos de câncer em andares consecutivos de um edifício localizado em frente a várias antenas e torres de telecomunicação.

Para as antenas e torres de telecomunicação, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) também classifica essa radiação como possivelmente carcinogênica.

Riscos à saúde decorrentes da poluição eletromagnética

Pesquisas realizadas pelo Interphone Study Group em parceria com a IARC, concluíram que existem suspeitas de aumento de tumor maligno no Sistema Nervoso Central para usuários que utilizam frequentemente o celular do mesmo lado da cabeça. Diante desse cenário, a IARC classifica o campo magnético emitido pelos celulares como possivelmente carcinogênico para humanos.

Segundo estudo científico realizado por especialistas da National Institute on Drug Abuse, existe uma associação entre utilizar o celular por 50 minutos no modo convencional, isto é, perto da cabeça, e o aumento do metabolismo da glicose cerebral. Até o momento, essa informação não possui significância clínica para que se possam tirar conclusões sobre o que esse efeito pode provocar na saúde humana.

Para outra pesquisa elaborada na Universidade de Tampere (Finlândia), os tumores malignos em usuários de celular não se localizam necessariamente em partes atingidas pela radiação emitida pelos aparelhos, ou seja, eles podem surgir em outros lugares do corpo, afetando negativamente a saúde humana.

Na Universidade de Oxford, foi sinalizado o aumento dos riscos de tumor maligno associado ao uso prolongado do celular (mais de cinco anos), sendo que ele aumenta proporcionalmente aos anos de uso. Assim como também afirma um grupo de trabalho gerido pela IARC, segundo o qual as chances de ocorrência de câncer em 10 anos podem aumentar em 40% quando o celular é utilizado perto da cabeça por em média 30 minutos ao dia.

Outro efeito associado à saúde envolve a interferência que a radiação eletromagnética emitida principalmente pelos celulares causa em medicamentos homeopáticos. Existem estudos que indicam a diminuição dos efeitos de medicamentos em animais expostos à essa mesma radiação.

Dicas para evitar a exposição

A U.S Food and Drug Administration (FDA) apresenta dicas para que as pessoas possam se proteger da radiação eletromagnética emitida por aparelhos eletroeletrônicos. A empresa indica a utilização de kits próprios para celulares que contêm dispositivos para tornar possível a conversação no celular sem entrar em contato com a área da cabeça, como os fones de ouvido. Porém, ela afirma que o uso desses kits reduz, mas não elimina os riscos da exposição.

A FDA também sugere que manter o celular longe do corpo e da cabeça, usar o viva voz para falar ao telefone, redigir mensagens de texto e fazer uso consciente do celular, também ajudam a diminuir a absorção de radiofrequência. Outra dica que contribui para a sustentabilidade é adotar um único telefone celular. Existem pessoas que possuem dois ou mais equipamentos. A melhor opção é usar tecnologia que suporte mais de um chip, gerando até uma economia considerável. Assim, você evita carregar tantos telefones celulares e diminui o descarte de aparelhos eletrônicos.

Outros equipamentos e acessórios de diversas marcas foram criados para minimizar a quantidade de radiação que chega à cabeça, que além de te oferecer proteção, torna mais sustentável e saudável a utilização do aparelho celular. Normalmente, eles são constituídos por uma capa protetora composta por camadas, que são responsáveis por trazerem os benefícios de limitar a radiação.

Além disso, procurar não viver próximo a antenas de radiodifusão e de telecomunicação e utilizar tecidos semitransparentes que diminuem a radiação eletromagnética absorvida pelo corpo humano são outras indicações. A proteção contra os riscos da radiação eletromagnética emitida por aparelhos eletrônicos oferecida por tecidos refletores segue como princípio de funcionamento o fenômeno da blindagem eletrostática. Materiais como cobre, prata, alumínio, são capazes de refletir ondas eletromagnéticas emitidas por aparelhos eletrônicos.

O funcionamento é simples: imagine a cortina do seu quarto e pense que ondas eletromagnéticas, na frequência das emitidas por aparelhos eletrônicos e antenas, cheguem por meio da janela, ou através da parede. Se a cortina fosse feita com tecido refletor de radiação, as ondas que viessem na direção da janela ou das paredes seriam refletidas no mesmo sentido de onde vieram e não entrariam no seu quarto.

Os tecidos refletores de radiação também podem ser utilizados diretamente nos celulares, na forma de capa para o aparelho. De acordo com informações fornecidas por fabricantes de capas para celulares feitas com tecidos refletores de radiação, o objeto para proteção é composto por uma porcentagem de poliéster e por fibras metálicas que contêm cobre ou prata ou aço inox, capazes de refletir as ondas eletromagnéticas do celular que iriam ser absorvidas pela cabeça por meio da pele.

Ainda de acordo com essas informações, a capa refletora de radiação foi desenvolvida para refletir apenas a fração da radiação que atingiria o usuário do celular ao colocá-lo próximo à cabeça, não alterando assim a capacidade de comunicação do aparelho.



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×