Agricultura 4.0 tem prós e contras. Entenda

eCycle

Termo Agricultura 4.0 faz referência ao uso de inovações tecnológicas para melhorar produtividade do campo. Mudanças têm prós e contras que precisam ser ponderados

Agricultura 4.0
Imagem de DJI-Agras no Pixabay

A inteligência artificial (IA) desperta sentimentos conflitantes - para alguns, ela poderia nos libertar do trabalho monótono e gerar enormes ganhos de produtividade, enquanto outros pensam que pode criar uma distopia de desemprego em massa e opressão automatizada. No caso da agricultura, alguns pesquisadores, empresários e políticos pensam que os efeitos da IA ​​e de outras tecnologias avançadas são tão grandes que estão provocando uma "quarta revolução agrícola", também chamada de Agricultura 4.0.

Os efeitos potencialmente transformadores da tecnologia que está por vir para a agricultura - positivos e negativos - exigem que se faça uma pausa para reflexão antes que a revolução tome conta. Ela deve funcionar para todos, quer sejam agricultores (independente de seu tamanho ou empresa), proprietários de terras, trabalhadores rurais, comunidades rurais ou o público em geral. Ainda assim, em um estudo publicado recentemente, liderado pela pesquisadora Hannah Barrett, descobriu-se que a Agricultura 4.0 é em geral vista como extremamente positiva, sem que se dê muito enfoque às potenciais consequências negativas.

A primeira revolução agrícola ocorreu quando os humanos começaram a cultivar, há cerca de 12.000 anos. A segunda foi a reorganização das terras agrícolas a partir do século XVII, que se seguiu ao fim do feudalismo na Europa. E a terceira (também conhecida como revolução verde) foi a introdução de fertilizantes químicos, pesticidas e novas raças de safras de alto rendimento ao lado de maquinário pesado, nas décadas de 1950 e 1960.

Os termos Agricultura 4.0 e quarta revolução agrícola, assim como a quarta revolução industrial, se referem a mudanças provocadas pelo uso de de novas tecnologias, particularmente o uso de IA para tomar decisões de planejamento mais inteligentes e alimentar robôs autônomos. Essas máquinas inteligentes podem ser usadas para cultivar e colher, capinar, ordenhar gado e distribuir agroquímicos por drones. Outras tecnologias agrícolas específicas incluem novos tipos de edição de genes para desenvolver safras de maior rendimento e resistentes a doenças; fazendas verticais; e carne sintética produzida em laboratório.

Essas tecnologias estão atraindo enormes quantias de financiamento e investimento na busca para aumentar a produção de alimentos e, ao mesmo tempo, minimizar a degradação ambiental. Isso pode, em parte, estar relacionado à cobertura positiva da mídia. Uma pesquisa descobriu que a cobertura da mídia no Reino Unido com relação a novas tecnologias agrícolas tende a ser otimista, retratando-as como a chave para resolver os desafios agrícolas.

No entanto, muitas tecnologias agrícolas anteriores também foram saudadas com entusiasmo semelhante antes de gerar polêmica mais tarde, como aconteceu com as primeiras safras e produtos químicos geneticamente modificados, como o agora proibido pesticida DDT. Dadas as controvérsias mais amplas em torno de tecnologias emergentes como nanotecnologia e carros sem motorista, o otimismo tecnológico não controlado ou cego parece imprudente.

Não se deve presumir que todas essas novas tecnologias agrícolas serão adotadas sem superar certas barreiras. O precedente mostra que é improvável que os benefícios sejam distribuídos pela sociedade de modo uniforme, de modo que algumas pessoas devem sair perdendo. Convém entender quem pode perder e o que podemos fazer a respeito, e fazer perguntas mais amplas, que respondam se as novas tecnologias realmente cumprirão o prometido.

A ordenha robotizada de vacas é um bom exemplo. Em uma pesquisa, um fazendeiro disse que o uso de robôs melhorou seu equilíbrio entre vida pessoal e profissional e permite a inclusão de trabalhadores com deficiência no contexto rural. Mas as mudanças também criaram um "tipo diferente de estresse" devido à sobrecarga de informações resultante e à percepção de que o agricultor precisava monitorar os dados 24 horas por dia, 7 dias por semana.

A National Farmer's Union (NFU) argumenta que as novas tecnologias podem atrair participantes mais jovens e tecnicamente mais qualificados para uma força de trabalho em envelhecimento. Essas descobertas podem permitir que uma gama mais ampla de pessoas se dedique à agricultura, eliminando estereótipos opressores por meio do maior uso de máquinas.

Mas os trabalhadores agrícolas existentes em risco de serem substituídos por uma máquina ou cujas habilidades são inadequadas para um novo estilo de agricultura, inevitavelmente, ficarão menos entusiasmados com a perspectiva de mudança. E podem não gostar de ser forçados a passar menos tempo trabalhando ao ar livre, tornando-se cada vez mais dependentes de máquinas em vez de seu próprio conhecimento.

Desequilíbrio de poder

Existem também potenciais desigualdades de poder nesta nova revolução. Nossa pesquisa descobriu que alguns agricultores estavam otimistas sobre um futuro de alta tecnologia. Mas outros se perguntaram se aqueles com menos capital, baixa disponibilidade de banda larga e habilidades de TI e acesso a conselhos sobre como usar a tecnologia poderiam se beneficiar.

A história sugere que as empresas de tecnologia e os negócios agrícolas maiores são frequentemente os vencedores desse tipo de mudança, e os benefícios nem sempre chegam às fazendas familiares menores. No contexto da Agricultura 4.0, isso pode significar que os agricultores não possuem ou não têm acesso total aos dados coletados em suas fazendas por meio de novas tecnologias. Ou depender de empresas para manter equipamentos cada vez mais importantes e complexos.

A controvérsia em torno dos cultivos GM (que são criados pela inserção de DNA de outros organismos) fornece um franco lembrete de que não há garantia de que novas tecnologias serão adotadas pelo público. Uma reação semelhante poderia ocorrer se o público perceber a edição de genes (que em vez disso envolve fazer pequenas mudanças controladas no DNA de um organismo vivo) como equivalente ao GM. Os defensores da tecnologia vestível para gado afirmam que melhoram o bem-estar, mas o público pode perceber o uso de tais dispositivos como semelhante a tratar os animais como se fossem máquinas.

Em vez de otimismo cego, é útil identificar onde ocorrerão os benefícios e as desvantagens da nova tecnologia agrícola e para quem. Este processo deve incluir uma ampla gama de pessoas para ajudar a criar visões responsáveis ​​em toda a sociedade para o futuro da agricultura.

A NFU disse que a Agricultura 4.0 é "empolgante - além de um pouco assustadora... Mas as duas geralmente andam juntas". É hora de discutir os aspectos assustadores com o mesmo vigor da parte emocionante.


Fonte: Phys.org

Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×