Tráfico de animais: o que é e como denunciar

eCycle

O tráfico de animais contribui para a extinção de espécies e pode causar desequilíbrio nos ecossistemas

O tráfico de animais é a terceira maior atividade ilegal do mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas. Ele consiste no ato de retirar animais silvestres de seus habitats naturais e comercializá-los ilegalmente. Além de causar maus tratos aos animais, essa prática é considerada um grande risco à biodiversidade e ao equilíbrio ecológico dos ecossistemas.

Por abrigar a maior biodiversidade do planeta, o Brasil é um dos principais alvos do tráfico de animais. Outro fator que contribui para essa prática no país é a falta de fiscalização e de punições severas. De acordo com estudos, o tráfico de animais movimenta cerca de 10 a 20 bilhões de dólares em todo o mundo, sendo que o nosso país participa com 15% desse valor.

Tipos de tráfico de animais

Existem quatro tipos de tráfico de animais. São eles:

  • Para colecionadores particulares: nesse tipo de tráfico, animais em extinção são mais solicitados;
  • Para fins científicos: fenômeno conhecido como biopirataria, esse tipo de tráfico utiliza os animais silvestres para fins científicos;
  • Para venda em pet shops: esse tipo de tráfico é movimentado pela demanda, onde estabelecimentos comerciais estimulam a compra e venda ilegal de animais silvestres;
  • Para produção de subprodutos: nesse tipo de tráfico, os animais são utilizados para a fabricação de adornos e artesanato, sendo que as penas, couro, pele e presas são comercializados ilegalmente.

Causas do tráfico de animais

De modo geral, as causas do tráfico de animais são frequentemente atribuídas às características socioeconômicas do país e de suas regiões, especialmente em nações com alta biodiversidade e desigualdade social. Desse modo, em locais com altas taxas de desemprego e baixos níveis de educação formal, as atividades relacionadas ao tráfico de animais podem ser muito lucrativas, inclusive fornecendo renda adicional às famílias envolvidas.

O tráfico de animais tem se tornado uma indústria global maciça, atraindo grupos de criminosos movidos especialmente pelos baixos riscos, altos lucros e fracas punições. Além disso, devido à grande lucratividade, o tráfico também tem financiado novas frentes ilegais e crimes transnacionais, gerando prejuízos econômicos e desestabilização política nos países em que as espécies ameaçadas não podem ser facilmente protegidas. Longe de ser mais uma questão de conservação ou bem-estar animal, o tráfico e comércio ilegal de animais silvestres deve ser visto como uma questão de segurança nacional e global.

Tráfico de animais no Brasil

O tráfico de animais no Brasil provoca a retirada anual de aproximadamente 38 milhões de exemplares das florestas e matas, de acordo com dados do IBAMA. O alto índice de retirada de animais de seus habitats coloca em risco de extinção um número cada vez maior de espécies. Os animais capturados no Brasil, em sua maioria, são comercializados no próprio território brasileiro, sendo que as regiões mais afetadas são Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Depois de capturados, os animais são submetidos a várias práticas agressivas durante o transporte para os centros consumidores. Além disso, eles são armazenados em gaiolas compartilhadas, sem espaço para locomoção e, muitas vezes, acabam ficando desnutridos e morrendo.

Por serem comercializados com valores mais altos, os animais em extinção são o principal alvo dos traficantes. A arara-azul é um exemplo de espécie mais contrabandeada, especialmente entre colecionadores. Porém, animais que possuem baixo valor comercial também são vítimas do comércio ilegal, principalmente aves, tartarugas e saguis.

Os animais silvestres mais procurados pelo tráfico são aves, primatas e cobras:

  • Arara-azul;
  • Jaguatirica;
  • Arara-azul-de-lear;
  • Arara-vermelha;
  • Papagaio-da-cara-roxa;
  • Mico-leão-dourado;
  • Jiboia;
  • Tucano;
  • Cascavel;

Consequências do tráfico de animais

A retirada constante de animais de uma mesma espécie pode levar a extinções locais ou totais, além de afetar outras espécies com as quais ela se relaciona. A redução das populações de animais de uma espécie também é um fator favorável à extinção pelo fato de facilitar o cruzamento entre parentes, o que empobrece a diversidade genética e dificulta a adaptação dos animais às mudanças ambientais.

O tráfico de animais contribui para o desequilíbrio ecológico, causando mudanças na cadeia alimentar dos habitats em que foram retirados. Além disso, o tráfico de animais reduz consideravelmente a biodiversidade de um determinado ambiente.

Outras consequências ambientais geradas pelo tráfico de animais incluem a introdução de espécies exóticas, a disseminação de doenças e a interrupção de processos ecossistêmicos e serviços ecológicos como a polinização, a dispersão das sementes, o controle populacional de outros animais, e, em médio e longo prazos, a extinção das espécies sobrexplotadas. Dentre essas questões, se destacam os problemas decorrentes das invasões biológicas, que são uma das grandes preocupações ambientais e ameaça primária à biodiversidade global.

Animais de estimação podem escapar ou ser abandonados e, de volta à vida livre, podem se estabelecer em regiões fora de sua distribuição original, causando inúmeros problemas ecológicos, como a disseminação de patógenos, perda genética por hibridização e introgressão, competição interespecífica e extinção de espécies, além de inúmeros impactos em processos ecossistêmicos. Assim, identificar potenciais espécies invasoras antes da sua introdução e analisar a implicação ecológica de possíveis fugas de animais cativos é uma questão atual e fundamental para prevenir os impactos de espécies exóticas invasoras antes mesmo delas se estabelecerem.

Vale ressaltar que o comércio ilegal de animais está intimamente envolvido com a disseminação de zoonoses (doenças transmitidas pelos animais aos humanos). Mais de 180 zoonoses já foram identificadas, valendo destacar:

  • Tuberculose: transmissão comum por primatas;
  • Raiva: os casos mais comuns envolvem a transmissão por cães e gatos, mas a contaminação pode ocorrer pelo contato com saguis (muito traficados), bugios, macacos-prego, macacos-aranha e morcegos. O vírus da raiva é transmitido por mordidas ou quando alguma ferida na pele entra em contato com a saliva de um animal doente;
  • Leptospirose: transmitida por mamíferos;
  • Psitacose: transmitida por aves, incluindo papagaios e araras (bastante traficados);
  • Salmonelose: talvez seja a zoonose mais difundida no mundo. É muito transmitida por aves, mamíferos e répteis, como jabutis e iguanas;

Como denunciar o tráfico de animais?

No Brasil, o controle e a fiscalização de animais silvestres é feita pelo IBAMA e pela Polícia Militar Ambiental. Ao identificar uma situação irregular relacionada a animais silvestres, é possível fazer a denúncia - que pode ser anônima ou não. Ela pode ser feita das seguintes maneiras:

  1. Em caso de suspeita de tráfico de animais, entre em contato com a Linha Verde do IBAMA (0800 61 8080), passe as informações e solicite auxílio sobre as atitudes que podem ser tomadas;
  2. Caso você presencie o tráfico de animais, registre o máximo de informações possíveis, como local da ação, placa dos veículos envolvidos, características das pessoas que estão comprando e vendendo, quais animais, dentre outras informações;
  3. Caso seja avistado algum animal silvestre perdido ou correndo riscos, entre em contato com os órgãos competentes para que o resgate e captura sejam feitos da maneira correta. É importante nunca tentar resgatar o animal sozinho.

10 coisas que você deve saber sobre o tráfico de animais

1. É um grande negócio

Um estudo estimou o valor dos crimes contra a vida selvagem em até US$ 23 bilhões por ano e, como esse estudo foi publicado há mais de uma década, o valor hoje provavelmente é ainda maior.

2. Coloca dezenas de milhares de espécies em risco

O tráfico de animais tem provocado diversas extinções ao longo do caminho. De pássaros a pangolins, leões e tigres, e até orquídeas e madeiras nobres.

3. Também prejudica os humanos

A pandemia do COVID-19 foi provavelmente um subproduto do comércio de animais selvagens, que tem sido associada a vários outros surtos de doenças ao longo dos anos. Caçadores furtivos e traficantes também estão vinculados a assassinatos, intimidação, suborno, crime organizado, terrorismo e uma série de outras ameaças que desestabilizam famílias, comunidades e a segurança nacional.

4. Ele assume muitas formas

O tráfico de vida selvagem pode envolver o trânsito de corpos inteiros, carne, escamas e outras partes - ou animais vivos, vendidos para o comércio de animais de estimação ou para consumo posterior. E quando animais vivos são capturados e enviados, poucos sobrevivem ao processo.

5. É diferente do comércio legal de animais selvagens e da caça ilegal por caçadores de subsistência, mas está vinculado a ambos

Muitos caçadores recorrem ao comércio ilegal em busca de uma renda tão necessária, e os produtos traficados muitas vezes são lavados em mercados legais.

6. Muitas vezes inclui danos colaterais

Caçadores de elefantes, por exemplo, frequentemente usam venenos para eliminar os abutres próximos, que de outra forma circulariam os paquidermes mortos e alertariam as autoridades para matar os locais. No sudeste da Ásia, armadilhas de arame são colocadas para atingir animais “valiosos”, mas matam indiscriminadamente.

7. Não são apenas animais

Plantas, insetos, corais e outras criaturas são todos traficados. O piso de madeira que seu vizinho acabou de instalar pode ter vindo de uma floresta protegida.

8. Frequentemente, está relacionado a outros crimes

O tráfico de animais pode estar relacionado a outros crimes, como contrabando de drogas, tráfico de pessoas e terrorismo, que usam os mesmos métodos para transportar dinheiro e mercadorias ao redor do mundo. Os agentes alfandegários frequentemente encontram remessas de produtos de vida selvagem nos mesmos contêineres que drogas ilegais, armas de fogo e outros produtos.

9. A punição raramente se ajusta ao crime

A maioria dos caçadores furtivos e contrabandistas goza com um tapa no pulso - se tanto. Embora alguns países tenham começado a levar esses crimes mais a sério, as penas médias de prisão e multas permanecem tão pequenas que deixam de funcionar como um desincentivo para crimes futuros.

10. Praticamente todos os países são cúmplices

Praticamente todos os países são cúmplices - tanto como fontes quanto como compradores. E sim, isso inclui os Estados Unidos.



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×