Bituca de cigarro: uma grande vilã ambiental

eCycle

A bituca de cigarro não é biodegradável! Pense bem antes de jogá-la fora de forma incorreta

Basta caminhar pelas ruas de qualquer cidade brasileira para ver uma bituca de cigarro em cada canto. Muitos fumantes ainda jogam suas bitucas em qualquer lugar depois que o cigarro acaba, esquecendo ou sem conhecer o risco ambiental que esse descarte incorreto representa. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número estimado de fumantes no mundo é de 1,6 bilhão. Essa enormidade de pessoas joga fora, de acordo com informações da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), 7,7 bitucas de cigarro por dia. Ou seja, são cerca de 12,3 bilhões de bitucas descartadas diariamente. De acordo com relatório da NBC News, a bituca de cigarro polui mais o oceano do que as sacolas e canudos de plástico.

A preocupação em relação aos números é grande porque um dos "esportes" mais praticados pelos fumantes é o “lançamento de bitucas”, que se familiarizou nas ruas de muitas cidades por todo o mundo, trazendo o terrível inconveniente das pequenas montanhas de bituca de cigarro em frente a bares e outros locais de grande circulação, o que prejudica a cidade e o meio ambiente. No Estado de São Paulo, a lei antifumo, de 2009, agravou ainda mais esse problema, já que não é permitido fumar em ambientes fechados - e muitos estabelecimentos não disponibilizam cinzeiros ou lixeiras apropriadas para a coleta das bitucas. No Paraná, por outro lado, foram criadas leis para multar quem for pego jogando bitucas no chão e para instalar coletores de bitucas em pontos estratégicos.

E em relação aos outros tipos de lixo, a bituca de cigarro parece ser inofensiva quando lançada nas ruas e avenidas. O estrago que esse pequeno objeto causa, no entanto, é muito maior do que muita gente imagina.

Para se ter uma ideia, o tempo de decomposição de uma bituca de cigarro descartada incorretamente pode chegar a até cinco anos, principalmente se for jogada no asfalto. Sem contar o fato de que ela contém mais de 4,7 mil substâncias tóxicas, o que prejudica o solo, contamina rios e córregos. Essa relativa demora na decomposição se deve ao fato de que 95% dos filtros de cigarros são compostos de acetato de celulose, de difícil degradação.

Segundo informações do Portal do Governo do Estado de São Paulo, entre as estações secas, a bituca de cigarro é uma das principais causadoras de incêndios. Essas queimadas, provocadas pelo contato da bituca com a vegetação, provocam danos ambientais e ainda reduzem a segurança em locais próximos de pistas, por conta da fumaça que impede uma melhor visibilidade dos motoristas.

O problema de fumar

Tudo isso sem contar o mal à saúde que o cigarro faz. Com mais de 4,7 mil substâncias químicas consideradas tóxicas presentes em sua fumaça, o cigarro agrava doenças respiratórias, aumenta o risco de câncer de pulmão e diminui a vontade de praticar exercícios físicos.

De acordo com estudo do Inca, o tabagismo representa 45% das mortes por infarto do miocárdio, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema), 25% das mortes por doença cérebro-vascular (derrames) e 30% das mortes por câncer, sendo responsável por causar quase 50 diferentes doenças incapacitantes e fatais e responsável por matar 5 milhões de pessoas por ano.

Além disso, o mesmo estudo mostra que 90% dos casos de câncer de pulmão ocorrem em fumantes e desencadeia e agrava condições como a hipertensão e diabetes.

Segundo o site do Ministério da Saúde, 23 pessoas morrem por hora em consequência de doenças ligadas ao tabagismo e, de acordo com estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), as vítimas do uso do tabaco chegam a cinco milhões por ano. O cultivo de tabaco também promove o desmatamento, já que para secar as folhas de tabaco é necessário utilizar fornos a lenha. E, claro, há a dependência química que o cigarro provoca, sendo considerado um dos vícios mais difíceis de serem abandonados, e o gasto público com saúde devido a doenças relacionadas ao tabagismo.

Além disso, fumar também é prejudicial para quem não fuma e para os trabalhadores da colheita de fumo. Os fumantes passivos têm um risco 30% maior de desenvolverem câncer de pulmão, 25% maior de desenvolverem doenças cardiovasculares além de asma, pneumonia, sinusite, dentre outras. A 3ª causa de morte evitável no mundo é o tabagismo passivo. Isso sem falar nos danos causados pela intoxicação que a colheita do tabaco causa aos agricultores, incluindo - de acordo com alguns pesquisadores - aumento do suicídio, principalmente no sul do Brasil.

Um estudo financiado pela Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) mostrou que o custo do fumo para o sistema de saúde brasileiro é de R$ 21 bilhões ao ano, ao passo que toda a arrecadação tributária com essa indústria fica em torno de R$ 6 bilhões.

Por isso, a opção de parar de fumar é a que mais soluciona os problemas. A pessoa que não gera nenhuma bituca de cigarro, obviamente, não as joga no chão. Mas, para quem tem dificuldade em parar, esforce-se pelo menos para jogar a bituca no lixo. Segure a sua bituca de cigarro até encontrar uma lixeira ou "bituqueira". Outra opção é apagar a bituca e guardá-la de volta no maço de cigarros até que você encontre uma lixeira. Isso vai influenciar outras pessoas a fazerem o mesmo, reduzir a poluição das vias públicas e a contaminação da água.

Reciclagem

A reciclagem de bitucas é possível e algumas empresas oferecem bituqueiras e estação de coleta e triagem de bitucas no Brasil. Além disso, existem diferentes processos de retirada de elementos químicos das bitucas para transformá-las em matéria-prima para indústrias siderúrgica, cimenteira, de plástico, de papel, de adubo e até de fibras naturais.

Uma pesquisa realizada na Unicamp concluiu que alguns métodos podem ser eficazes para a reciclagem de bitucas. A aplicação das bitucas como de inibidor de corrosão para o aço N80a na indústria siderúrgica, por exemplo, possui uma eficiência de 94,6% na inibição da corrosão do aço, quando tratada em uma solução com concentração de 10% de ácido clorídrico, sendo necessária, diariamente, a quantidade de cerca de 3800 bitucas.

A bituca também pode ser transformada em plástico depois de tratada inicialmente com raios gama, para que sejam removidas suas toxinas. Após esse processo, as cinzas são esterilizadas e dissecadas, misturando o papel e o tabaco, enquanto o acetato de celulose, material plástico usado no filtro, é fundido e reciclado. Esse método já recuperou mais de um milhão de cigarros em pouco tempo na Europa e Estados Unidos. Além disso, é um dos programas que mais se expande no mundo todo.


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail