Aprenda como fazer uma composteira doméstica com minhocas

Confira nosso guia de como construir sua própria composteira caseira com minhocas e crie seu próprio vermicomposto

Considerando que produzimos 600 gramas de lixo orgânico por dia, é uma necessidade destinarmos de forma mais sustentável nossos resíduos para que estes não acabem parando em lixões e aterros, contaminando solos e lençóis freáticos, produzindo inclusive o gás metano. A compostagem evita esse tipo de emissão e ainda produz um recurso muito rico: o composto!

A vermicompostagem é um tipo de compostagem que faz uso de vermes, mais especificamente, as minhocas, e pode ser realizada em casas e apartamentos com uso da composteira doméstica. Com essa técnica, há a formação do vermicomposto, que é o produto obtido por meio da ação das minhocas em resíduos orgânicos. O vermicomposto é também conhecido como húmus de minhoca e é um ótimo adubo orgânico, muito rico em flora bacteriana. Basicamente, é a matéria orgânica "reciclada" - saiba mais sobre na matéria "Vermicompostagem: conheça as vantagens dessa técnica que reduz o lixo orgânico".

A vermicompostagem, minhocário ou compostagem com minhocas pode ser feita seguindo os seguintes passos:

  1. Construa o lar das minhocas;
  2. Faça a cama das minhocas;
  3. Adicione as minhocas;
  4. Alimente seus novos bichinhos;
  5. Realize a manutenção periódica;
  6. Recolha e utilize o húmus

Além de ser mais estável, principalmente quanto ao pH, quanto à relação carbono/nitrogênio, e quanto às propriedades físicas, químicas e biológicas capazes de auxiliar no bom desempenho das culturas, o vermicomposto devolve à terra cinco vezes mais nitrogênio, duas vezes mais cálcio, duas vezes e meia mais magnésio, sete vezes mais fósforo e 11 vezes mais potássio. Por essas vantagens, criamos um guia com cinco passos para a criação de uma vermicomposteira caseira que você pode conferir abaixo. Para entender melhor você também pode ler a matéria "O que é compostagem? Entenda melhor os diversos benefícios".

1. Construa o lar das minhocas

Descole um recipiente para ser o lar das minhocas. Ele servirá para deter os restos de comida, regular a umidade do sistema e bloquear a luz (que é prejudicial para as minhocas). Existem diversos modelos de recipientes que são vendidos no mercado, mas você também pode improvisar um.

O recipiente pode ser uma caixa de madeira que facilita a circulação de oxigênio e absorve a umidade. Lembre-se de utilizar madeira que não foi quimicamente tratada. Com isso seu recipiente terá um maior tempo de vida, mas os químicos podem fazer mal às suas minhocas, além de infiltrar no seu composto. Se utilizar essas caixas deve haver uma forração de plástico.

As caixas de plástico empilháveis, ou baldes também podem ser usados, devendo ser opaco para bloquear a luz. É necessário que as caixas sejam perfeitamente empilháveis, encaixando facilmente umas nas outras, sendo as duas de cima as digestoras e a de baixo a coletora.

O ideal é empilhar três ou mais caixas, pois enquanto uma é alimentada com resíduos a outra vai realizando o processo de decomposição e assim alternadamente (caixas digestoras), a última será para coletar o biofertilizante (caixa coletora).

É necessário fazer de 50 a 100 furos (varia conforme tamanho da caixa) de quatro a seis milímetros de diâmetro. Utilizando uma furadeira, faça vários furos pequenos no fundo das suas caixa. E na tampa é preciso fazer uma fileira com furos de 1 milímetro (mm) a 1,5 mm, respeitando o espaço de dois centímetros (cm) entre eles (atenção para que os furos não sejam feitos sobre o encaixe da tampa!). É importante respeitar essas medidas porque são suficientemente largas para a evasão dos vapores e pequenas o bastante para que as minhocas não fujam. Assim você cria uma passagem para que as minhocas possam migrar e o líquido gerado (biofertilizante) possa ser drenado até a última caixa coletora.

Essa caixa coletora de biofertilizante pode conter uma torneira para saída do líquido ou este pode ser retirado manualmente. O biofertilizante rico em nutrientes, pode ser diluído à uma proporção de 1/5 até 1/10, e ser borrifado nas folhas de sua horta caseira ou nas plantas de sua casa.

A caixa deve ter uma tampa (sem furos) para evitar que a luz entre e que seu composto fique ressecado. Coloque o recipiente em um local fresco e ventilado para que ele não superaqueça.

Na caixa coletora, fure a lateral a fim de instalar uma torneirinha tipo bebedouro (opcional). Também é muito útil colocar um pedaço de tijolo que sirva de escada caso as minhocas desçam até essa caixa de baixo, para que não se afoguem no chorume. É importante saber que as minhocas nunca descem de caixa, sempre sobem - se isso aconteceu é porque o ambiente de uma das caixas digestoras não está saudável, então é necessário verificar qual foi o erro.

Caixa para composteira

As dimensões das caixas podem variar com o tamanho da família e do local disponível para armazenar as caixas. Para um local pequeno é mais comum que se use as de 15 litros, com dimensões de 43 cm X 35 cm X 43 cm, ideal para casas com até três pessoas, com capacidade de 0,5 litro orgânico por dia.

Para ampliação de sua capacidade, acrescente caixas extras.

2. Faça a cama das minhocas

Antes de inserir as minhocas deve-se forrar as caixas digestoras colocando terra (pode ser húmus de minhoca ou terra adubada) e também um pouco de serragem. Esta forração deve ter em torno de dez cm de altura.

Adicione as minhocas e deixe descansando por aproximadamente uma ou duas semanas antes de iniciar a colocação dos restos de alimentos - isso para que as minhocas se acostumem com o meio.

3. Adicione as minhocas

Estes seres são capazes de realizar grandes tarefas nesse micro ecossistema, como a captar e trocar nitrogênio com o ar, imobilizar o fósforo, transformar substâncias complexas em simples que são liberadas ao ar, que podem ser de grande utilidade a outros seres vivos também presentes na composteira, melhorar a estrutura do solo, etc. Como a vida das minhocas é perfurar os solos para se locomover, no caminho elas vão descompactando e tornando-o mais arejado. Além disso, se alimentam de restos orgânicos e com isso, defecam o húmus, muito rico em nutrientes. Elas não gostam de sol e calor excessivos, portanto mantenha sua composteira à sombra e em local arejado.Também é importante manter a terra úmida, não encharcada.

Quanto maior for o recipiente, mais minhocas ele poderá suportar. É estimado para cada metro quadrado (m²) de área do recipiente uma quantidade de 450 gramas de minhocas ou cerca de 200 minhocas. A profundidade máxima deve ser de 60 cm, sendo que o ideal é aproximadamente 30 cm já que as minhocas preferem viver logo abaixo da superfície do solo. Para um família de duas pessoas, um recipiente com 0,35 m² e 30 cm de profundidade é o ideal.

Compre as minhocas para sua vermicomposteira. Não utilize as minhocas que você achar no seu jardim. Existem minhocas mais apropriadas para seu ecossistema que são vendidas em lojas de jardinagem, de produtos agrícolas ou na internet. A mais utilizada é a "minhoca californiana vermelha" (Eisenia hortensis), que possui cerca de dez centímetros de comprimento e corpo vermelho. Ela come mais da metade do seu peso todos os dias e se reproduz rapidamente. Por isso, 450 gramas de minhocas desse tipo é o ideal para começar.

Não se preocupe pois geralmente elas mesmas fazem o controle da população. Algumas pessoas podem ficar com nojo ou ter algum receio em ter tantas minhocas em casa, mas elas não saem das caixas, não exalam cheiro e muito menos transmitem doenças (veja mais na matéria "Entrevista: composteiras caseiras são higiênicas").

Minhocas californianas

4. Alimente seus novos bichinhos

As minhocas precisam de uma dieta rica em restos de alimentos para se manterem saudáveis e produzirem adubo. Guarde seus resíduos em um pote fechado até a hora de adicionar ao sistema de compostagem, isso evita que mosquinhas coloquem seus ovos nesses alimentos.

O tamanho ideal das partículas é de um a cinco centímetros, ou uma trituração parcial, pois as partículas muito grandes levam mais tempo para se decompor.

No início, alimente-as apenas um vez por semana com pequenas porções acumuladas em um canto. Quando elas começarem a se reproduzir, dê uma proporção de 25% de material orgânico por metro quadrado semanalmente. Sempre após acrescentar o material orgânico cubra os alimentos com serragem ou folhas secas, como dito anteriormente em uma proporção de 1:3 respectivamente.

As minhocas comem restos de vegetais e de frutas, vários tipos de grãos, folhas de chá, borra de café e cascas de ovos. Misture o material orgânico ao alimentar as minhocas, o que afastará moscas. Se puder, triture o material orgânico antes de introduzi-lo na caixa de compostagem, isso fará com que as minhocas o comam mais rápido ao digerir alimentos menores. Saiba mais informações na matéria "Alimentando as minhocas na compostagem?".

Não alimente as minhocas com alimentos difíceis de digerir, como por exemplo:

  • Alimentos cítricos (não devem compor mais que 1/5 da dieta);
  • Carne;
  • Gorduras ou restos de alimentos gordurosos;
  • Laticínios;
  • Fezes caninas ou felinas;
  • Galhos, sejam eles grossos ou finos;

Saiba o que deve ou não ir na composteira lendo a matéria "Você sabe o que deve e o que não deve ir para a compostagem?".

Não alimente demais suas minhocas. Se você der mais alimento do que elas conseguem digerir o recipiente irá começar a exalar mau cheiro devido à decomposição por meio dos micro-organismos, fazendo o sistema superaquecer, matando seus bichinhos.

5. Realize a manutenção periódica da composteira

O processo não acaba ao inserir os resíduos, sua composteira precisa de cuidados para resultar em minhocas saudáveis e um bom funcionamento do sistema. A aeração é um fator importantíssimo na vermicomposteira, deve-se mexer o material orgânico periodicamente. A primeira aeração deve ocorrer na fase termofílica, ou seja, quando o material orgânico estiver quente. Após aproximadamente 15 dias do começo da compostagem revire o material orgânico e depois repita o procedimento cerca de uma vez por semana.

Sem a presença de oxigênio há um atraso na decomposição dos resíduos e a produção de maus odores como gás sulfídrico e compostos com enxofre que atraem moscas. Caso isso ocorra revolva mais vezes a caixa com o material orgânico e pare de acrescentar resíduos até o sistema voltar ao normal.

Leva aproximadamente um mês para que a caixa superior fique cheia: quando isso acontecer, troque-a com a caixa intermediária, que deve ter tido um cuidado anterior - a colocação de dois dedos de terra misturada com serragem, fazendo a vez de cama para as minhocas.

Nessa segunda caixa, elas devem se sentir mais seguras, já que não há alterações de temperatura e nem de umidade. É um ambiente estável para a fuga das minhocas caso haja algum problema na caixa de cima. Deixe essa caixa descansando até que a caixa intermediária, que agora ocupou o lugar da superior, encha por completo, isto é, um mês para a caixa do topo encher e outro mês para a do meio ficar descansando e produzindo húmus.

A caixa coletora (próxima ao chão) deve ser esvaziada, ou ter seu líquido coletado pela torneirinha, semanalmente. Se este chorume não for drenado ocasionalmente os fluidos se acumulam, tornando o sistema anaeróbio (sem a presença de oxigênio), produzindo odores e toxinas que podem eventualmente exterminar as pobres minhocas.

A umidade também é um fator que deve ser observado constantemente, o material não pode estar nem encharcado nem seco, a umidade deve estar entra 55% e 60% e pode ser controlada com serragem (saiba mais na matéria "Umidade dentro das composteiras: fator muito importante").

A minhocas necessitam de um ambiente de pH compreendido entre 5 e 8 - fora desse intervalo, pode haver diminuição da sua atividade (veja outros detalhes na matéria "Qual é a influência do pH na compostagem?");

O metabolismo das minhocas fica baixo em temperaturas inferiores a 15°C; mais frio do que isso elas morrem; e em temperaturas altas, também (saiba mais na matéria "Condições básicas para manutenção de composteiras: temperatura e umidade").

A relação carbono nitrogênio deve ser equilibrada, por exemplo, estercos e restos de comida são ricos em nitrogênio e as folhas e serragens são ricas em carbono. Geralmente, ao se colocar uma quantidade de restos de alimentos, é colocada três vezes essa quantidade em serragem ou folhas secas (saiba mais detalhes na matéria "Saiba equilibrar a relação entre carbono e nitrogênio na compostagem").

Com o passar do tempo, a caixa digestora intermediária irá se encher de húmus, chegando bem próxima à caixa de cima. A partir de então, as minhocas passarão para o outro recipiente e você poderá repetir o processo, agora com a caixa superior. Quando isso ocorrer, espere o processamento completo do húmus e a migração total das minhocas para a caixa superior. Quando isso ocorrer, retire o húmus da caixa intermediária e a inverta de posição com a que estava na parte de cima. Utilize o húmus para fortificar suas plantas e repita o processo.

6. Recolha e utilize o húmus

O tempo necessário para a degradação da matéria orgânica na composteira depende de diversos fatores, que se deve ter uma atenção especial para obter os melhores resultados da compostagem. Geralmente com os fatores ótimos do meio da composteira, a compostagem acontece entre dois a três meses.

Quando pronto, o composto tem coloração escura, de cinza a preta. Teste em suas mãos a umidade deste composto, pegue uma amostra e molde-a com os dedos e esfregue-a contra palma da mão - se sua mão ficar limpa e o material se desfizer em pedaços, o composto está cru; se parte ficar na mão, deixando mancha como de café, o composto está semicurado; se sua mão ficar bem suja, o composto estará curado.

Algumas minhocas podem morrer, mas não tem problema, elas devem ter se multiplicado bastante até esse momento.

Abra a caixa na luz do dia e espere alguns minutos para que as minhocas desçam para outra caixa (elas não gostam de luminosidade). Retire o húmus superficial e espere mais alguns minutos para retirar outra camada.

Utilize esse adubo orgânico rico em nutrientes nas suas plantas ou horta caseira e veja a diferença no crescimento das plantas!

Agora é só repetir todo o processo novamente.

Veja o vídeo ensinando como fazer a composteira de minhocas doméstica.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail