Valeriana: propriedades, benefícios, indicações e contraindicações

Saiba mais sobre a valeriana, planta medicinal famosa por seu efeito calmante

Planta Valeriana

A valeriana, também conhecida como erva-dos-gatos, é uma planta medicinal muito antiga, mas apenas recentemente conquistou espaço e respeito entre os cientistas. Após estudos, foi comprovada a sua eficácia no combate à insônia, sendo, hoje, muito utilizada como medicamento fitoterápico. Além disso, é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por seus benefícios contra a ansiedade. Não à toa, seu nome científico é derivado do latim valere, que significa “ter saúde”.

Por possuir propriedades sedativas e relaxantes, a valeriana atua como um calmante natural contra a depressão e o estresse, e é indicada para outros inúmeros sintomas, dentre eles:

  • Reações histéricas
  • Hiperatividade
  • Cãibras
  • Dermatoses pruriginosas
  • Convulsões
  • Enxaquecas e dores de cabeça
  • Crises epiléticas
  • Cólicas menstruais e sintomas da menopausa
  • Ataques de pânico
  • Neurastenia
  • Arritmia cardíaca

É também muito utilizada no tratamento de doenças crônicas, como o transtorno de déficit de atenção, a síndrome de fadiga crônica, a doença de Crohn (inflamação crônica no estômago) e a doença celíaca (intolerância ao glúten), e até mesmo para controlar vícios, como o tabagismo e o alcoolismo, já que seus componentes ajudam a combater a ansiedade e a insônia decorrentes da abstinência.

A erva valeriana não tem um cheiro muito agradável ao olfato humano, diferentemente do que ocorre com os felinos - o nome popular “erva-dos-gatos” deve-se ao efeito de euforia que a planta causa nesses animais (é indicado evitar deixar a planta próxima a eles). Desse modo, a raiz e o rizoma são as partes mais utilizadas para o consumo humano. Dessas partes, são feitos suplementos, chás, cápsulas e comprimidos, que podem ser encontrados em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação ou feiras livres.

Contraindicações da planta

Apesar dos seus benefícios comprovados, é preciso buscar uma orientação médica antes de iniciar o seu uso. As reações são variadas e algumas pessoas ficam sedadas mesmo com uma dose baixa. Em outras, a erva valeriana pode provocar um efeito estimulante. A superdosagem pode ter efeitos colaterais tais como náuseas, tonturas, vômitos, fadiga e indisposição gastrointestinal.

Não é aconselhável misturá-la com álcool, outros medicamentos sedativos ou outras plantas semelhantes (como erva catnip, lúpulo, melatonina ou sálvia), pois dessa forma seu efeito pode ser intensificado e gerar sonolência.

Também não é indicado para grávidas, pessoas que possuem alergias respiratórias e crianças menores de três anos. Além disso, a valeriana não deve ser utilizada por tempo prolongado, independente da forma como for consumida. É recomendado o período de quatro a seis semanas para completar o tratamento, mas sempre consulte um médico para saber o que ele pensa a respeito do uso para o seu caso.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail