Dados de satélite confirmam que nível mínimo de dióxido de carbono global já está acima de 400 ppm

Limite havia sido ultrapassado em 2013, mas nível mínimo global já chegou à marca

Gráfico dióxido de carbono global já está acima de 400 ppm

Todos os anos, durante a primavera do Hemisfério Norte, o planeta começa a ficar mais verde. As árvores germinam suas folhas, as plantas crescem e a vegetação se apodera do norte do equador, onde cerca de 70% da massa terrestre total da Terra se encontra.

À medida em que a fotossíntese aumenta, as plantas respiram dióxido de carbono (CO2) e os níveis atmosféricos de CO2 começam a cair. Então, no outono e no inverno, quando as árvores perdem suas folhas, os níveis de CO2 começam a subir novamente. Esta seqüência up-and-down cria um ciclo anual de níveis mínimos e máximos de CO2 atmosférico.

"O intercâmbio entre a vegetação e a atmosfera faz esse tipo de padrão ondulado, e o que parece estar acontecendo agora é que estamos atingindo um mínimo anual que está acima de 400 ppm [partes por milhão]", diz João Teixeira, líder da equipe científica do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa). "A menos que algo dramático aconteça com seres humanos e com o planeta, não teremos medições abaixo de 400 novamente nas próximas décadas".

Gráfico dióxido de carbono global já está acima de 400 ppm

Marco climático

Registros coletados em núcleos do gelo mostram que, até a Revolução Industrial, os níveis atmosféricos de CO2 permaneceram estáveis ​​em cerca de 280 ppm. Em 1961, os dados de CO2 coletados em uma estação de monitoramento no cume do vulcão Mauna Loa, no Havaí, mostraram que os níveis atmosféricos de CO2 estavam aumentando constantemente em cerca de dois ppm por ano. Quase meio século depois, em 2005, as concentrações de CO2 aumentaram para 380 ppm.

A estação em Mauna Loa é considerada o "padrão ouro" para monitorar o CO2 atmosférico da superfície. Mas o lançamento, em 2002, do instrumento Atmospheric Infrared Sounder (Airs) tornou possível aos pesquisadores mapear os níveis de CO2 na troposfera em uma escala global. "De repente, temos medidas sobre o oceano, sobre a terra e sobre os pólos, e agora podemos acompanhar esses níveis ao longo do tempo", diz Edward Olsen, cientista e membro da equipe Airs Nasa JPL.

Em maio de 2013, a estação Mauna Loa registou níveis de CO2 acima da referência de 400 ppm pela primeira vez. Embora essa medida tenha sido um marco climático, os dados Airs confirmaram recentemente um marco mais significativo: o nível mínimo anual de CO2 já ultrapassou 400 ppm - não apenas em um local, mas em todo o globo. "Nós tomamos fizemos essas medições em todo o mundo, em diferentes lugares", diz Teixeira. "Assim, o Airs nos deu o valor médio global de CO2 na atmosfera."

Novo território

Ver concentrações globais acima do limite de 400 ppm numa época do ano em que o CO2 atmosférico está tipicamente no seu nível mais baixo é um ponto crítico. "O significado do mínimo que excede 400 ppm é que os processos naturais que reduzem o CO2 atmosférico não são suficientemente fortes para reduzir o nível novamente", diz Olsen.

"Infelizmente, como as coisas vão mudar ainda não está totalmente claro", diz Teixeira. "Mas mesmo que parássemos de emitir agora, teremos CO2 suficiente para ainda ter um aumento nas temperaturas".

Embora o valor de referência de 400 ppm seja um tanto simbólico, Teixeira diz que é um ponto importante que destaca como os seres humanos estão impactando o planeta. "O limite de 400 ppm não é mais cientificamente significativo do que, digamos, 398 ppm", diz ele. "Mas é realmente esta ideia que nós cruzamos um limite, e nós teremos que viver com as conseqüências. É provavelmente o momento de parar, agir e nos certificarmos de que o CO2 não aumente muito mais. "


Fonte: Nasa

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail